Publicidade

Estado de Minas DECISÃO

COVID-19: Justiça determina que São Lourenço siga onda roxa na íntegra

Município adotou 'tratamento precoce' e mesmo na fase mais restritiva do estado tinha flexibilizado o comércio; decisão prevê multa diária de R$ 100 mil


10/04/2021 16:18 - atualizado 10/04/2021 21:39

Prefeito grava vídeo para explicar decisão do TJMG(foto: Reprodução Facebook)
Prefeito grava vídeo para explicar decisão do TJMG (foto: Reprodução Facebook)
O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) determinou que São Lourenço, no Sul de Minas, siga na íntegra as medidas impostas pela onda roxa do Programa Minas Consciente. A decisão prevê multa diária de R$ 100 mil. O município adotou o chamado "tratamento precoce", que não tem comprovação científica e, mesmo na fase mais restritiva do estado, tinha flexibilizado o comércio.

 

De acordo com o prefeito, Walter José Lessa, a cidade recebeu a decisão do TJMG nessa sexta-feira (9/4). O município recebeu o prazo de 24 horas para suspender do decreto anterior, que autorizava o funcionamento de serviços considerados não-essenciais como academias, barbearias e salões de beleza.

 

O prefeito gravou um vídeo para informar a população sobre a determinação da Justiça e as novas regras, que começaram a valer neste sábado (10/4).

 

“Nós aqui estamos sensibilizados com as ações que nós teremos que tomar. Nos entendemos que todos precisam do seu trabalho, todo mundo tem uma família para sustentar. Mas a gente não tem outro caminho, a não ser esse de cumprir essa determinação”, disse prefeito nas redes sociais.

 

São Lourenço já ultrapassou os 3 mil casos do novo coronavírus e 63 mortes em decorrência da doença.

 

“A macrorregião vem aumentando e muito os contaminados pela COVID-19 e provocando uma superlotação na UTI e na ala da COVID-19. Isso nos traz uma grande preocupação na questão dos leitos, que estarão disponíveis para a utilidade dos pacientes que assim precisarem. Então nós estamos também preocupados com essa situação. Não é só a cidade de São Lourenço, mas o hospital é sede da micro e macrorregião. Onde atende uma população alvo de mais de 400 mil pessoas. Então, nós temos, realmente, que ter toda essa preocupação”, afirmou prefeito.

 

 

‘Tratamento precoce’

 

O prefeito adotou o ‘tratamento precoce’ contra o novo coronavírus com a combinação dos medicamentos: azitromicina, ivermectina, dexatametazona, zinco e vitamina D. Ele apareceu em vídeos afirmando que zerou internações e diminuiu mortes no município. O caso repercutiu nas redes sociais e é investigado pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG). O uso destes medicamentos contra a COVID-19 não tem a eficácia comprovada.

 

“Quero deixar bem claro que o problema não é São Lourenço. A cidade não está em colapso. O hospital com mais de 100% de ocupação com paciente da micro e macrorregião. Ficamos 19 dias sem nenhum paciente internado. São Lourenço estava em uma bolha”, ressalta prefeito por telefone.

 

De acordo com o último boletim municipal, a cidade tem 108% de ocupação dos leitos de UTI. Sendo 11 pacientes da cidade e 27 pessoas da macrorregião. “Talvez essa nova variante e esse fluxo que a cidade tem, mudou um pouco o cenário”, afirma.

 

Além de seguir a determinação da Justiça Estadual, o prefeito diz que a cidade montou um Centro de Triagem de Síndrome Respiratória com atendimento e exames, além de instruir o tratamento na fase inicial.

 

“Quanto mais rápido detectarmos o problema e a patologia, mais fácil vai ficar a abordagem da doença. Peço apoio da população. Não está mais em nossas mãos abrir ou fechar o comércio de São Lourenço. Dias melhores virão, eu tenho essa esperança”, finaliza.

O que é um lockdown?

Saiba como funciona essa medida extrema, as diferenças entre quarentena, distanciamento social e lockdown, e porque as medidas de restrição de circulação de pessoas adotadas no Brasil não podem ser chamadas de lockdown.


Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil

  • Oxford/Astrazeneca

Produzida pelo grupo britânico AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, a vacina recebeu registro definitivo para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No país ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

  • CoronaVac/Butantan

Em 17 de janeiro, a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan no Brasil, recebeu a liberação de uso emergencial pela Anvisa.

  • Janssen

A Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial no Brasil da vacina da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, contra a COVID-19. Trata-se do único no mercado que garante a proteção em uma só dose, o que pode acelerar a imunização. A Santa Casa de Belo Horizonte participou dos testes na fase 3 da vacina da Janssen.

  • Pfizer

A vacina da Pfizer foi rejeitada pelo Ministério da Saúde em 2020 e ironizada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi a primeira a receber autorização para uso amplo pela Anvisa, em 23/02.

Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades

Como funciona o 'passaporte de vacinação'?

Os chamados passaportes de vacinação contra COVID-19 já estão em funcionamento em algumas regiões do mundo e em estudo em vários países. Sistema de controel tem como objetivo garantir trânsito de pessoas imunizadas e fomentar turismo e economia. Especialistas dizem que os passaportes de vacinação impõem desafios éticos e científicos.


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

 

Entenda as regras de proteção contra as novas cepas



 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade