Publicidade

Estado de Minas COMBATE À COVID-19

Grande BH: fiscalização sanitária flagra pessoas sem máscara no CeasaMinas

Operação contou com a participação de fiscais da Guarda Civil, Polícia Militar e da equipe da Vigilância Sanitária de Contagem


07/04/2021 13:06 - atualizado 07/04/2021 14:06

Segundo a prefeitura de Contagem, durante esta semana mais duas operações serão realizadas(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)
Segundo a prefeitura de Contagem, durante esta semana mais duas operações serão realizadas (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)
Durante fiscalizações sanitárias de prevenção à COVID-19 da Guarda Civil, Polícia Militar e da equipe da Vigilância Sanitária na central de abastecimento CeasaMinas, em Contagem, na Região Metropolitana, realizada nesta quarta-feira (07/04), uma comerciante autônoma foi conduzida à delegacia por se negar a usar máscara dentro do estabelecimento e 12 pessoas foram notificadas por também não estarem utilizando o meio de proteção.
 
A operação da prefeitura de Contagem, realizada desde 4 de março, busca encontrar irregularidades e averiguar o cumprimento do protocolo de preucação do coronavírus, junto aos trabalhadores, lojistas e frequentadores do Mercado Livre do Produtor, conhecido popularmente como Pedra. 

Durante a averiguação do local, ocorrida na manhã desta quarta (7/4), uma autônoma foi abordada por agentes públicos circulando pela CeasaMinas sem o uso de máscara, uma das medidas para evitar a transmissão do vírus. Ao ser questionada pelos profissionais, a mulher se recusou a responder à solicitação para que a proteção fosse colocada.

Por três vezes foi indagada e por três ignorou o pedido da equipe de segurança e saúde do município. Segundo o Executivo municipal, a comerciante foi encaminhada à delegacia e seu descumprimento pode gerar a abertura de um processo administrativo sanitário.  

“Uma das guardas pediu os dados dela para qualificar o ato de infração. Primeiramente, se negou a passar, e depois ainda passou informações que não bateram no sistema. Diante disso, a guarda deu a opção de ela fazer o que estava sendo pedido ou passar os dados para qualificar. Como houve recusa, os guardas levaram-na para fazer a identificação correta na delegacia”, disse o diretor da Vigilância Sanitária de Contagem, Wilson Carvalho.
 
Unidade de Contagem do CeaseMinas é uma das maiores do estado(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)
Unidade de Contagem do CeaseMinas é uma das maiores do estado (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)
 

De acordo com o protocolo, a CeasaMinas está autorizada a funcionar, desde que cumpra as regras de prevenção ao contágio e contenção de contaminação da COVID-19. Alguns dos cuidados que funcionários e comerciantes devem adotar no interior da central é a disponibilização de um profissional para higienizar todas as pessoas que frequentarem o local com álcool em gel e medição de temperatura.

Porém, já no balanço do primeiro dia de operação desta semana, 12 infrações foram aplicadas em comerciantes do estabelecimento por falta de uso da máscara e 40 abordagens recomendando o uso correto da proteção facial e demais protocolos sanitários.

Após ser notificada, a pessoa tem suas autuações remetidas diante de julgamento, onde será aplicado a sanção, seja de multa ou restrição de direito ou prestação de serviço à comunidade.

De acordo com a Vigilância Sanitária, desde a adoção da medida, foram registrados avanços na aplicação de cuidados sanitários, mas um número expressivo de expositores, carregadores, clientes e frequentadores insistem em não adotar as medidas. 

As fiscalizações dos agentes públicos retornarão à CeasaMinas nesta quinta-feira (8/4) e no sábado (10/4). 
 
* Estagiária sob supervisão da subeditora Ellen Cristie.  
 

O que é um lockdown?

Saiba como funciona essa medida extrema, as diferenças entre quarentena, distanciamento social e lockdown, e porque as medidas de restrição de circulação de pessoas adotadas no Brasil não podem ser chamadas de lockdown.


Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil

  • Oxford/Astrazeneca

Produzida pelo grupo britânico AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, a vacina recebeu registro definitivo para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No país ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

  • CoronaVac/Butantan

Em 17 de janeiro, a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan no Brasil, recebeu a liberação de uso emergencial pela Anvisa.

  • Janssen

A Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial no Brasil da vacina da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, contra a COVID-19. Trata-se do único no mercado que garante a proteção em uma só dose, o que pode acelerar a imunização. A Santa Casa de Belo Horizonte participou dos testes na fase 3 da vacina da Janssen.

  • Pfizer

A vacina da Pfizer foi rejeitada pelo Ministério da Saúde em 2020 e ironizada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi a primeira a receber autorização para uso amplo pela Anvisa, em 23/02.

Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades

Como funciona o 'passaporte de vacinação'?

Os chamados passaportes de vacinação contra COVID-19 já estão em funcionamento em algumas regiões do mundo e em estudo em vários países. Sistema de controel tem como objetivo garantir trânsito de pessoas imunizadas e fomentar turismo e economia. Especialistas dizem que os passaportes de vacinação impõem desafios éticos e científicos.


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

 

Entenda as regras de proteção contra as novas cepas



 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade