Publicidade

Estado de Minas GRUPOS PRIORITÁRIOS

Imunizados contra COVID-19: 80,69% dos indígenas de MG receberam as 2 doses

A imunização foi feita nas aldeias Krenak, Maxakali, Pataxó e Xacriabá. No entanto, líderes indígenas pedem que a vacinação se estenda para não-aldeados


07/04/2021 10:56 - atualizado 07/04/2021 11:56

(foto: Arquivo Pessoal)
(foto: Arquivo Pessoal)

 
Dos 29 grupos considerados prioritários pelo Ministério da Saúde, o dos povos indígenas vivendo em aldeias foi o segmento que recebeu maior cobertura vacinal contra a COVID-19 em Minas. Foram aplicadas a primeira dose em 7.065 e a segunda dose em 6.029, ou seja 94,55% da primeira dose e 80,69% da segunda. A população indígena aldeada no estado é de 7.472 pessoas.
 
 

Líder indígena e escritor, Ailton Krenak, que está entre os vacinados, avalia como positiva a forma como foi realizada a imunização dos indígenas em Minas. “O programa de vacinação em Minas foi coerente com o cumprimento da prioridade em todas as aldeias indígenas em Minas: Krenak, Maxakali, Pataxó e Xacriabá. Os profissionais de saúde foram respeitosos com a orientação, foram eficientes e corretos”, afirma Ailton. 

No entanto, ele destaca que é preciso vacinar também os indígenas não-aldeados que vivem nas cidades. “É preciso assegurar que, como os que não estão na aldeias sejam vacinados da mesma forma de quem está na aldeia", pondera. As razões defendidas para a inclusão se deve ao fato de os indígenas serem grupos mais vulneráveis ao vírus.

Ailton destaca que a Organização Mundial da Saúde (OMS) esclarece para afirmar que a importância de vacinar populações de povos originários em todos os países, por se tratar de parcela que tem mais vulnerabilidade por razões biológicas, genéticas e históricas.

"Os tempos de contágio com outras epidemias que já aconteceram são diferentes dos povos originários em relação aos brancos. Ficam mais vulneráveis, é como um idoso pegar a COVID-19, sem proteção, pode morrer", diz Aílton.

As 130 pessoas da aldeia indígena Krenak, em Resplendor, foram vacinadas.  A primeira dose foi aplicada em fevereiro e a segunda dose em março. “As equipes que vieram vacinar na aldeia eram preparadas e fizeram com respeito à diferença cultural”, afirma o líder indígena. 

Aílton Krenak, no entanto, ressalta que há centenas de indígenas não aldeados, vivendo nas cidades. "Em BH, temos centenas, chegando na casa dos milhares", afirma. Foram realizados protestos na Assembleia Legislativa e na Câmara Municipal de Belo Horizonte para inclusão dos indígenas não aldeados na vacinação. 

Na avaliação de Ailton, o critério de vacinar apensas os aldeados é excludente. Ação da Associação dos Povos Indígenas no Brasil (Apib), Ministério Público e o Supremo Tribunal Federal (STF) se pronunciaram em favor da inclusão

"Não podemos discriminar indígenas na aldeia e indígenas fora da aldeia. Todos devem ter a prioridade da vacina. Como você vai obrigar os governos estaduais a cumprir isso, se o governo federal está sabotando e não manda as vacinas", diz. 

Em dezembro, a aldeia perdeu duas mulheres que se contaminaram pela COVID-19. "O diagnóstico saiu depois do óbito. Elas foram levadas para o hospital, descobriram que estavam com COVID-19 e morreram lá", lamenta Aílton Krenak.
 
Como na aldeia as pessoas estão muito mais próximas até pela organização do espaço, que é coletivo, Ailton destaca que se alguém se contaminar na aldeia vai morrer. "Aqui em volta não tem como socorrer com respirador e até levar para Governador Valadares, ficar na fila esperando vaga, ele morre. Os nossos vizinhos não-indígenas estão morrendo igual abelha"

Os Krenak estão em isolamento social desde o início da pandemia em março do ano passado. "Estamos seguindo medidas rígidas e deveria ser mais ainda. Deveríamos usar máscaras até no convívio familiar. Uma pessoa pode ir lá fora e pode voltar trazendo o vírus aqui para dentro", diz.

FALTA DE VONTADE POLÍTICA
 
Ailton lamenta a situação atual do Brasil, que, dia após dia, registra recordes no número de mortos. Ele teme que o país chegue a marca de 5 mil mortes pela COVID-19 em um dia. 
 
Em sua avaliação, o país chegou nesses números muito em decorrência da negligência do governo federal na gestão de enfrentamento à pandemia. "O Presidente da República declara que não acredita em vacinação. Autoridade que nomeia o ministro da saúde, autoridade que libera as dotações orçamentárias. Não tem outra pessoa para decidir".
 
Ele afirma que falta também disposição política. "Se estivéssemos entupidos de vacina no Brasil, ainda teríamos gente morrendo sem vacina", conclui. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade