Publicidade

Estado de Minas POLÊMICA

Vereadores de cidade mineira sugerem tratamento precoce contra a COVID-19

Justificativa de parlamentares para medida, que não tem comprovação científica, é minimizar os casos e perdas econômicas na pandemia


06/04/2021 15:46 - atualizado 07/04/2021 13:02

Ritápolis tem 4,6 mil habitantes e contabilizou seis mortes e 129 casos de COVID-19(foto: Joseane Almeida/Divulgação)
Ritápolis tem 4,6 mil habitantes e contabilizou seis mortes e 129 casos de COVID-19 (foto: Joseane Almeida/Divulgação)
 
A Câmara Municipal de Ritápolis, no Campo das Vertentes, enviou ofício à prefeitura sugerindo a adoção do tratamento precoce contra o coronavírus, procedimento não recomendado pela Organização Mundial de Saúde.

A polêmica medida se refere à adoção de medicamentos sem eficácia comprovada em pessoas infectadas, como invermectina, azitromicina, dipirona e paracetamol, que têm sido constantemente defendidos pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).
 
A cloroquina e a hidroxicloroquina também fazem parte do protocolo de tratamento precoce, mas não estão inseridos no documento enviado pelos vereadores. 
 
Apesar da sugestão do Legislativo, o prefeito Higino Zacarias (PSDB) não vai acatar o pedido. A resposta em definitivo de que o município não comprará os medicamentos deve ser enviada à Casa nesta quarta-feira (7/4).
 
Segundo ele, a cidade manterá o protocolo mais rígido de combate à COVID-19 até que o processo de vacinação seja acelerado - foram imunizadas cerca de 10% da população com a primeira dose e 5% com a dose de reforço.
 
"Sou totalmente contrário ao tratamento precoce, porque ele foi condenado pela Organização Mundial de Saúde, pelo Conselho Federal de Medicina, pelo Conselho Nacional de Enfermagem e pela própria Anvisa. Os próprios laboratórios que fazem a ivermectina soltaram nota dizendo que ela não é eficiente e pode trazer efeitos colaterais, como lesões graves no fígado", afirma o prefeito.

"Nós não vamos adquirir Kit COVID-19. É um absurso. Acredito nas medidas preventivas, como o afastamento social, desinfecção de mãos, uso de máscaras e a vacina. Estamos lutando para acelerar esse processo. Quero pedir o apoio de todos para mantermos essas medidas", complementa.  
 
Ritápolis tem atualmente 4,6 mil habitantes e contabilizou seis mortes e 129 casos da doença desde o início da pandemia. O município não conta com leitos de UTI e depende exclusivamente do atendimento de pacientes em hospitais de São João del-Rei, distante 14 quilômetros, que enfrenta limite de vagas de internações.

Por determinação do governo de Minas, a cidade entrou na onda roxa do programa Minas Consciente desde 17 de março, com fechamento das atividades não essenciais, instalação de barreiras sanitárias e toque de recolher das 20h às 5h, que foi revogado ontem

O ofício dos vereadores foi enviado à prefeitura na semana passada. A alegação dos parlamentares para pedir o Kit COVID-19 é de que a cidade vem lidando com dificuldades com relação ao fechamento do comércio não essencial, afetando diversos empresários locais. Oito nos nove vereadores assinaram o documento.

“Nossa preocupação maior são os trabalhadores da cidade. Vários nos procuraram para pedir ajuda. O comércio fechado é um problema. Para que a abertura das atividades possa ocorrer, precisamos ter a queda de casos. Várias cidades adotaram essa medida”, explica o presidente da Câmara, Thiago Leal (DEM).

Ele alega que a presidente do Comitê Municipal de Enfrentamento do Coronavírus, Adriana Resende, não foi consultada para a elaboração do documento.

O também vereador Júnior da Mata (PSDB) diz que o intuito é que médicos e pacientes possam escolher entre usar ou não tais medicamentos.

"Mencionamos no ofício que o tratamento é opcional. Se a pessoa ou o médico quiserem, poderão fazer o uso do tratamento precoce. O médico terá liberdade para falar, porque ele é a pessoa especializada para dizer isso. E parte da população fez esse pedido. Até para respeitar a posição deles, resolvemos fazer essa carta de intenções”.

Segundo o documento enviado ao Executivo, foram analisados casos de várias cidades do país que adotaram o tratamento precoce.

“Tal medicamento tem se mostrado muito eficaz em outros municípios e pode ser muito útil para todos os moradores, uma vez que pode evitar o agravamento da doença, dispensando internações, o que é desejável principalmente nesse momento”, diz o texto. 
 
Prefeitos de São Lourenço, Uberlândia, Governador Valadares, Ipatinga, entre outras cidades do estado, já apoiaram o tratamento precoce. A Câmara de Ritápolis leva em consideração o protocolo adotado em Chapecó, no Oeste de Santa Catarina, que também aderiu ao Kit COVID-19 recentemente. 

O ofício pedia que o prefeito inclua os vereadores nas tomadas de decisões em relação à COVID-19 no município: “Contamos com a sensibilidade do Sr. Prefeito Municipal, Higino Zacarias de Souza, para que o mesmo possa incluir no rol de deliberação para elaboração dos decretos emitidos os membros desta casa Legislativa ou pelo menos os membros da comissão permanente para que, deste modo, possamos representar de forma direta os anseios da população em geral”.

 

O que é o coronavírus


Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.
Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp

Como a COVID-19 é transmitida? 

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?


Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.
Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal
Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus. 

Vídeo explica por que você deve 'aprender a tossir'


Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 

 
 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade