Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Chapecó, cidade considerada exemplo por Bolsonaro, tem UTIs lotadas

O município enfrentou um colapso no sistema de saúde, em fevereiro, quando precisou transferir pacientes e adotar medidas de restrição de circulação


05/04/2021 21:44 - atualizado 05/04/2021 22:22

O prefeito da cidade de Chapecó, João Rodrigues (PSD)(foto: Instagram/Reprodução )
O prefeito da cidade de Chapecó, João Rodrigues (PSD) (foto: Instagram/Reprodução )
A cidade de Chapecó foi apontada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) como um exemplo no combate à COVID-19. No entanto, ela está com 100% das UTIs lotadas no SUS e na rede privada. Além disso, o município acumula mais mortes por 100 mil habitantes do que o país e Santa Catarina. 

Em fevereiro, a cidade enfrentou um colapso no sistema de saúde, precisou transferir pacientes, adotar restrições de circulação e ampliar o número de leitos. Chapecó tem 537 mortos pela pandemia, sendo que mais de 410 foram registrados neste ano.

Nesta segunda-feira (5/4), o presidente anunciou que visitará a cidade que fez um “trabalho excepcional” contra a pandemia e deu “liberdade” a médicos para prescreverem o “tratamento precoce”, ou seja, medicamentos sem eficácia para a COVID-19, como a hidroxicloroquina.
 
Bolsonaro ainda compartilhou, em suas redes sociais, um vídeo em que o prefeito da cidade, João Rodrigues (PSD), celebra a queda de internações e a desativação de uma unidade de terapia semi-intensiva. 
 
 

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, deve acompanhar o presidente na visita a Chapecó. O médico não é um defensor dos medicamentos do "kit COVID-19", mas também não desestimula o uso do tratamento que virou bandeira de Bolsonaro na pandemia. 

Números superiores à média nacional 


Apesar do entusiasmo do presidente, Chapecó apresenta taxa de 243 mortos para cada 100 mil habitantes, superior à média nacional (157,7 vítimas) e de Santa Catarina (158). Os dados foram retirados do site do Ministério da Saúde e não consideram a estratificação da população. Há ainda 193 pessoas internadas na cidade, número superior ao do dia 20 de fevereiro (183 internados), quando o município estava em colapso.

Mesmo sem espaço para internar pacientes graves, o prefeito João Rodrigues disse ao Estadão que a doença está controlada na cidade. Ele atribui a queda de casos à testagem e tratamento rápido. “Está 100% controlada. O que tem são as UTIs lotadas”, afirma. O prefeito alega que a ocupação de leitos na região segue altíssima por causa de pacientes  que vêm de outras cidades. 

Quando assumiu a gestão do município, semanas antes do colapso, Rodrigues afrouxou as restrições de circulação e ampliou o horário de funcionamento de bares. Quando a crise se agravou, o prefeito teve de recuar e adotar uma quarentena mais severa que no resto do Estado. 

Para Rodrigues, as restrições mais duras não ajudaram a reduzir a contaminação pela COVID-19, apesar de entidades como a Organização Mundial da Saúde (OMS) apontarem benefícios do distanciamento social. O prefeito acredita que as restrições foram úteis para dar tempo da cidade ampliar leitos, mas agora é "proibido" falar em "lockdown" em Chapecó.

O prefeito afirma que a alta média de mortes na pandemia se deve ao poder de contaminação e de agravamento da doença, em razão das mutações. "Fomos a primeira cidade, depois de Manaus, a receber a nova cepa."

Rodrigues também ressalta que liberou "quem segue a ciência" e quem indica o "tratamento precoce" a trabalhar livremente em Chapecó. "Tem lugar para todo mundo." 

Apesar do número de mortes, o prefeito acredita que a cidade pode ser um exemplo para o país. "A economia está bombando", finaliza.

(Com informações Estadão)



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade