Publicidade

Estado de Minas PESQUISA INÉDITA

Fiocruz: reinfecção por pode ser mais agressiva e não depende de variantes

Segundo o estudo, pacientes que foram assintomáticos ou que tiveram sintomas leves em uma primeira infecção, podem desenvolver a forma grave da doença


05/04/2021 16:28

(foto: AFP / SILVIO AVILA)
(foto: AFP / SILVIO AVILA)

Um estudo feito pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), e que ainda não foi publicado, aponta que uma segunda infecção pela COVID-19 pode ser mais grave que a primeira vez. A pesquisa ainda diz que isso não depende das variantes que estão em circulação. 

A pesquisa, que foi feita em parceria com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e com Instituto D'Or de Ensino e Pesquisa (Idor), analisou casos de reinfecção ocorridos no Rio de Janeiro entre maio e dezembro de 2020. O resultado mostrou que os pacientes apresentaram sintomas mais graves na segunda ocorrência mesmo não tendo sido infectados pelas variantes. 
"Nossa descoberta de que pessoas com COVID-19 leve podem ter controlado a replicação do Sars-Cov-2 sem desenvolver imunidade humoral* detectável sugere que a reinfecção é mais frequente do que se supõe, mas essa hipótese não está bem documentada", afirma o estudo. 

 Não só mutações podem provocar reinfecção 

Os dados obtidos no estudo desmentem que somente as mutações poderiam provocar reinfecções. Por isso, os pesquisadores reforçam o alerta sobre a necessidade de manter as medidas para conter a doença. 

m outro estudo da Fiocruz, publicado em janeiro, já alertava para a falsa sensação de proteção que a infecção assintomática poderia trazer. Segundo a pesquisa, nesses casos o organismo não cria uma memória imunológica após a primeira infecção.

 * Subdivisão da imunidade adquirida onde a resposta imunológica é realizada por anticorpos. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade