Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Flexibilização: cultura começa a retomar seu lugar na capital dos botecos

Reabertura autorizada de cinemas, teatros e museus em BH marca vida nova para espaços tradicionais da cidade, com adoção de regras sanitárias. Circuito Liberdade será ampliado


30/10/2020 06:00 - atualizado 30/10/2020 07:42

O Palácio das Artes e equipamentos gerenciados pelo estado estarão abertos no próximo dia 3, entre outros espaços que se preparam para reabertura(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
O Palácio das Artes e equipamentos gerenciados pelo estado estarão abertos no próximo dia 3, entre outros espaços que se preparam para reabertura (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)


A cultura e o lazer em Belo Horizonte, conhecida como a Capital dos Bares, começam a voltar com toda a sua tradição na cidade ao ritmo do novo normal da vida depois da pandemia da COVID-19 e ganham mais fôlego. No momento da reabertura autorizada de cinemas, teatros, museus e outros equipamentos culturais, a Secretaria de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult/MG) anunciou que assumiu a gestão do Circuito Liberdade e tem projetos para a ampliar o seu perímetro de atuação. A intenção agora é que, além do entorno da Praça da Liberdade, o projeto vá abraçar outros ativos do cenário cultural compreendidos na Avenida do Contorno.

Com a entrada de municípios mineiros nas chamas ondas amarela e verde do Plano Minas Consciente – programa estadual que define critérios de flexibilização da quarentena para abertura das atividades econômicas nos municípios –,  museus, galerias, salas de espetáculo e teatros podem reabrir suas portas. Apesar de a capital mineira não ter aderido ao plano, a prefeitura autorizou a reabertura. Os espaços privados da Praça da Liberdade devem voltar a funcionar na semana que vem.

A previsão de reabertura para visitação no Museu das Minas e do Metal é dezembro. A Casa Fiat de Cultura não tem data prevista, mas inicia na próxima semana uma exposição pelas vitrines. O Centro Cultural Banco do Brasil Belo Horizonte (CCBB-BH) retoma as atividades no próximo dia 4. O espaço será adaptado às novas medidas de segurança sanitária, com entrada apenas por meio de agendamento on-line, controle da quantidade de pessoas no prédio, fluxo único de circulação, medição de temperatura, uso obrigatório de máscara, disponibilização de álcool em gel e sinalizadores no piso para o distanciamento.

"Estamos muito contentes com o retorno das atividades presenciais do Centro Cultural Banco do Brasil Belo Horizonte. Há muito trabalho empreendido no cumprimento dos protocolos definidos pelas autoridades, e também muito cuidado no intuito de proporcionar, além de segurança aos nossos colaboradores e aos nossos visitantes, uma experiência cultural de qualidade ao nosso público”, destaca Leonardo Camargo, Gerente Geral do CCBB Belo Horizonte.


Distanciamento


Os museus municipais de Belo Horizonte reabriram para visitação na quarta-feira. O Museu Histórico Abílio Barreto e o Museu Casa Kubitschek têm visitação de quarta-feira a domingo, das 11h às 18h. O Museu da Moda e o Museu da Imagem e do Som têm visitação de quarta-feira a sábado, das 11h às 18h. Para visitar, é necessário agendamento prévio, com horário marcado, respeitando a lotação de cada museu.

''Dentro do circuito temos alguns equipamentos vazios, e a ideia é colocá-los na iniciativa privada''

Bernardo Silviano Brandão, secretário de Estado adjunto de Cultura e Turismo



O retorno às atividades deve cumprir as medidas previstas no protocolo sanitário para reabertura de museus e espaços expositivos elaborado pelo Comitê de Enfrentamento à COVID-19, como a capacidade máxima de uma pessoa a cada cinco metros quadrados nos espaços visitáveis e de circulação; controle do fluxo de visitação, de forma a evitar aglomerações e disponibilização de dispensadores com álcool 70% no acesso aos espaços expositivos. Outras regras definidas preveem aumento de intervalo entre visitas para higienização dos ambientes; e restrição de acesso a obras de arte ou itens de exposição manipuláveis, além da proibição de uso de telas sensíveis ao toque nas exposições.

As regras de visitação devem estar sinalizadas nos museus e as equipes de funcionários dos estabelecimentos precisam ori- entar os visitantes. Ao Museu Casa Kubitschek, na Região da Pampulha, no primeiro dia de abertura, somente duas pessoas compareceram, das 10 que estavam agendadas.

Novo modelo


O decreto estadual que estabelece as mudanças relativas ao Circuito Liberdade, que era gerido pelo Instituto Estadual de Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha/MG), deve ser publicado hoje. “A intenção é dar uma cara de desenvolvimento econômico trazendo o turista pra perto. Dentro do circuito temos alguns equipamentos vazios, e a ideia é colocá-los na iniciativa privada”, explicou Bernardo Silviano Brandão, secretário de Estado adjunto de Cultura e Turismo.

Em evento na tarde de ontem, a Secult também assegurou que, em parceria com a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), a decoração de Natal deve ser lançada em 2 de dezembro, dentro do projeto que celebra o tricentenário do estado – 300 anos de Minas” –, que deve se estender até 2021.

Além de museus da Praça Liberdade, intenção do governo estadual é abrigar atrações do Centro e da Pampulha no Circuito Liberdade (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Além de museus da Praça Liberdade, intenção do governo estadual é abrigar atrações do Centro e da Pampulha no Circuito Liberdade (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)


O Palácio da Liberdade passa por revitalização e será reaberto para visitação também em 2 de dezembro. A construção vai sediar uma série de atrações culturais como parte das celebrações do tricentenário. De acordo com o secretário-adjunto de Cultura e Turismo, a previsão é de que os outros espaços gerenciados pelo governo estadual em BH reabram as portas a partir do próximo dia 3. “Palácio das Artes e equipamentos da Secult já vão estar abertos. Os demais equipamentos têm sua própria programação”, afirmou Bernardo Brandão.

A perspectiva de unir cultura e desenvolvimento econômico sob o guarda-chuva do Circuito Liberdade considera locais em que a cidade concentra maior potencial de financiamento. “A ideia central é juntar as potências econômicas, sobretudo os que estão no Centro de BH”, conta o secretário de Cultura e Turismo, Leônidas Oliveira, que explicou que o desejo da pasta é expandir o circuito a locais como a Pampulha, Instituto Inhotim, em Brumadinho, na Grande BH, e as cidades históricas do estado.

Ainda na visão do secretário, a expansão do desenho do Circuito Liberdade fortalece a afirmativa de que 70% do turismo de Minas é cultural. “Primeiramente vamos incluir os espaços do estado, como a Filarmônica e o Palácio das Artes”, disse. “Agora vamos fazer um chamamento para que os demais espaços culturais, seja do município, seja privados, para que junto com a Cultura, possamos elaborar esse grande projeto que tem como objetivo gerar renda e emprego pra gente ter um produto competitivo perante o Brasil”, conclui.

A intenção dessa congruência entre cultura e turismo é movimentar a economia mineira. Segundo o secretário, a Secult firmou convênio no valor de R$ 3 milhões para iniciar a promoção do projeto “Minas para o mundo”, que será construído de três etapas para posicionar Minas no mercado internacional. A primeira fase é a “Minas para Minas”, que engloba os projetos atuais. Em dezembro, será a vez do “Minas para o Brasil” e, no ano que vem, finalmente o “Minas para o Mundo. As datas ainda não foram estabelecidas pois vão depender do comportamento da pandemia da COVID-19 no estado. Com as novas mudanças, a tendência é de aumento do número de visitantes.

Por dentro do roteiro

Circuito Liberdade

Visitantes

2,5 milhões (em 2019)

205 mil por mês

Equipamentos sob a gestão do Estado

Arquivo Público Mineiro
BDMG Cultural
Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais
Cefart Liberdade
Centro de Arte Popular
Espaço Cultural da Escola de Design UEMG
Iepha – Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Prédio verde)
Museu Mineiro
Palácio da Liberdade

Equipamentos sob gestão de parceiros

Academia Mineira de Letras
Casa Fiat de Cultura
Centro Cultural Banco do Brasil
Centro Cultural Minas Tênis Clube
Espaço do Conhecimento UFMG
Memorial Minas Gerais Vale
MM Gerdau – Museu das Minas e do Metal

Espaços que podem entrar no novo formato

Mercado Central
Mercado Novo
Palácio das Artes
Sala Minas Gerais – Orquestra Filarmônica

O que é o coronavírus


Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.
Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp

Como a COVID-19 é transmitida? 

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?


Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.
Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal
Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus. 

Vídeo explica por que você deve 'aprender a tossir'


Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade