Publicidade

Estado de Minas

Movimento contra a flexibilização entrega manifesto a Kalil nesta tarde

Documento assinado por 70 entidades pede segurança aos trabalhadores da saúde, proteção à renda de vulneráveis e lockdown, em caso de agravamento da pandemia de COVID-19 em BH


postado em 07/07/2020 07:36 / atualizado em 07/07/2020 12:05

(foto: Mateus Parreiras/EM/D.A Press)
(foto: Mateus Parreiras/EM/D.A Press)
Um manifesto assinado por 70 entidades mineiras pede ao prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), mais firmeza no combate à COVID-19 na capital, com implantação de lockdown, se a ciência assim recomendar. 

O encontro para entrega do documento, que será realizado às 16h desta terça (7) na sede da prefeitura, contará com a presença do chefe do executivo, representantes dos conselhos estadual e municipal de saúde, associações médicas, sindicatos, organizações estudantis, entre outras envolvidas na ação. 

A pauta do movimento inclui ainda implantação de mais leitos na cidade, ampliação da testagem, medidas de proteção ao emprego e à renda de trabalhadores e grupos vulneráveis e melhores condições de trabalho aos profissionais de saúde. 

Movimento em apoio ao isolamento social reage à pressão pela reabertura do comércio em BH
Movimento em apoio ao isolamento social reage à pressão pela reabertura do comércio em BH
Bruno Pedralva, um dos organizadores do manifesto e membro do Conselho Municipal de Saúde, explica que a carta de reivindicações é uma reação à pressão instalada em BH pela reabertura do comércio, medida que o grupo considera pouco razoável diante do avanço da pandemia.

O boletim epidemiológico divulgado pela prefeitura nesta segunda-feira (6) mostra que 91% dos leitos de UTI da capital mineira estão ocupados. As vagas em leitos clínicos municipais também diminuíram: restam 28% livres. A Santa Casa, hospital filantrópico que responde por 100 leitos de terapia intensiva na capital, chegou a 100% de lotação das unidades disponíveis. O Instituto Mario Penna estuda cancelar cirurgias oncológicas agendadas por falta de sedativos e bloqueadores neuromusculares, em falta no mercado em função da alta demanda durante a pandemia. 

"A essência dessa reunião é fortalecer a posição do Comitê de Enfrentamento à Epidemia da COVID-19 de PBH. Inclusive apoiamos sim o lockdown em Belo Horizonte caso essa seja a avaliação técnica do comitê", afirma Pedralva. 

Veja a pauta do manifesto

  1. Apoiar às medidas mais contundentes de isolamento social como forma de prevenção à expansão da COVID19 em BH, conforme critérios técnicos definidos pelo Comitê de Enfrentamento da PBH, inclusive ao “Lockdown”, se necessário;

  2. Fortalecer medidas de combate à fome, miséria e desemprego para garantir os direitos humanos fundamentais;

  3. Ampliar ao máximo o número de leitos de enfermaria e CTI disponíveis à população de Belo Horizonte para que pessoas não morram sem assistência adequada;

  4. Garantir proteção à saúde às trabalhadoras e trabalhadores da saúde e condições adequadas de trabalho, considerando que compõem a linha de frente no combate à COVID19;

  5. Articular ações para proteção à saúde das trabalhadoras e trabalhadores dos serviços essenciais de Belo Horizonte, em especial nos seus locais de trabalho e no transporte público;

  6. Ampliar a testagem para todos os profissionais da saúde e todas pessoas com suspeita de infecção pela COVID19 para um diagnóstico mais preciso da situação de saúde das pessoas, comunidades e da população de BH;

  7. Instituir medidas para uso obrigatório de máscaras de proteção em espaços públicos, no transporte coletivo e estabelecimentos comerciais, industriais e de serviços, mesmo diante dos vetos do presidente Bolsonaro à Lei Federal 14.019/2020 que exclui a obrigatoriedade em órgãos e entidades públicas e em estabelecimentos comerciais, industriais, templos religiosos, instituições de ensino e demais locais fechados em que haja reunião de pessoas;

  8. Proteger as usuárias e usuários do SUS BH em seus direitos sexuais e reprodutivos, com reorganização da atenção à saúde da mulher, ações efetivas de atenção pré-natal nas UBS, continuidade de atendimento de planejamento reprodutivo e abertura da Maternidade Leonina Leonor, tendo em vista a necessidade de evitar a contaminação e as mortes maternas por Covid19 nos hospitais gerais;

  9. Atualizar de modo permanente os protocolos e as orientações técnicas para abordagem às pessoas com a COVID 19 e a própria doença, sempre amparados nas melhores evidências científicas disponíveis, dentro dos diversos serviços de saúde da cidade;

  10. Qualificar o planejamento urbano para acolher  a população sem teto; garantir durante a pandemia  a  continuidade do acolhimento e da assistência integral   às pessoas  em sofrimento mental e a usuários de álcool  e outras drogas,   sempre  em serviços abertos, efetuando para isso  melhorias e adequações necessárias na RAPS do município para proteção de usuários e trabalhadores contra a COVID19; ampliar casas de acolhida e medidas de proteção  a mulheres e crianças em situação de violência doméstica, pessoas em situação de rua e idosos. 

***

 

O que é o coronavírus

Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.
Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp



Como a COVID-19 é transmitida?


A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?



Como se prevenir?


A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.
Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê



Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

Vídeo explica porque você deve aprender a tossir



VIDEO1]

Mitos e verdades sobre o vírus


Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade