Publicidade

Estado de Minas

Quarentena contra o coronavírus vira teste de fogo para casais

Casais estão passando por períodos de hiperconvivência ou separação durante a pandemia. Em ambos os casos, é um momento de descobertas e aprendizado


postado em 06/04/2020 06:00 / atualizado em 06/04/2020 22:26

(foto: Quinho)
(foto: Quinho)

 

“Se eu falar que a gente não surtou, eu vou estar mentindo”, brinca a analista de suporte Gracielza Tâmara Mendonça Sanches, de 29 anos. Ela é noiva do diretor de arte Rafael Souza Toledo, de 30, com quem mora há um ano e oito meses. Na rotina normal, eles se encontravam em casa apenas por volta das 22h, quando Graci deixava as aulas do 10º período da faculdade de direito. Agora, sofrem – ou aproveitam – da hiperconvivência. Com o avanço exponencial do novo coronavírus, a recomendação é clara e permanece: fiquem em casa. Há aqueles que estão em isolamento ao lado do parceiro e outros que  tiveram que se manter separados, enfrentando dificuldades para se verem em meio à pandemia. Para esses casais que estão juntos, seria uma nova lua de mel? Ou um grande problema? O momento é de angústia e o desafio é encontrar o equilíbrio para manter um relacionamento saudável. E aí? O Estado de Minas conversou com casais e com um psicólogo para dar algumas dicas importantes para este período.  

 

Rafael e Gracielza moram juntos há um ano e oito meses e admitem:
Rafael e Gracielza moram juntos há um ano e oito meses e admitem: "Nunca passamos tanto tempo juntos, 24 horas por dia" (foto: Arquivo pessoal)

 

Esta semana, o casal Gra e Rafa usaram as redes sociais para gravar um vídeo compartilhando a rotina de um casal em isolamento social. “Nunca passamos tanto tempo juntos, 24 horas por dia, sem ser em períodos de lazer. Acordamos no mesmo horário, tomamos café. Depois, sentamos um de frente para o outro, cada um com seu computador, para colocar a mão na massa”, contou Gracielza. O casal afirma que a principal dificuldade é aceitar o fato de os dois estarem em casa, mas não disponíveis um para o outro. Eles tiram à noite, após as tarefas, para se curtirem. “Nos primeiros dias, foi difícil. Não sabíamos muito bem qual era a rotina de trabalho um do outro, as reuniões que cada um tinha, com quem cada um falava...”, disse a jovem, que, aos poucos, coloca a rotina no eixo e tenta levar o momento com leveza ao lado do companheiro. Entretanto, tanto para ela, quanto para todos, a adaptação é acompanhada de estresse. 

 

O casal de tatuadores Manoela Lages Serpa de Andrade, de 27, e Matheus Martins Cezar, de 31, se conheceram na adolescência e se reencontraram há três meses, quando o namoro engatou. Ao contrário de Gra e Rafa, o casal mora em casas diferentes, mas optaram por ficar juntos durante a quarentena. “A gente não conversou sobre isso, só aconteceu naturalmente”, disse Manoela. Eles acreditam que é uma oportunidade para se conhecerem melhor. “A principal vantagem é ter a oportunidade de conhecer melhor a pessoa e ver se quer mesmo ficar com ela”, disse o namorado.  

 

Igor e Mariana namoram há cinco anos e estão se encontrando duas vezes por semana(foto: Arquivo pessoal)
Igor e Mariana namoram há cinco anos e estão se encontrando duas vezes por semana (foto: Arquivo pessoal)
 

 

Mas, Manoela encara a situação de maneira diferente: “Eu vejo como principal vantagem conhecer os pontos negativos da pessoa e ver como eu lido com eles. É obvio que todo mundo quer alguém que te trate bem, que seja legal e com interesses em comum. Mas, o que faz você ficar ou não é saber se os defeitos dela são tão graves que você consiga relevar”, acredita. E para ela, serem colocados em  situações de desconforto torna possível enxergar a natureza da pessoa. “Normalmente, a pessoa tende a ser bem mais agradável. Mas quando sai da sua zona de conforto mostra seu verdadeiro eu”. E completou dizendo que a experiência tem sido muito positiva ao lado de Matheus. Outro ponto colocado pelo casal é a intimidade, que, às vezes, pode ultrapassar limites e gerar algum “estranhamento” em brincadeiras ou comentários.

 

Confinamento juntos

 

Os problemas apontados pelos casais é vivenciado por muitos outros – se não for a grande maioria absoluta – que também se adaptam com essa nova rotina. O professor da Escola de Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e doutor em Psicologia Social, Cláudio Paixão, explica: “Gosto de comparar o isolamento social com um reality show como, por exemplo, Big Brother Brasil, onde pessoas são obrigadas a conviver em ambiente restrito. A tendência, como acontece nos realyties, é tentar evitar que as situações se agravem. É como criar uma espécie de programa onde colocamos muitos ratinhos em uma mesma gaiola. Assim, começa a disputa por espaço”. Portanto, a hiperconvivência gera alguns conflitos e a regra número um é: estabelecer o espaço próprio e o espaço do outro. “Quando os espaços se chocam, isso é agravado”, completa o pesquisador comportamento humano, especialmente no mundo virtual. 

 

"Primeiro, não se sinta ofendido se a outra pessoa quiser ficar sozinha. Segundo, que a outra não se sinta ofendida ou temerosa com a sua presença e não consiga te dizer: 'eu preciso um pouco de privacidade'"

Cláudio Paixão, psicólogo

 

É muito importante propor atividades para serem feitas juntas, assim como não se ofender com essa delimitação de espaço. “Primeiro, não se sinta ofendido da outra pessoa querer ficar sozinha. Segundo, que a outra não se sinta ofendida ou temerosa com a sua presença e não consiga te dizer 'eu preciso um pouco de privacidade'”, esclarece. É importante identificar a demanda do outro, se colocar no lugar do outro, ficar atento ao que o outro se incomoda e, claro, dialogar. “Pergunte a ele: 'está tudo bem?', 'está de boa com isso?', 'está incomodado?' e 'o que eu posso fazer para melhorar?'”, disse. 

 

"A sensação de não poder vê-la causa uma grande ansiedade e medo do que pode acontecer"

Jackson Rodrigues, 32 anos, que está passando o período de quarentena longe da namorada, Amanda

 

Apesar de parecer difícil encontrar o equilíbrio, a hiperconvivência também pode trazer vantagens para a relação. Isso porque, de acordo com o especialista, a hiperconvencia exige um acordo ou um contrato psicológico. E alguns casais, talvez pela primeira vez, sejam confrontados com a necessidade de estabelecer isso. “Às vezes, estão casadas há anos e não tiveram a oportunidade  de viver em um espaço cotidiano durante tanto tempo sem intervenção sem elementos externos. E isso é importante”, pontua. 

 

Confinados separados 

 

O supervisor de customer experience Jackson Rodrigues, de 32, e a bancária Amanda Martins da Silva, de 29, representam outro exemplo de forma de se relacionar em tempos de isolamento social: à distância. “Estamos sobrevivendo”, enfatiza ele. Eles se conheceram por meio de aplicativo de relacionamento em 2017. E, desde o primeiro encontro, em um bar de rock, não se separaram mais – até a chegada do novo coronavírus. Não está sendo fácil. “A principal dificuldade é não sabermos quanto tempo isso vai durar. A sensação de não poder vê-la causa uma grande ansiedade e medo do que pode acontecer. Tememos por nossas vidas e de nossos familiares.” 

 

Eles têm usado o recurso virtual para manter a relação. Compartilham ao longo do dia o que estão fazendo, o que estão comendo, trocando fotos, indicando filmes e séries um ao outro. Estão até planejando uma viagem para quando este período passar. Mas, após quase 20 dias sem contato presencial, na última segunda-feira, eles quebraram o isolamento e se encontraram. “Ficamos os 10 primeiros minutos em um abraço”, disse o casal. 

 

 

"A principal vantagem é ter a oportunidade de conhecer melhor a pessoa e ver se quer mesmo ficar com ela"

Matheus Martins Cezar, 31 anos, tatuador, namorado de Manuela

 

Igor Rodrigues Simião, jogador de futebol, de 21, e Mariana Franco de Aguiar, estudante de arquitetura, de 21, estão juntos há cinco anos e também passaram a se encontrar com bem menos frequência. “Eu tenho uma rotina pra cumprir aqui em casa, assim como ele tem na dele... Eu tenho aula virtual e ele, nesse período, treina dentro de casa”, disse Mariana. Eles não passavam mais de dois dias sem se ver. Agora, se encontram uma ou duas vezes na semana. “Nessa quarentena, estamos nos vendo até com uma frequência boa em relação a muitos casais. Porém, estamos conscientes dos cuidados que devemos tomar nessa pandemia. A dificuldade é sentir falta da pessoa que está do seu lado sempre”, disse Igor. 

 

"Eu vejo como principal vantagem conhecer os pontos negativos da pessoa e ver como eu lido com eles"

Manoela Lages Serpa de Andrade, 27 anos, tatuadora, namorada de Matheus

 

O professor do departamento de psicologia da UFMG Cláudio Paixão explica que, assim como a relação em confinamento, a relação à distância pode dar muito certo ou bastante errado. Tudo vai depender da forma de se comunicar: “Eu vejo uma evolução dos contatos virtuais. Antes, trocávamos mensagens de texto. Depois, as pessoas passaram a trocar mensagens durante todo o dia. Agora, temos uma nova forma de se comunicar: conversas separadas. Hoje, as conversas virtuais acontecem quando podem com grande hiato entre os diálogos. Há, inclusive, pessoas que desaparecem ao longo do dia e retomam no dia seguinte, e não existe mais o relato de 'como foi o seu dia'. Isso porque as pessoas sabem que ela pode pegar um aplicativo de transporte, um ônibus ou um carro para encontrar a outra em algum momento. Mas, agora que você tem um distanciamento forçado, em que encontrar presencialmente significa se expor ao risco da contaminação, isso gera um distanciamento que não é apenas físico. É um distanciamento provocado pelo receio de fazer mal ao a outro ou se prejudicar. É pesado”, explicou o especialista.

 

Mas há formas de manter uma boa relação durante este período: converse, se esforce para passar um pouco sobre o cotidiano.  Ele também sugere conversar sobre as pautas discutidas no momento. Também podem assistir coisas juntas ou combinarem de ler o mesmo livro. “E não deixe o outro sem resposta. Manter sempre o outro em conexão”, acrescenta. E, principalmente, conversar sobre sentimentos.

 

O psicólogo também acredita ser saudável a prática do sexo virtual, de conversas “picantes”. Vale qualquer atividades que possibilita o contato e criam vínculos. “Mas, é aquela história: 'quando um não quer, dois não namoram'. Então, se eu quero ter um relacionamento à distância, eu tenho que estimulá-lo. Até porque, se fizer isso, quando o presencial vier, a experiência vai ser muito mais rica”, concluiu. 

O que é o coronavírus?

Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.

 

Como a COVID-19 é transmitida?

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia


Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o coronavírus é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

Especial: Tudo sobre o coronavírus 

Coronavírus: o que fazer com roupas, acessórios e sapatos ao voltar para casa

Coronavírus é pandemia. Entenda a origem desta palavra

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade