Publicidade

Estado de Minas SAÚDE

UNA oferece atendimento nutricional gratuito para pacientes com COVID-19

Os encontros serão realizados todas as quintas-feiras, das 20h às 21h a partir do próximo dia 20/5 em formato on-line. Confira


13/05/2021 15:45 - atualizado 13/05/2021 16:28

Fachada da UNA Cidade Universitária Guajajaras, localizada no centro de Belo Horizonte(foto: UNA/Divulgação)
Fachada da UNA Cidade Universitária Guajajaras, localizada no centro de Belo Horizonte (foto: UNA/Divulgação)

A UNA Cidade Universitária Guajajaras anunciou, nesta quinta-feira (13/5), que, a partir do próximo dia 20, oferecerá atendimento nutricional para pessoas com COVID-19 que estão em isolamento domiciliar ou que acabaram de ter alta hospitalar.

A iniciativa tem como objetivo dar dicas e auxiliar a alimentação saudável de pessoas em recuperação da doença. Os atendimentos serão gratuitos e por vídeoconferência, ou seja, totalmente on-line. 

Para participar, os interessados devem se inscrever no link oficial.  

Segundo a nutricionista Júnea Regina Pires Drews, da Clínica Integrada de Saúde da Una Guajajaras, mais do que nunca, uma alimentação saudável, com horários regulares, é fundamental para garantir a ingestão adequada de nutrientes essenciais para a recuperação do organismo.

“Uma alimentação individualizada e equilibrada auxilia no aporte de nutrientes que vão ajudar a fortalecer o sistema imunológico e, também, combater as infecções”, diz. 

Nesse cenário, a nutricionista lembra que, para o sistema imunológico funcionar bem, é necessário ingerir uma combinação de nutrientes – carboidratos, proteínas, gorduras, vitaminas e minerais – presentes nos alimentos.

“Pacientes em recuperação precisam aumentar o consumo de energia e proteínas. No entanto, todos os grupos de alimentos são importantes e devem fazer parte da alimentação. Mas isso não quer dizer uma dieta restritiva que corte carboidratos sem necessidade e nem dietas com aporte exagerado."

Júnea Drews alerta, inclusive, que cada pessoa tem uma necessidade específica para ingestão de calorias e nutrientes, haja vista que alguns fatores alteram essa carência nutricional, como idade, presença de outras doenças, exames laboratoriais e atividade física.

Para a definição das porções dos alimentos que devem ser consumidos, deve-se seguir um plano alimentar, pois ele contém orientações nutricionais elaboradas de forma individual. 

De forma geral, para uma alimentação saudável, recomenda-se seguir as orientações do "Guia Alimentar para a População Brasileira", do Ministério da Saúde. De acordo com ele, deve-se priorizar alimentos in natura, como arroz, feijão, ovos, carnes em geral, frutas, legumes e verduras.

Deve-se, também, limitar o consumo de alimentos processados e evitar os ultraprocessados (industrializados), devido aos prejuízos que causam à saúde e à recuperação de quadros de COVID-19. 

Justamente por isso, a nutricionista pontua a importância de evitar o consumo de preparações simples, pobres em nutrientes, como chás, gelatinas, sopas e caldos ralos porque atrasam a recuperação. “Se a pessoa estiver com pouco apetite e consumir somente esses tipos de preparações, a chance de perder mais peso será maior”, explica. 

Quanto à redução do olfato e do paladar – sintomas característicos da doença e possíveis sequelas –, as recomendações são: “Se tiver a sensação de gosto metálico ao se alimentar, substitua os talheres de metal por talheres de plástico. Também, o uso de temperos naturais no preparo das refeições pode ajudar a realçar o sabor dos alimentos e auxiliar no estímulo desses sentidos. Aumente a quantidade de alho, cebola, orégano, salsinha, cebolinha e pimenta, entre outros, ao temperar os alimentos, pois além de nutrientes têm essa mesma função de estímulo sensorial”. 

Quanto ao cansaço e falta de ar, a nutricionista recomenda modificar a consistência das preparações para facilitar a mastigação. Alimentos na consistência mais pastosa ou semilíquida, tipo “papinha”, diminuem o esforço ao mastigar.

A recuperação do COVID-19 deve ser encarada como recuperação funcional, pois a perda de massa muscular e da força muscular surge como principal consequência de pacientes que estiveram internados por longos períodos e em UTI. 

Para pessoas em isolamento, é indicada a prática de exercícios leves, dieta com horários padronizados, pobre em açúcares e rica fontes de ômega 3. A UNA reforça que a telemedicina e a nutrição domiciliar foram consideradas pilares da recuperação de pacientes acometidos por COVID-19.

O uso dessas ferramentas é recomendada por serem seguras e eficazes para viabilizar o acesso à orientações de saúde e para limitar a exposição e disseminação do vírus. 

Serviço:
 
COVID-19 orientação nutricional 
Data e hora: toda quinta-feira, das 20h às 21h, a partir do dia 20/05/2021 

 

O que é um lockdown?

Saiba como funciona essa medida extrema, as diferenças entre quarentena, distanciamento social e lockdown, e porque as medidas de restrição de circulação de pessoas adotadas no Brasil não podem ser chamadas de lockdown.


Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil

  • Oxford/Astrazeneca

Produzida pelo grupo britânico AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, a vacina recebeu registro definitivo para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No país ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

  • CoronaVac/Butantan

Em 17 de janeiro, a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan no Brasil, recebeu a liberação de uso emergencial pela Anvisa.

  • Janssen

A Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial no Brasil da vacina da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, contra a COVID-19. Trata-se do único no mercado que garante a proteção em uma só dose, o que pode acelerar a imunização. A Santa Casa de Belo Horizonte participou dos testes na fase 3 da vacina da Janssen.

  • Pfizer

A vacina da Pfizer foi rejeitada pelo Ministério da Saúde em 2020 e ironizada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi a primeira a receber autorização para uso amplo pela Anvisa, em 23/02.

Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades

Como funciona o 'passaporte de vacinação'?

Os chamados passaportes de vacinação contra COVID-19 já estão em funcionamento em algumas regiões do mundo e em estudo em vários países. Sistema de controel tem como objetivo garantir trânsito de pessoas imunizadas e fomentar turismo e economia. Especialistas dizem que os passaportes de vacinação impõem desafios éticos e científicos.


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

 

Entenda as regras de proteção contra as novas cepas



 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade