Publicidade

Estado de Minas SAÚDE

COVID-19: teste de saliva é eficaz em crianças sintomáticas, aponta estudo

Os dados preliminares apontam resultados iguais quando comparado o teste usando o fluído salival e o de nasofaringe. Especialista cita benefícios


19/04/2021 13:32 - atualizado 19/04/2021 14:20

(foto: Pixabay)
(foto: Pixabay)

O teste de saliva para detectar quadros de COVID-19 em crianças sintomáticas é tão eficaz quanto o de coleta de fluído de nasofaringe, aponta dados de um estudo brasileiro financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). A pesquisa foi realizada por pesquisadores do Instituto de Medicina Tropical da Universidade de São Paulo (IMT-USP), em colaboração com o Serviço Especial de Saúde de Araraquara, em São Paulo. 

“Esse estudo foi realizado com saliva para a detecção do Sars-Cov-2 pela análise molecular. E por que em crianças é uma novidade? Já existia muitos estudos na literatura em adultos mostrando que a saliva é uma alternativa de material biológico para essa análise. Em adultos, a sensibilidade variava de 80% a 100% em comparação ao swab de nasofaringe. Em crianças, ainda não tínhamos essa informação”, explica o professor da Faculdade de Odontologia (FO-USP) Paulo Henrique Braz-Silva, um dos coordenadores do estudo. 

Para constatar a eficácia, o estudo avaliou 50 crianças que procuraram atendimento em Unidades Básicas de Saúde (UBS) com sintomas leves relacionados à COVID-19. Os pesquisadores coletaram amostras e secreção nasofaríngea e de saliva e submeteram ambas ao teste de RT-PCR, considerado padrão-ouro para o diagnóstico da doença.

Os resultados? Dez crianças apresentaram positivo para a doença. “E o diagnóstico por amostras de saliva mostrou-se tão eficaz quanto o diagnóstico por esfregaço de nasofaringe”, informa. 

Segundo Paulo Henrique Braz-Silva, a performance da saliva e do swab de nasofaringe foi exatamente igual, tendo, assim, a mesma eficácia para detectar os quadros de COVID-19 em crianças sintomáticas. De acordo com o coordenador do estudo, os dados apontam para uma possibilidade interessante, já que o uso do teste de saliva traz benefícios em termos de praticidade e aceitação. 

“O grande diferencial da saliva é que ele é um método de coleta muito menos invasivo que o de swab de nasofaringe – exame do cotonete – e, em crianças, a utilização dele seria muito mais interessante por causa da aceitabilidade, já que o de nasofaringe é de difícil execução e incômodo. A saliva, claro, pode ser incômoda porque vai precisar cuspir, mas é um incômodo infinitamente menor do que o sentido no de swab de nasofaringe. E quando vamos para uma possível testagem em massa, o interessante é a possibilidade de autocoleta.” 

Nesse caso, então, o próprio indivíduo poderia coletar o fluído, e isso mesmo uma criança, haja vista que há instruções de como fazer a coleta sozinho e os pais podem auxiliar o processo. “Isso facilita muito quando se fala em testes de larga escala, porque não precisa de um profissional de saúde para fazer a coleta. Já no de nasofaringe é preciso que alguém treinado faça a coleta, porque o teste é invasivo e impossível de ser feito com a autocoleta”, explica Paulo Henrique Braz-Silva. 

ALIADO NA VOLTA ÀS AULAS 


Segundo o coordenador do estudo, os resultados apresentados pelo estudo indicam o teste de saliva como um grande aliado no período de volta às aulas, haja vista a necessidade de testagem em massa e os benefícios já apresentados: praticidade, aceitabilidade e eficácia. 

“Tem alguns países já fazendo isso de maneira ampla. A França, por exemplo, em um dado momento na reabertura das escolas propôs usar a saliva como fluído biológico para essa análise, o que me chamou a atenção, porque eles já estavam utilizando, mas ainda não tinha nenhum estudo mostrando isso em crianças. Mas existe essa possibilidade, porque é mais fácil a coleta, a aceitabilidade é maior e não precisa de um profissional de saúde, não expondo uma outra pessoa ao fluído”, aponta Paulo Henrique Braz-Silva.

Os pesquisadores, agora, têm dois passos a seguir: aumentar a amostra da pesquisa realizada com crianças sintomáticas e analisar as assintomáticas. 

“Temos o intuito de aumentar a escala de amostra do estudo futuramente. Agora, estamos com um outro estudo em crianças assintomáticas, coletando saliva para entender se mesmo em crianças sem sintomas, é possível fazer a detecção. Provavelmente, a performance vai ser parecida, porque as crianças sintomáticas não tinham sintomas que, de fato, se relacionassem somente ao positivo para COVID-19, o que mostra a importância do teste molecular. Além disso, a performance em adultos já é bem estabelecida, mesmo em pessoas assintomáticas”, aponta o coordenador do estudo.   

*Estagiária sob a supervisão da editora Teresa Caram 
 

O que é um lockdown?

Saiba como funciona essa medida extrema, as diferenças entre quarentena, distanciamento social e lockdown, e porque as medidas de restrição de circulação de pessoas adotadas no Brasil não podem ser chamadas de lockdown.


Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil

  • Oxford/Astrazeneca

Produzida pelo grupo britânico AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, a vacina recebeu registro definitivo para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No país ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

  • CoronaVac/Butantan

Em 17 de janeiro, a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan no Brasil, recebeu a liberação de uso emergencial pela Anvisa.

  • Janssen

A Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial no Brasil da vacina da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, contra a COVID-19. Trata-se do único no mercado que garante a proteção em uma só dose, o que pode acelerar a imunização. A Santa Casa de Belo Horizonte participou dos testes na fase 3 da vacina da Janssen.

  • Pfizer

A vacina da Pfizer foi rejeitada pelo Ministério da Saúde em 2020 e ironizada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi a primeira a receber autorização para uso amplo pela Anvisa, em 23/02.

Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades

Como funciona o 'passaporte de vacinação'?

Os chamados passaportes de vacinação contra COVID-19 já estão em funcionamento em algumas regiões do mundo e em estudo em vários países. Sistema de controel tem como objetivo garantir trânsito de pessoas imunizadas e fomentar turismo e economia. Especialistas dizem que os passaportes de vacinação impõem desafios éticos e científicos.


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

 

Entenda as regras de proteção contra as novas cepas



 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade