Publicidade

Estado de Minas OUTUBRO ROSA

As 15 perguntas sobre câncer de mama mais buscadas pelos brasileiros durante pandemia

Levantamento exclusivo revela as principais dúvidas sobre a doença procuradas no Google entre março e outubro de 2020


29/10/2020 10:08 - atualizado 29/10/2020 13:01

Em 2020, o interesse pelo Outubro Rosa na internet foi muito menor em relação aos anos anteriores(foto: Getty Images)
Em 2020, o interesse pelo Outubro Rosa na internet foi muito menor em relação aos anos anteriores (foto: Getty Images)

Criada nos Estados Unidos em 1990, a campanha Outubro Rosa é um dos projetos de conscientização em saúde mais bem-sucedidos do mundo.

Um estudo de 2017 feito por especialistas do Centro de Oncologia de Cascavel, no Paraná, mostra que a iniciativa contra o câncer de mama tem um impacto positivo na procura por exames de diagnóstico, como a mamografia. Isso, por sua vez, facilita a detecção precoce e o tratamento efetivo da doença.

Em razão da pandemia de COVID-19, o Outubro Rosa foi menos comentado durante esse ano de 2020: uma pesquisa do Google obtida com exclusividade pela BBC Brasil revela que as buscas na internet por "mamografia" foram 36% menores quando confrontadas com os dados de 2019. Essa foi a maior queda já vista na série histórica, que se iniciou em 2004.

O levantamento ainda constata que o Brasil é o país que mais acessa informações sobre a campanha do Outubro Rosa no mundo todo. Mesmo assim, em 2020, a redução no volume foi de 20% na comparação com 2019.

Apesar do encolhimento no interesse pelo tema durante a pandemia, os brasileiros continuaram a fazer muitas perguntas para o Google sobre câncer de mama, mamografia e autoexame. Abaixo, você confere as principais dúvidas e respostas a respeito deste tópico:

1. O que é câncer de mama?

Falamos aqui do tipo de tumor mais frequente no público feminino. "Ele tem uma incidência que gira ao redor de 12 a 13% da população de nosso país", calcula o médico Vilmar Marques de Oliveira, presidente da Sociedade Brasileira de Mastologia.

De acordo com os dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), todos os anos são diagnosticados 66 mil novos casos da doença. Nesse período de 12 meses, cerca de 17 mil mulheres morrem em decorrência do câncer de mama no Brasil.

2. Como prevenir o câncer de mama?

Todo câncer está relacionado a uma falha genética numa célula, que passa a criar novas cópias de si mesmo de maneira desenfreada. Conforme esse tumor cresce, ele passa a afetar alguma parte do corpo e pode se espalhar para outros órgãos e tecidos, em um processo conhecido como metástase.

De forma geral, adotar uma vida saudável é o primeiro passo para prevenir um tumor nas mamas. Fazer exercício físico, ter uma dieta variada e equilibrada, evitar o ganho de peso, não fumar e não exagerar no consumo de bebidas alcoólicas são medidas cientificamente comprovadas que ajudam a diminuir a probabilidade de desenvolver esse câncer.

Mesmo com todas essas medidas, o tumor pode aparecer. Existem fatores de risco sobre os quais não temos controle. Os dois principais são a genética (algumas pessoas carregam genes que predispõem o aparecimento da doença) e a idade (a enfermidade fica mais frequente conforme envelhecemos).

Outra forma importante de prevenção (ou detecção precoce) são os exames de rotina. Mas falaremos mais sobre eles adiante.

3. Como é a cirurgia de câncer de mama?

A cirurgia é uma das formas de tratamento mais utilizadas para esse tumor. Mas antes de partir para o bisturi, é preciso passar pelo diagnóstico correto e receber as orientações de um especialista no assunto.

O tipo de câncer de mama vai influenciar na modalidade terapêutica que será escolhida. "Geralmente, esses procedimentos operatórios envolvem intervenções no tecido mamário e também nas axilas", conta Fabiana Makdissi, head de mastologia do A.C.Camargo Cancer Center, em São Paulo.

A boa notícia é que as cirurgias para câncer de mama se tornam cada vez mais simples e específicas. Além disso, os médicos conseguem aliar essa opção com outras modalidades, como a quimioterapia e a hormonioterapia. "A ideia é tratar o câncer e garantir a qualidade de vida da paciente", completa Makdissi.

4. Como surge o câncer de mama?

Nossas células se multiplicam o tempo todo. As novas cópias costumam sair bem parecidas à versão original. Só que esse processo, por uma série de razões (genética, idade, radiação, cigarro…), pode sofrer com alguns defeitos. Quando isso acontece, a unidade apresenta falhas no DNA que podem ocasionar aquela replicação desenfreada que mencionamos acima.

O próprio organismo possui sistemas para detectar essas cópias defeituosas e eliminá-las antes que elas virem um problema mais sério. Às vezes, o tumor consegue escapar desse controle de qualidade e cresce sem chamar a atenção. O que era uma célula vira duas, quatro, oito… Aos poucos, elas formam um caroço e passam a prejudicar a saúde.

5. Como é feito o diagnóstico do câncer de mama?

Isso depende de um tripé de exames. Tudo começa com a suspeita e a análise no consultório. Em paralelo, é importante fazer a mamografia, um exame de imagem que detecta os nódulos, mesmo os pequenos, que não são palpáveis.

Se houver indícios de algo mais grave, a paciente é encaminhada para uma biópsia. Nesse procedimento, o especialista tira um pedacinho do caroço e manda para análise. No laboratório, os patologistas conseguem analisar as células com a ajuda de microscópios e outros equipamentos para determinar se aquela suspeita é mesmo um câncer de mama.


Feita por um patologista, a biópsia determina o diagnóstico do câncer de mama(foto: Getty Images)
Feita por um patologista, a biópsia determina o diagnóstico do câncer de mama (foto: Getty Images)

6. Como é feito o exame de mamografia?

"Esse exame nada mais é do que uma radiografia das mamas", esclarece Marques. O tecido mamário é colocado numa máquina e achatado, para que os raios-X consigam atravessá-lo e permitam fazer aquelas imagens em preto e branco.

Os médicos geralmente pedem que suas pacientes façam quatro incidências (ou quatro "fotografias" com ângulos diferentes): duas de cima para baixo e duas na posição lateral.

7. Como interpretar o exame de mamografia?

Antes de mais nada, é importante que o resultado seja lido e avaliado com a ajuda de um médico especialista no assunto — muitas vezes, caímos na tentação de abrir o envelope antes e acabamos tensos e preocupados com aquele monte de informações técnicas.

A mamografia obedece uma classificação internacional chamada Bi-Rads, que tem uma classificação que vai de zero a cinco. "Cada número indica a recomendação do radiologista sobre o que aquela imagem pode significar", esclarece Makdissi.

Nesse sistema, há desde sugestões de que o nódulo é benigno e necessita apenas ser acompanhado, até as suspeitas de malignidade, que vão exigir novas investigações.

8. Quando fazer a mamografia?

Segundo as diretrizes da Sociedade Brasileira de Mastologia, esse exame deve ser feito uma vez ao ano por todas as mulheres com mais de 40 anos.

A partir da sétima década de vida, essa periodicidade pode variar de acordo com o caso. Mas é importante sempre seguir as orientações do médico que faz o acompanhamento.

9. O que são "achados mamográficos benignos"?

Esse é um termo que costuma aparecer nos resultados da mamografia. "Os achados mamográficos benignos são aqueles em que a imagem mostra não existir risco de câncer de mama", conta Marques.

10. O que é diagnosticado na mamografia?

A mamografia não faz diagnóstico nenhum. Ela apenas detecta a existência de nódulos na mama, que podem ser benignos ou malignos. Nos casos em que há suspeita, somente a biópsia vai bater o martelo e definir se o nódulo é mesmo um câncer ou não.

11. O que é o autoexame da mama?

"O autoexame é o conhecimento que toda mulher deve ter sobre seu próprio corpo. Se percebemos qualquer modificação nas mamas, como o aparecimento de um caroço, é importante procurar o médico", esclarece Makdissi.

12. Como fazer o autoexame da mama?

Não existe uma recomendação formal sobre como realizar esse tipo de procedimento. "A mulher pode iniciar com a palpação de toda a estrutura. Vale também levantar e abaixar os braços na frente do espelho, para ver se os seios apresentam retrações ou algum tipo de deformação atípica", detalha Marques.

13. Quando fazer o autoexame da mama?

Antigamente, os profissionais de saúde sugeriam que toda mulher fizesse o autoexame uma vez ao mês, sempre no período pós-menstrual (durante a menstruação, as mamas ficam mais inchadas, o que dificultaria a identificação de caroços).

Mas, hoje em dia, a estratégia está mais voltada ao autoconhecimento. "A questão é entender o próprio corpo e identificar os sinais que possam estar diferente do habitual", diz Makdissi.


O conceito moderno do autoexame envolve conhecer o próprio corpo(foto: Getty Images)
O conceito moderno do autoexame envolve conhecer o próprio corpo (foto: Getty Images)

14. Como identificar um caroço na mama?

O caroço pode ter o tamanho e a textura de uma bola de gude ou de uma noz. Ele costuma possuir tamanhos irregulares. Se você notar algo diferente, é importante buscar a orientação de um profissional de saúde sobre o que fazer com esse achado.

15. O que é um nódulo na mama?

"É uma bolinha, uma estrutura com começo, meio e fim que precisa ser investigada", resume Makdissi. Nódulo não quer dizer que há um câncer ali. O diagnóstico sempre vai depender do exame feito no consultório, da mamografia e da biópsia.


  • Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

O que é o coronavírus


Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.
Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp

Como a COVID-19 é transmitida? 

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?


Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.
Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal
Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus. 

Vídeo explica por que você deve 'aprender a tossir'

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade