Publicidade

Estado de Minas DIREITO E SAÚDE

Quem são heróis no combate à pandemia? Os médicos ou o Congresso Nacional?

Médicos atuam na linha de frente do combate à pandemia há quase dois anos (com apoio de demais profissionais da saúde), somando quase 900 mortes


03/01/2022 07:06 - atualizado 03/01/2022 08:19

Médicos atendem paciente de COVID
Médicos atendem paciente de COVID (foto: Mário Oliveira/SEMCOM/Agência Senado)


Na última semana, o presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Dr. Mauro Ribeiro, publicou um agradecimento aos mais de 550 mil médicos brasileiros, juntamente com todos os demais profissionais da saúde, pelo árduo trabalho no combate à pandemia nos últimos dois anos.

Contudo, o que mais chamou a atenção no pronunciamento do médico foi seu desabafo, em nome de todos os profissionais da saúde, pelos constantes ataques que têm sofrido por parte do Congresso Nacional, de forma absurda e covarde. 

É um fato incontestável que médicos, enfermeiros e demais profissionais do setor da saúde são os principais atores no enfrentamento da pandemia. Contudo, é visível a deprimente “disputa” que o Congresso Nacional opõe a estes profissionais, pelo protagonismo no combate ao COVID-19. 

Desde o início de 2021, quando todos se isolaram em pânico diante da primeira pandemia da era moderna, os médicos assumiram imediatamente seu papel na linha de frente, sem qualquer hesitação. Enfrentaram o desconhecido, com o altruísmo que é peculiar à profissão. Abriram mão dos próprios interesses, colocando em risco sua segurança e saúde. Abdicaram até mesmo da convivência com suas famílias naqueles que, poderiam ser seus últimos dias, em prol dos pacientes. 

Muitos médicos assumiram funções para as quais sequer foram capacitados, assumindo riscos ainda maiores diante da falta de intensivistas. Jovens ainda residentes acabaram em UTI’s, na linha de frente do combate à pandemia, lidando com dezenas de mortes diárias, sem a infraestrutura mínima que lhes garantisse a preservação da própria saúde e vida. 

Onde estavam os deputados e senadores, durante todo esse tempo? No conforto e na segurança de suas casas, fazendo discursos em nome de uma “ciência” que sequer conhecem, e buscando protagonismo como “heróis da pandemia”. Estavam fazendo a única coisa que sabem: Política. E, muitos, criando “dinheirodutos” através do superfaturamento na compra de equipamentos e insumos, dentre outras manobras. 

Neste contexto, certas vacinas ganharam “padrinhos” na política, assim como alguns medicamentos e tratamentos. E o que já estava ruim, ficou ainda pior: Além da pandemia do COVID-19, passamos a conviver paralelamente com a “pandemia política”. A população influenciada, passou a interferir na autonomia dos médicos, por conta de alienações e preferências políticas. Um verdadeiro caos na saúde. 

Recentemente, chegamos ao cúmulo de o Congresso Nacional buscar a criminalização do tratamento da doença com certos medicamentos. Outro projeto propôs a proibição do uso off-label de qualquer medicamento. Medidas no mínimo imprudentes, que usurpam a autonomia de quem de fato entende do assunto. E advindas de pessoas que não pensam em outra coisa, senão nas eleições presidenciais de 2022. 

Segundo o CFM, 893 médicos perderam a vida, até esta data, no enfrentamento da pandemia, atuando na linha de frente. No mundo, são mais de 115 mil profissionais da saúde, vitimados. Quantos deputados e senadores morreram na linha de frente do enfrentamento da pandemia? Nenhum.  

Já somos mais de 22 milhões de brasileiros recuperados, cada qual com o tratamento que o médico responsável entendeu como mais pertinente. E quantos brasileiros foram salvos pelo Congresso Nacional? Podemos refletir em sentido contrário, visto que todos nós lutamos contra o COVID-19 utilizando um sistema de saúde falido por conta da corrupção, o que certamente contribuiu para grande parte das mais de 619 mil mortes no Brasil. 

Após quase dois anos de pandemia, temos mais de 90% dos médicos do país com a saúde e a vida gravemente impactadas, segundo dados do CFM. A síndrome do burnout é um dos principais diagnósticos, causando ansiedade, estresse, exaustão física e emocional, e uma série de outros transtornos. 

Em paralelo a isso, assistimos no último dia 17/12, a derrubada do veto presidencial, pelo Congresso Nacional, garantindo um fundão eleitoral de mais de 5 bilhões de reais para o financiamento das eleições de 2022, enquanto o país agoniza com a costumeira escassez de recursos para a saúde, e assiste à disseminação da nova variante Omicron. 

Quem são os heróis no combate à Covid-19? Os médicos e todos os profissionais da saúde que atuam na linha de frente, obviamente. Não só no Brasil, mas em todo o mundo. Nossa reflexão, na verdade, deve ser sobre o que, de fato, essas autoridades políticas fizeram em prol da população diante dos enormes impactos sociais, sanitários e econômicos da pandemia.

Renato Assis é advogado, especialista em Direito Médico e Odontológico há 15 anos, e conselheiro jurídico e científico da ANADEM. É fundador e CEO do escritório que leva seu nome, sediado em Belo Horizonte/MG e atuante em todo o país.

Se você tem dúvidas ou sugestões, envie e-mail para renato@renatoassis.com.br

Leia mais sobre a COVID-19

Confira outras informações relevantes sobre a pandemia provocada pelo vírus Sars-CoV-2 no Brasil e no mundo. Textos, infográficos e vídeos falam sobre sintomasprevençãopesquisa vacinação.
 

Confira respostas a 15 dúvidas mais comuns

Guia rápido explica com o que se sabe até agora sobre temas como risco de infecção após a vacinação, eficácia dos imunizantes, efeitos colaterais e o pós-vacina. Depois de vacinado, preciso continuar a usar máscara? Posso pegar COVID-19 mesmo após receber as duas doses da vacina? Posso beber após vacinar? Confira esta e outras perguntas e respostas sobre a COVID-19.

Acesse nosso canal e veja vídeos explicativos sobre COVID-19


*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade