UAI
Publicidade

Estado de Minas ANO ELEITORAL

Mais de um terço dos deputados da ALMG troca de partido; veja o vaivém

Janela partidária fechou na última sexta-feira, e mudanças podem gerar novas articulações no Parlamento de Minas


04/04/2022 16:34 - atualizado 04/04/2022 21:57

Fachada da Assembleia de Minas, em BH
Assembleia Legislativa teve composição partidária alterada significativamente por causa de janela de trocas (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 26/5/21)

O fechamento da janela partidária na última sexta-feira (1/4) fez com que mais de um terço dos deputados estaduais de Minas Gerais mudassem de partido visando às eleições gerais de 2022, em outubro. Segundo apuração do Estado de Minas, o cenário de momento aponta que houve 26 mudanças entre 77 parlamentares da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

Entre as alterações, algumas das principais estão na Mesa Diretora da Casa. Presidente da ALMG, o deputado estadual Agostinho Patrus deixou o PV para se filiar ao PSD. Patrus é tido como favorito para integrar como vice a chapa liderada por Alexandre Kalil (PSD), pré-candidato ao Governo de Minas no pleito deste ano.

Um dos vice-presidentes da ALMG, o deputado estadual Antonio Carlos Arantes deixou o PSDB para se filiar ao Partido Liberal (PL). A legenda, inclusive, saltou de dois para nove parlamentares na Casa - Gustavo Santana e Léo Portela são os veteranos na agremiação.


Para mais vídeos explicativos como este, acesse o canal do #PRAENTENDER

A debandada em massa rumo ao PL tem a ver com a escolha de Jair Bolsonaro pela agremiação. O presidente da República, sem partido desde novembro de 2019 - quando deixou o PSL, atual União Brasil - é pré-candidato à reeleição deste ano sob a bandeira liberal, onde está desde novembro de 2021.

As 26 alterações partidárias levam em conta o caso de Bartô, agora também no PL, mas após período sem legenda por causa da expulsão do Novo.

As mudanças também devem impactar os blocos parlamentares da Assembleia de Minas. São três as coalizões da Casa: Democracia e Luta, de oposição; Minas são Muitas, independente; e Luiz Humberto Carneiro, de orientação governista. 

Os deputados que mudaram de partido durante a janela partidária não correm o risco de perder o mandato por infidelidade.

Bolsonaristas se concentram no PL

A lista de transferências rumo ao PL tem nomes declaradamente bolsonaristas, como Coronel Sandro e Bruno Engler. O partido, no entanto, é componente formal do grupo de oposição ao lado de legendas à esquerda, como o PT e o PCdoB. Ainda que a aliança seja meramente burocrática, a fim de facilitar o acesso a cargos nas comissões temáticas da Assembleia, os liberais podem sair e atuar como bancada, sem estarem ligados a um bloco suprapartidário.

É possível que haja alguma mudança no cenário de cada deputado, por causa de registro tardio no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e por demora para comunicar oficialmente a Assembleia sobre a troca.

Até o início desta tarde, por exemplo, nem todas as transferências apuradas pela reportagem haviam sido enviadas à direção do Parlamento estadual.

PT e PSD têm as maiores bancadas

O PT, antes isolado como a maior bancada da Assembleia, terá que dividir o posto com o PSD. Os petistas subiram de nove para 10 parlamentares em virtude da chegada de Andréia de Jesus, ex-PSOL. Paralelamente, além de Agostinho Patrus, os pessedistas filiaram Tito Torres (ex-PSDB) e Douglas Melo (ex-MDB). Agora, a sigla também tem uma dezena de representantes.

"Tive a honra de presidir o PV e a alegria de ser o líder da bancada na Assembleia, mas agora parto para um novo desafio - que espero, também, seja muito produtivo para que possamos continuar a ajudar os mineiros e mineiras. Isso é o que importa. Essa é a razão do nosso trabalho e da nossa atividade", disse o presidente da Assembleia, ao anunciar a nova casa.

No PV, em movimento contrário à saída de Agostinho, houve as chegadas de Professor Cleiton e Betinho Pinto Coelho. O MDB, em que pese as saídas de Douglas Melo, Leonídio Bouças (rumou ao PSDB), Celise Laviola, agora no Cidadania, e Thiago Cota, acertado com o PDT, conseguiu tirar Rosângela Reis do Podemos.

Eleito pelo Democracia Cristã (DC), Professor Cleiton passou pelo PSB antes de chegar ao PV. Segundo ele, os verdes têm bandeiras semelhantes às defendidas por ele. "[O partido] tem um discurso voltado para sustentabilidade, para a Justiça Social e para a juventude", assinalou.

Na base aliada a Zema, houve trocas destacadas entre os deputados que encabeçam a coalizão. O líder do governo, Gustavo Valadares, foi do PSDB para o PMN, que não tinha deputados na Assembleia. Enquanto isso, Roberto Andrade, líder dos partidos que apoiam oficialmente o Palácio Tiradentes, escolheu o Patriota em detrimento do Avante, de onde também desembarcou Bosco, de acampamento montado no Cidadania.

Apesar das perdas, o Avante vai continuar no bloco governista. O partido conquistou a cadeira de Arlen Santiago, que deixou o PTB após 35 anos.

"A gente viu que o PTB estava definhando. Não era isso que eu queria", afirmou o deputado estadual.

Os petebistas estão envoltos em imbróglios desde que o ex-presidente da sigla, Roberto Jefferson, foi preso por ataques a instituições democráticas. Na semana passada, Marcos Vinícius "Neskau", que ocupava a direção da sigla, foi afastado da direção do posto por Alexandre de Moraes, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), em virtude de suposta influência de Jefferson.

Filiação dos deputados estaduais de Minas após a janela de trocas:

  1. Agostinho Patrus - foi do PV para o PSD;
  2. Alencar da Silveira Jr. - ficou no PDT;
  3. Ana Paula Siqueira - ficou na Rede Sustentabilidade;
  4. André Quintão - ficou no PT
  5. Andréia de Jesus - foi do PSOL para o PT;   
  6. Antonio Carlos Arantes - foi do PSDB para o PL;   
  7. Arlen Santiago - foi do PTB para o Avante;   
  8. Arnaldo Silva - ficou no União Brasil; 
  9. Bartô do Novo - se filiou ao PL após período sem partido;   
  10. Beatriz Cerqueira - ficou no PT;   
  11. Bernardo Mucida - ficou no PSB; 
  12. Betão - ficou no PT; 
  13. Betinho Pinto Coelho - foi do Solidariedade para o PV;   
  14. Bosco - foi do Avante para o Cidadania;   
  15. Braulio Braz - PTB;
  16. Bruno Engler - foi do PRTB para o PL;   
  17. Carlos Henrique - ficou no Republicanos; 
  18. Carlos Pimenta - ficou no PDT; 
  19. Cássio Soares - ficou no PSD
  20. Celinho Sintrocel - ficou no PCdoB; 
  21. Celise Laviola - foi do MDB para o Cidadania;
  22. Charles Santos - ficou no Republicanos; 
  23. Cleitinho Azevedo - foi do Cidadania para o PSC;   
  24. Coronel Henrique - foi do União Brasil para o PL;   
  25. Coronel Sandro - foi do União Brasil para o PL;   
  26. Cristiano Silveira - ficou no PT; 
  27. Dalmo Ribeiro Silva - ficou no PSDB;
  28. Delegada Sheila - foi do União Brasil para o PL;   
  29. Delegado Heli Grilo - ficou no União Brasil; 
  30. Doorgal Andrada - ficou no Patriota;
  31. Douglas Melo - foi do MDB para o PSD;   
  32. Doutor Jean Freire - ficou no PT;   
  33. Doutor Paulo - ficou no Patriota: 
  34. Doutor Wilson Batista - ficou no PSD: 
  35. Duarte Bechir - ficou no PSD; 
  36. Elismar Prado - ficou no Pros; 
  37. Fábio Avelar de Oliveira - ficou no Avante; 
  38. Fernando Pacheco - ficou no PV; 
  39. Gil Pereira - ficou no PSD; 
  40. Glaycon Franco - ficou no PV; 
  41. Guilherme da Cunha - ficou no Novo; 
  42. Gustavo Mitre - foi do PSC para o PSB;
  43. Gustavo Santana - ficou no PL;
  44. Gustavo Valadares - foi do PSDB para o PMN;
  45. Hely Tarqüínio - ficou no PV;
  46. Inácio Franco - ficou no PV;
  47. Ione Pinheiro - ficou no União Brasil;
  48. João Leite - ficou no PSDB;
  49. João Magalhães - ficou no MDB;
  50. João Vítor Xavier - ficou no Cidadania;
  51. Laura Serrano - ficou no Novo;
  52. Leandro Genaro - ficou no PSD;
  53. Leninha - ficou no PT;
  54. Léo Portela - ficou no PL;
  55. Leonídio Bouças - foi do MDB para o PSDB;
  56. Mário Henrique Caixa - ficou no PV;
  57. Marquinho Lemos - ficou no PT;
  58. Mauro Tramonte - ficou no Republicanos;
  59. Neilando Pimenta - foi do Podemos para o PSB;
  60. Noraldino Júnior - ficou no PSC;
  61. Osvaldo Lopes - ficou no PSD;
  62. Professor Cleiton - foi do PSB para o PV;
  63. Professor Irineu - foi do União Brasil para o Patriota;
  64. Professor Wendel Mesquita - ficou no Solidariedade;
  65. Rafael Martins - ficou no PSD;
  66. Raul Belém - foi do PSC para o Cidadania;
  67. Roberto Andrade foi do Avante para o Patriota;
  68. Rosângela Reis - foi do Podemos para o MDB;
  69. Sargento Rodrigues - foi do PTB para o PL;
  70. Sávio Souza Cruz - ficou no MDB;
  71. Tadeu Martins Leite - ficou no MDB;
  72. Thiago Cota - foi do MDB para o PDT
  73. Tito Torres - foi do PSDB para o PSD;
  74. Ulysses Gomes - ficou no PT;
  75. Virgílio Guimarães - ficou no PT;
  76. Zé Guilherme - ficou no PP;
  77. Zé Reis - ficou no Podemos.

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade