Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Kalil: Brasil estaria melhor se Bolsonaro tivesse ações 'não negacionistas'

Prefeito de BH criticou a postura do presidente da República no enfrentamento à pandemia de COVID-19


24/06/2021 10:00 - atualizado 23/06/2021 21:05

Prefeito de BH, Alexandre Kalil, concedeu entrevista ao Estado de Minas(foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)
Prefeito de BH, Alexandre Kalil, concedeu entrevista ao Estado de Minas (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)
O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), é crítico contumaz da forma como o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) conduz o enfrentamento ao novo coronavírus. Para o pessedista, o governo federal fez gastos consideráveis, mas teve postura que contribuiu para narrativas de negação da gravidade da doença.

“Gastou dinheiro – e muito. Mas, se tivesse tido uma posição não negacionista, acho que estaríamos melhores. Quando você escuta que a Pfizer bateu na embaixada brasileira oferecendo 70 milhões de vacinas, é de cair da cadeira”, disse, em entrevista exclusiva ao Estado de Minas nessa terça-feira (22/6).

O caso citado por Kalil, envolvendo a Pfizer e a embaixada brasileira nos Estados Unidos, veio à tona durante os trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da COVID-19.

Aos senadores, o ex-representante da farmacêutica no Brasil, Carlos Murillo, afirmou que a oferta por 70 milhões de exemplares do imunizante foi feita em agosto do ano passado.

Documentos obtidos pela CPI dão conta de que o governo ignorou reiteradamente ofertas pela Pfizer.

'Se provar, o mundo vai cair'


O prefeito de BH comentou, ainda, sobre o possível superfaturamento na aquisição da vacina Covaxin, de origem indiana, por parte do Ministério da Saúde.

A suspeita é de que o governo federal tenha comprado o imunizante 1.000% mais caro que o preço cobrado pela fabricante Bharat Biotech. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

"Eu acho que tem que provar. Se provar, o mundo vai cair. Por que 1.000% mais cara sem aprovação da Anvisa? Tem coisa que eu não acredito. Só acredito vendo. Eu não acredito porque é uma barbaridade total. Isso não existe", afirmou

Ao mesmo "Estadão", o deputado Luis Miranda (DEM-DF) afirmou ter levado a denúncia sobre um esquema de corrupção envolvendo a compra da vacina indiana Covaxin ao próprio Bolsonaro.

Nessa quarta-feira, o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Onyx Lorenzoni, se pronunciou sobre o caso e explicou a denúncia de superfaturamento.

Segundo o ministro, não houve favorecimento, sobrepreço e sequer as vacinas foram compradas.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade