UAI
Publicidade

Estado de Minas COVID-19

"Gratidão e felicidade", relatam idosos vacinados com dose de reforço em BH

O público que está sendo vacinado nesta quinta (14/10) em Belo Horizonte é o da faixa etária de 70 a 72 anos


14/10/2021 09:30 - atualizado 14/10/2021 12:49

Vários frascos com vacinas contra a COVID-19
Vacinação contra a COVID-19 em Belo Horizonte (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
A dose de reforço da vacina contra a COVID-19 está sendo aplicada nesta quinta-feira (14/10) em Belo Horizonte nas pessoas da faixa etária de 70 a 72 anos. E o sentimento entre a maioria deles era quase unânime: gratidão e felicidade.
 
No posto de  vacinação  em formato drive thru montado na UFMG, a reportagem conversou com alguns idosos que foram completar a imunização. Todos disseram estar felizes e gratos por poderem ter esta chance. 
 
Todos os entrevistados tomaram as duas primeiras doses da Coronavac. A dose de reforço foi aplicada da marca Pfizer.
 
A aposentada Geralda Maria Vieira relatou que perdeu um irmão de 71 anos para a COVID-19 neste ano de 2021. “ Ele havia tomado apenas a primeira dose e, ao contrair o vírus, ficou internado e acabou não resistindo”, lamenta.
 
Dentro de um carro, mulher recebe aplicação de dose de vacina no braço
Aposentada Geralda Maria Vieira (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
 
 
Geralda conta que tomar a dose de reforço para ela é uma sensação de que “foi feito o que tinha para ser feito”. 
 
Já Ires Castro, de 71, demonstrou otimismo, mesmo fazendo críticas à atuação do governo federal no combate à pandemia. "Independentemente de presidente, eu me sinto muito agradecida por poder tomar a vacina. É uma sensação de bem estar e felicidade”. 
 
Profissional de saúde aplica vacina no braço de uma mulher
Ires Castro, de 71 anos, recebe a terceira dose do imunizante (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
 
 
Quem também completou a imunização foi Lurdes das Graças de Almeida, de 71, que desabafou ter perdido pessoas queridas que tomaram a segunda dose da vacina, mas também não resistiram ao contrair o vírus. 
 
"É um alívio tão grande, a gente se sente mais segura. Eu acho que também é uma consciência que temos que ter em relação ao próximo, e entender que tomando a vacina, os benefícios vão para nós e a população em geral”, ressaltou.
 
Aposentada recebendo a dose de reforço da vacina contra o coronavírus
Lurdes das Graças de Almeida, de 71 anos, também recebeu a dose de reforço (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
 
 
O técnico mecânico José Augusto Demétrio Ferreira, de 70, contou que tomar a terceira dose é ter uma proteção a mais contra o vírus. “ É uma sensação de alívio também, em razão das notícias de pessoas que tomaram as duas doses e, mesmo assim, contraíram a doença”.
 
Enfermeira aplicando vacina no braço do idoso na UFMG
Técnico mecânico José Augusto Demétrio Ferreira, de 70 anos (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
 
 
José Augusto questiona a eficácia de algumas medidas de proteção estipuladas pelas autoridades sanitárias: "Acho uma hipocrisia você ter que usar máscara para poder trabalhar, ficar dentro de casa, e quando você vai ao aeroporto ter que manter ao distanciamento, mas ao entrar no avião você senta do lado de uma pessoa e viaja com mais de 200 pessoas naquele ambiente fechado”, reflete. 
 
“Concordo que as medidas de proteção devem ser mantidas, mesmo após se vacinar, mas não acredito que elas sejam eficazes para não contrair o vírus”, acrescentou.
 
Questionado se concorda que o vírus ainda pode circular por um período maior de tempo, mesmo após as vacinas, José Augusto foi taxativo: "O vírus não vai sumir, veio para ficar, nós é que vamos ter de aprender a conviver com ele. Acredito que a vacina vai ser constante na nossa vida, ao menos até que os estudos estejam avançados”. 
 
De acordo com a PBH, para tomar as doses é necessário levar o cartão de vacina, CPF e documento oficial com foto. A Prefeitura destaca que só pode tomar a dose de reforço aquelas pessoas dessa faixa etária cuja segunda dose já tenha completado seis meses ou que faltem até 15 dias para completar este prazo.
 
O horário de funcionamento dos locais de vacinação em dias úteis é das 8h às 17h para pontos fixos e extras e das 8h às 16h30 para pontos de drive-thru. Já aos sábados, os postos fixos e extras funcionam das 7h30 às 14h e os pontos drive-thru das 8h às 14h.
 
Há também pontos de vacinação com horário noturno, que funcionam de segunda a sexta-feira. Confira os horários e endereços:
 
  • UFMG Campus Saúde (Escola de Enfermagem): avenida Professor Alfredo Balena, 190 - Santa Efigênia – Funcionamento das 12h às 20h;
  • Faculdade Pitágoras: rua dos Timbiras, 1.375 - Funcionários – Funcionamento das 8h às 20h;
  • UNA-BH: rua Aimorés, 1.451 - Lourdes – Funcionamento das 8h às 20h;

* Estagiária sob supervisão do subeditor Frederico Teixeira  
 

Leia mais sobre a COVID-19

Confira outras informações relevantes sobre a pandemia provocada pelo vírus Sars-CoV-2 no Brasil e no mundo. Textos, infográficos e vídeos falam sobre  sintomas prevenção pesquisa  vacinação .
 

Confira respostas a 15 dúvidas mais comuns

Guia rápido explica com o que se sabe até agora sobre temas como risco de infecção após a vacinação, eficácia dos imunizantes, efeitos colaterais e o pós-vacina. Depois de vacinado, preciso continuar a usar máscara?  Posso pegar COVID-19 mesmo após receber as duas doses da vacina?   Posso beber após vacinar?  Confira esta e outras  perguntas e respostas sobre a COVID-19 .

Acesse nosso canal e veja vídeos explicativos sobre COVID-19

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade