Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

COVID: decisões em Uberaba serão tomadas com base em 4 indicadores

A publicação de um novo decreto de enfrentamento à COVID-19 no município deve ocorrer nesta sexta-feira (11/6)


09/06/2021 18:58 - atualizado 09/06/2021 19:11

O atual decreto de enfrentamento à COVID-19 de Uberaba determina que, se a taxa de positividade de testagem para o novo coronavírus dentro de uma semana se mantiver maior que 40%, serão aplicadas as restrições da onda roxa do Minas Consciente(foto: Prefeitura de Uberaba/Divulgação)
O atual decreto de enfrentamento à COVID-19 de Uberaba determina que, se a taxa de positividade de testagem para o novo coronavírus dentro de uma semana se mantiver maior que 40%, serão aplicadas as restrições da onda roxa do Minas Consciente (foto: Prefeitura de Uberaba/Divulgação)
Após reunião on-line entre a prefeitura de Uberaba e vereadores para apresentar indicadores e dialogar sobre o novo decreto de enfrentamento à COVID-19, que deverá sair no próximo fim de semana, ficou decidido que uma fórmula matemática com quatro critérios (taxa de positividade de testagem, incidência do vírus na cidade e os indicadores de ocupação de leitos de UTI e enfermaria) definirá as novas restrições de combate ao novo coranavírus na cidade.

A prefeita Elisa Araújo (Solidariedade) ressaltou que a decisão do novo decreto municipal será em conjunto com o Legislativo uberabense, que conta com 21 vereadores.
 
Segundo informações da Secretaria de Saúde de Uberaba, o Comitê Técnico Científico de Enfrentamento à COVID-19 apresentou na noite dessa terça-feira (8) proposta de adoção de um sistema de fases que, por meio dos indicadores taxas de ocupações, de incidência e de positividade serão calculados os índices de corte para a tomada de medidas de enfrentamento à doença.
 
“Os vereadores fizeram considerações e sugestões para o enfrentamento da COVID-19, sendo que a fiscalização foi um dos pontos mais falados. A prefeita Elisa Araújo solicitou ao vereador Cabo Diego a colaboração como interlocutor junto à Polícia Militar (PM) para reforçar a fiscalização. As sugestões foram anotadas pelo Executivo e as propostas apresentadas pelos vereadores serão analisadas pela prefeitura para compor a redação do novo decreto, cuja previsão é que seja publicado na próxima sexta-feira”, informou nota da prefeitura de Uberaba.
 
A prefeita Elisa ressaltou que a decisão do novo decreto municipal será em conjunto com o Legislativo.

“Por isso trouxemos algumas possibilidades e estamos abertos para ouvi-lo para que a gente decida sobre as diretrizes que o município vai seguir. A gente reconhece as dificuldades e estamos lutando todos os dias para melhorar. Juntos, tenho certeza de que teremos dias melhores", afirmou a prefeita Elisa durante a reunião on-line.  
 

O cálculo

De acordo com a Secretaria de Saúde de Uberaba, o Sistema de Fases proposto vai observar a taxa de ocupação de leitos (capacidade de atendimento), combinada com a taxa de incidência e com a taxa de positividade, que representam a evolução da pandemia.
 
“Cada indicador recebe um peso – entre 1 e 3 – de acordo com o grau de gravidade. A combinação dessas taxas e pesos será calculada em uma fórmula matemática, cujos resultados ficam assim estratificados: se o resultado for até 1,5, o município estará na fase verde, em que a pandemia está controlada; entre 1,5 a 2,5, entra a fase amarela, que é de alerta; e acima de 2,5, entra a fase vermelha, que é a mais crítica. Cada uma das fases servirá de parâmetro para as medidas a serem adotadas”, informou a Secretaria de Saúde de Uberaba.
 
O atual decreto de enfrentamento à COVID-19 de Uberaba determina que, se a taxa de positividade de testagem para o novo coronavírus dentro de uma semana se mantiver maior que 40%, serão aplicadas as restrições da onda roxa do Minas Consciente.

Se a taxa de testagem for de 30% a 40%, permanecerão as regras em vigor atualmente. Caso o índice seja inferior a 30%, o município seguirá as diretrizes da onda vermelha do Minas Consciente.
 
A taxa de positividade é a proporção da quantidade de positivados diante do total de exames de COVID-19 realizados diariamente no município. Será considerada a semana epidemiológica, de domingo a sábado. 
 
Como as taxas de positividades medidas durante as semanas, desde a publicação do atual decreto (no meio de maio), sempre estiveram abaixo dos 40%, por volta de 35%, segue autorizado em Uberaba, desde que seguidas as medidas sanitárias do distanciamento social, a entrada de clientes em lojas até as 18h e, em bares, restaurantes e demais estabelecimentos de alimentação, até as 20h.

Além disso, as reuniões, missas ou cultos nos templos seguem permitidos até as 20h.
 
UTI/COVID perto do limite
 
Segundo último boletim epidemiológico divulgado pela Prefeitura de Uberaba, na noite dessa sexta-feira (5/6), dos 103 leitos de UTI para pacientes com COVID-19 disponíveis na cidade, 89 estão ocupados. Dos 60 existentes na rede pública, 57 estão com pacientes. Dos 43 da rede privada, há 32 pessoas em estado grave.
 
Já em relação às ocupações de leitos de enfermaria para pacientes com COVID-19, de 209 disponíveis, 125 estão ocupados; de 142 da rede pública, há 94 pacientes; e de 67 da rede privada, 31 estão ocupados.
 
Desde o início da pandemia, já foram contabilizados em Uberaba 30.458 casos positivos, sendo que 1.039 pessoas morreram e 26.710 se recuperaram.


Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil

  • Oxford/Astrazeneca

Produzida pelo grupo britânico AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, a vacina recebeu registro definitivo para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No país ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

  • CoronaVac/Butantan

Em 17 de janeiro, a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan no Brasil, recebeu a liberação de uso emergencial pela Anvisa.

  • Janssen

A Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial no Brasil da vacina da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, contra a COVID-19. Trata-se do único no mercado que garante a proteção em uma só dose, o que pode acelerar a imunização. A Santa Casa de Belo Horizonte participou dos testes na fase 3 da vacina da Janssen.

  • Pfizer

A vacina da Pfizer foi rejeitada pelo Ministério da Saúde em 2020 e ironizada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi a primeira a receber autorização para uso amplo pela Anvisa, em 23/02.

Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades

Como funciona o 'passaporte de vacinação'?

Os chamados passaportes de vacinação contra COVID-19 já estão em funcionamento em algumas regiões do mundo e em estudo em vários países. Sistema de controel tem como objetivo garantir trânsito de pessoas imunizadas e fomentar turismo e economia. Especialistas dizem que os passaportes de vacinação impõem desafios éticos e científicos.


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

 

Entenda as regras de proteção contra as novas cepas

[VIDEO4]

 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade