Publicidade

Estado de Minas FASE CRÍTICA

Secretário de Saúde diz que abril terá números altos de mortes em Minas

Fábio Baccheretti demonstrou preocupação com a pandemia nos próximos dias do mês e não recomendou realização de cultos e missas


06/04/2021 09:50 - atualizado 06/04/2021 10:48

Em entrevista, o secretário também disse que a suspensão do toque de recolher será avaliada pelo comitê de Enfrentamento da COVID-19, na quarta-feira (07/04)(foto: Leandro Couri/EM/D.A.Press)
Em entrevista, o secretário também disse que a suspensão do toque de recolher será avaliada pelo comitê de Enfrentamento da COVID-19, na quarta-feira (07/04) (foto: Leandro Couri/EM/D.A.Press)
“Nós ainda vamos ter um mês de abril muito duro'', declarou o secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti. O médico detalhou as medidas da onda roxa, fase mais restritiva do Minas Consciente, aos 853 municípios do estado, na tentativa de conter o avanço da COVID-19 e, sobre a polêmica da abertura de igrejas para realização de cultos e missas, pediu para a população que 'não frequente esses ou outros locais com aglomerações'. As declarações foram dadas em entrevista à Rádio Itatiaia, na manhã desta terça-feira (06/04).

Segundo o secretário, com Minas apresentando o maior número de pacientes internados nos leitos de CTI dos hospitais públicos e particulares, os dados de mortes entre os mineiros, em razão do coronavírus, tendem a seguir crescendo durante o mês de abril. A perspectiva de melhora é somente no mês seguinte, ou seja, em maio.

“Todo mundo que entra no hospital demora cerca de 15 dias para, ou evoluir a óbito, ou ter alta. Nós ainda vamos ter um mês de abril muito duro. Acredito que em maio a gente consiga ter uma queda mais significativa dos óbitos. Mas ainda vamos variar com muitas mortes no mês de abril inteiro”, previu o secretário.

Sobre a suspensão do toque de recolher e a volta da permissão de reunião familiares, imposição antes adotada pela onda roxa do Plano Minas Consciente, Fábio Baccheretti disse que uma decisão definitiva será avaliada na próxima reunião do comitê de Enfrentamento da COVID-19, prevista para acontecer na quarta-feira (07/04).

O acordo pela suspensão da medida que restringe a movimentação de pessoas, de 20h às 5h, foi decretado a partir da noite desta segunda-feira (05/04), depois de reunião de conciliação do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) com o governo do estado, e o deputado estadual Bruno Engler (PRTB-MG), parlamentar autor de ação contra o toque de recolher.

“O importante é que, apesar do toque de recolher ter sido suspenso até quarta-feira, as atividades ditas como essenciais não mudam. A circulação provavelmente não deve ser muito afetada no período noturno, já que as atividades não estarão funcionando, que é o que acreditamos que seja o maior motivador da circulação das pessoas”, informou Fábio Baccheretti.

Cultos e missas

Acerca da divergência entre o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), e o ministro Kassio Nunes Marques, do Supremo Tribunal Federal (STF), sobre a autorização para celebrações presenciais de missas e cultos durante um dos piores momentos pandemia no país, o secretário corroborou com o que disse o prefeito.

Ele frisou que o que vale é o que está na Constituição Federal. Porém, pediu aos fiéis mineiros que, de acordo com as recomendações sanitárias, evitem frequentar os locais para celebrações religiosas enquanto o estado de Minas enfrenta grandes dificuldades para conter a transmissão do vírus.

“Minas Gerais, desde o início, não tratou os cultos de forma proibitiva, exatamente pelo critério constitucional. No entanto, nosso papel, meu como secretário de Saúde, é tentar ao máximo convencer a população que não é o caminho nenhum tipo de aglomeração, ou seja, recomendo a não ir em cultos e missas.”

Desde o sábado (02/04), Kalil e Nunes Marques divergem sobre a matéria. Após pressão, o chefe do Executivo municipal informou que acataria a decisão do ministro, que permite a realização de manifestações religiosas, contariando uma determinação do plenário do próprio STF. Kalil disse ainda que havia recorrido ao presidente da corte, ministro Luiz Fux. A discussão do assunto no STF está marcada para ocorrer nesta quarta-feira (07/04).

O que é o coronavírus


Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.
Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp

Como a COVID-19 é transmitida? 

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?


Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.
Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal
Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus. 

Vídeo explica por que você deve 'aprender a tossir'


Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade