Publicidade

Estado de Minas ALTERNATIVA

Lojistas da Galeria Ouvidor, em BH, apelam para delivery

Sem retiradas no local, comerciantes tentam se adaptar às restrições para continuar trabalhando


22/03/2021 17:38 - atualizado 22/03/2021 18:53

Retirar produtos no local já não é mais uma possibilidade para os comerciantes de BH(foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)
Retirar produtos no local já não é mais uma possibilidade para os comerciantes de BH (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)
Desde o último decreto da Prefeitura de Belo Horizonte, as lojas da Galeria Ouvidor estão funcionando sem entregas na porta. O ‘delivery’, antes solução para restaurantes, tornou-se também uma realidade para diversos lojistas. 
 
Mariana Caetano é dona de duas lojas na galeria e garante que, desde o dia 15 de março, quando as restrições e fiscalização ficaram ainda mais pesadas, ela e seus vendedores tentam se adequar à outra realidade: as entregas
 
Até o fechamento do comércio, em janeiro, as lojas ‘Feito à Mão Artesanato’, atendiam online e faziam as entregas na porta, entretanto a espera dos clientes, de todas as lojas da galeria, causava uma grande aglomeração na porta: “O cliente não poder ficar na porta é complicado, mas sabemos que, também, juntavam vendedores ambulantes e ficavam muitas pessoas juntas”, diz Mariana. 
 
Em março de 2020, quando a pandemia começou, Mariana e seus funcionários não tinham muita habilidade com vendas em plataformas digitais e segundo ela, a arrecadação reduziu em quase 90%: “A arrecadação caiu quase 90% no início da pandemia. Precisamos de empréstimo e começo a pagar agora, mas não sei nem como isso vai acontecer”, completa.
 
Ao longo do ano, eles se adaptaram e a venda online foi se estabelecendo, mesmo em alguns momentos de flexibilização, atendendo cinco clientes por vez. Quando precisavam fechar e migrar o atendimento, novamente, a clientela buscava os produtos na portaria da galeria, mas os custos eram dos compradores, que segundo Mariana, ‘sempre davam um jeito’, com parentes trabalhando próximos ao local e indo buscar, por exemplo.
 
As vendas se sustentaram dessa forma, entretanto, desde a restrição, os custos ficaram maiores e com o delivery, as vendas caíram mais: “Minha venda caiu drasticamente. Enviamos por correio ou motoboy, a menos que as peças sejam muito grandes e algum funcionário entrega de carro, mas a taxa não cobre a gasolina”, diz Mariana.
 
“O motoboy não roda por menos de R$ 15. Tenho poucos clientes que moram na região central, mas geralmente as entregas dão até R$ 30, porque as clientes moram muito longe. Até tentamos dividir, mas não tem condição para a loja. Antes, essa despesa não era nossa, o cliente passava na porta e facilitava muito para todos os lados”, completa. 
 
Além de organizar as entregas, a lojista precisa planejar os pagamentos de fornecedores e funcionários: “Tudo aumentou, a cada vez que recebo a mercadoria nova, ela vem com reajuste. Estamos comprando tudo com aumento. Quando fechou em janeiro já foi muito difícil, e neste mês, ainda não sei dizer qual o tamanho do rombo, mas já estou escolhendo contas que não terei condição de pagar."
 
“Ano passado pude reduzir a equipe totalmente ou por carga horária, mas tinha a ajuda do governo. Desde que acabaram os auxílios ficou pior, tem uma folha vencendo em abril e não sei como vou pagar”, segundo Mariana, os funcionários são priorizados e todos tentam vender de qualquer forma, para garantir o sustento de cada família. 
 
As duas lojas foram adaptadas com dispensadores de álcool em gel e regras de higiene a serem seguidas por todos, além disso, os colaboradores que se sentem mal, são afastados até que tenham um exame de COVID-19 negativo. “Não queremos prejudicar ninguém ou fazer o que está errado. Só queremos trabalhar. A cada restrição tentamos nos readequar para conseguir trabalhar”, finaliza Mariana.
 
Mesmo com a restrição de buscar os produtos no local, os lojistas podem entrar na galeria para realizar o trabalho online. Segundo a administração do condomínio da Galeria Ouvidor “os lojistas que querem, podem trabalhar dentro do estabelecimento, com atendimento online. Nenhum deles foi impedido de entrar na galeria e fazer os atendimentos remotos. A adoção do delivery foi uma orientação da prefeitura, porque as pessoas não estavam respeitando o distanciamento na porta”.
 
Em nota, a Prefeitura de BH esclareceu que as atividades não essenciais estão proibidas de realizar vendas presenciais e com retirada no local, mas o trabalho interno dos funcionários pode ser realizado, desde que adotadas ‘as regras sanitárias vigentes’. 
 
* Estagiária sob supervisão da subeditora Ellen Cristie. 
 
 

O que é o coronavírus

Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.
Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp



Como a COVID-19 é transmitida?


A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?



Como se prevenir?


A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.
Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê



Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

Vídeo explica porque você deve aprender a tossir

Mitos e verdades sobre o vírus


Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade