Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Juiz de Fora tem 90% de ocupação de UTI-SUS e fechamento de bares às 18h

Cidade está na faixa vermelha do programa municipal Juiz de Fora pela Vida


06/03/2021 13:52 - atualizado 06/03/2021 15:06

Juiz de Fora está na Faixa Vermelha do programa municipal, e tem ocupação de 90% nos leitos de UTI-SUS(foto: Marcos Alfredo)
Juiz de Fora está na Faixa Vermelha do programa municipal, e tem ocupação de 90% nos leitos de UTI-SUS (foto: Marcos Alfredo)
A Prefeitura de Juiz de Fora, na Zona da Mata mineira, decretou o fechamento dos bares às 18h, e a cidade tem 90% de ocupação de UTI-SUS, neste sábado (6). Segundo o Executivo, o quadro epidemiológico aponta um número maior no contágio de jovens. De acordo com o último boletim epidemiológico, dois bebês estão entre as vítimas que morreram por COVID-19.
Em decorrência do crescimento de casos de COVID-19 e aumento na taxa de ocupação nos hospitais, a Prefeitura de Juiz de Fora estabeleceu novos protocolos de enfrentamento à pandemia. Segundo a instituição, cerca de 50% das internações são de pessoas mais jovens.

A partir de agora, os bares estão proibidos de funcionar após às 18h, nem mesmo o serviço de delivery está autorizado após este horário. O consumo interno de bebida alcoólica continua proibido.

Além disso, os bares e todos os outros estabelecimentos comerciais são obrigados a fixar cartazes, nas entradas, com algumas informações referentes aos protocolos vigentes. 
Nesses avisos, o proprietário deve disponibilizar as seguintes informações;
  • Número máximo de pessoas permitidas no local
  • Faixa de classificação vigente do programa municipal “Juiz de Fora pela Vida”
  • Indicar qual é o distanciamento entre mesas
  • Sinalizar a área onde pode ter circulação pessoas
  • Telefones da fiscalização para recebimento de denúncias

Além dos cartazes, todos os estabelecimentos comerciais devem disponibilizar, para consulta da fiscalização, planta baixa em escala do estabelecimento comercial, com destaque da área útil de circulação, uso e fruição pelos consumidores, expressa em metros quadrados. 

Bares, restaurantes, lanchonetes, padarias e demais estabelecimentos - com autorização de consumo interno - devem ter croqui com indicação, em escala, da localização das mesas e da distância entre elas.

A partir de agora, o Procon vai fazer parte da fiscalização municipal auxiliando nas ações de enfrentamento à COVID-19. O Procon também atuará junto aos bancos, com intuito de evitar filas ou qualquer outro tipo de possível aglomeração.

Juiz de Fora não faz parte do Minas Consciente, pois tem o próprio programa denominado, “Juiz de Fora pela Vida”. Conforme as diretrizes, o programa tem cinco fases de acordo com os indicadores sanitários. A fase mais restritiva é o Lockdown, depois vem a faixa vermelha, faixa laranja, faixa amarela, e a faixa Verde - a menos restritiva de todas. 

No último dia 3 de março, Juiz de Fora regrediu da faixa laranja para a faixa vermelha. Dessa forma, o comércio de rua e shoppings podem funcionar seguindo os protocolos sanitários. Porém, o consumo de bebida alcoólica em bares e a abertura de clubes sociais estão proibidos.

Hospitalização 

Conforme o painel gerencial da COVID-19, Juiz de Fora apresenta, neste sábado, taxa de ocupação de 90,95% em UTI-SUS; 67,48%  em UTI Privado; e 82,28% em UTI Geral. 

A cidade tem um total de 377 hospitalizados pela COVID-19, sendo a maioria do sexo feminino, 52,27%. Desse total, 148 pessoas estão em leitos UTI-Covid e 229 em leitos de enfermaria. 

Juiz de Fora acumula 842 mortes em decorrência da COVID-19 e soma 20.673 casos confirmados.

No último boletim epidemiológico do município constam duas mortes de bebês do sexo feminino, ocorridas no último dia 28 de fevererio. Sendo uma recém-nascida com prematuridade extrema, que faleceu com apenas um dia de vida; e uma natimorta, quando há óbito ainda no útero materno ou durante seu nascimento.
 
Até o momento, Juiz de Fora vacinou 21.522 pessoas com a 1ª dose do imunizante contra a COVID-19 - o que corresponde a 3,75% da população, e 14.376 pessoas receberam a 2ª dose.
 

O que é o coronavírus


Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.
Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp

Como a COVID-19 é transmitida? 

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?


Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.
Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal
Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus. 

Vídeo explica por que você deve 'aprender a tossir'


Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade