Publicidade

Estado de Minas RECORDE DE NOTIFICAÇÕES

COVID-19: Divinópolis desativa 15 leitos do Hospital de Campanha

Após avanço de casos, Secretaria de Estado de Saúde determinou paralisação da desmobilização da unidade; cidade registrou o maior número de notificações da pandemia na última semana


25/11/2020 16:33 - atualizado 25/11/2020 17:09

O hospital de campanha chegou a contar com 35 leitos(foto: Divulgação/Prefeitura de Divinópolis)
O hospital de campanha chegou a contar com 35 leitos (foto: Divulgação/Prefeitura de Divinópolis)

Quinze leitos do Centro de Terapia Intensiva (CTI) foram desativados do hospital de campanha, em Divinópolis, região Centro-Oeste de Minas Gerais. A medida integra o cronograma de desmobilização da estrutura determinado pelo Comitê Extraordinário COVID-19 do governo estadual e aprovado pela Secretaria de Estado de Saúde (Ses). A decisão foi baseada na queda dos índices, baixa demanda e alto custo.

 

Com 20 leitos de enfermaria e outros 35 no CTI, a média da taxa de ocupação é em torno de 30%. Com a desativação, a unidade passa a ter 20 leitos para receber pacientes em estado mais grave da doença. O hospital é referência para oito municípios: Divinópolis, Itapecerica, Carmo do Cajuru, Araújos, Perdigão, São Gonçalo do Pará, São Sebastião do Oeste e Cláudio. Entretanto, desde a implantação recebeu de pelos menos outros 25 municípios. 

 

A taxa de ocupação dos leitos exclusivos para pacientes com quadro clínico compatível com o novo coronavírus estava em 39,2% nesta terça-feira (24). Os dados divulgados pela Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) consideram a saúde suplementar e pública. Dos 91 disponíveis pelo Sistema Único de Saúde (SUS), 33 estavam ocupados, 11 em CTI’s e 22 na enfermaria. 

“Tranquilidade”

Embora o discurso seja de “tranquilidade” para justificar a desmobilização, de 16 a 24 de novembro, Divinópolis registrou 194 novos casos confirmados da doença. Foram 1131 notificações a mais. A cidade já contabiliza 2.311 confirmações das 17845 suspeitas registradas desde o início da pandemia.

 

O ritmo de contágio na cidade também aumentou, passando de 1,09 para 1,1 na última semana. O índice representa a quantidade de pessoas que cada contaminado pode infectar. “Estamos mantendo essa estratégia porque ainda temos números que nos dão essa tranquilidade”, afirmou o secretário da pasta Amarildo de Sousa. Para não correr o risco de gerar desassistência haverá avaliação periódica. “Esse indicativo de desmonte que foi feito pelo comitê estadual será observado de 10 em 10 dias para que façamos com muita segurança e não coloquemos em risco a segurança da população e não precisemos correr atrás depois para montar novamente”, explicou.

Alerta

Quando considerada a 47ª semana epidemiológica, entre os dias 15 e 21 de novembro, Divinópolis registrou o maior número de notificações em toda a pandemia. Os dados foram divulgados pela prefeitura e também nas redes sociais da médica infectologista e membro do Comitê de Enfrentamento a COVID-19, Rosângela Guedes. Em um vídeo publicado no IGTV do Instagram, ela demonstrou preocupação.

 

“Fico me perguntando qual é o nível de informação que está chegando até as pessoas? Será que as pessoas estão informadas sobre o que está acontecendo? As vezes penso que não. Se a gente avaliar o número de festas que estão acontecendo, os eventos que estão sendo planejados, os encontros”, analisou no vídeo.

 

A médica também chamou a atenção da população. “Acho que falta um pouco de empatia, de definição de prioridades na vida. Se você que está frequentando as festas, os encontros sem máscaras, porque não está preocupado com isso, porque não pertencem a nenhum grupo de risco ou não tem nenhum familiar de grupo de risco que more com você, precisa entender que se expondo, mesmo que não tenha um quadro grave, você está alimentando a cadeia de transmissão do vírus”, alertou.

 

Se a evolução de casos não for freada, a situação, segundo a infectologista, deverá se agravar até as festas do final de ano. “A nossa taxa de ocupação hospital começou a subir novamente e se não nos cuidarmos vamos vivenciar uma situação muito ruim na época do Natal e Ano Novo”, prevê.

Suspensão

Em nota, a Secretaria de Estado de Saúde (Ses), por meio da Superintendência Regional de Saúde (SRS), informou que a desmobilização dos leitos ocorreram após queda no número de casos e os indicadores de monitoramento da COVID-10 demonstrarem estabilização, além de redução de internações, que ocorreu na Macrorregião Oeste.

 

Entretanto, com a flutuação de casos e internações a secretaria interrompeu a desmobilização dos leitos para as próximas semanas. Além de Divinópolis, outros sete foram suspensos em Formiga, também no Centro-Oeste. A Ses ainda afirmou que a desmobilização não “significa o fechamento ou o encerramento desses, mas sim, que eles não estarão operantes naquele momento, podendo voltar caso haja uma demanda maior por leitos de UTI”.

 

*Amanda Quintiliano especial para o EM

 

O que é o coronavírus


Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.
Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp

Como a COVID-19 é transmitida? 

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?


Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.
Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal
Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus. 

Vídeo explica por que você deve 'aprender a tossir'


Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 

 

 

 

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade