Publicidade

Estado de Minas TROCA DE FARPAS

CDL critica Kalil e repudia 'postura cruel e desumana' da PBH

Após anúncio de manter comércio fechado, a Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte se manifestou e pediu aumento dos leitos


31/07/2020 16:35 - atualizado 31/07/2020 18:49

Comércio não-essencial está fechado desde março em BH(foto: Jair Amaral/EM/D.A. Press)
Comércio não-essencial está fechado desde março em BH (foto: Jair Amaral/EM/D.A. Press)

 
A Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH) divulgou uma nota de repúdio à postura do prefeito Alexandre Kalil (PSD) durante a condução das decisões relacionadas ao controle da pandemia da COVID-19 na capital dizendo ser “cruel e desumana”.

A nota foi divulgada pela entidade logo após a prefeitura anunciar que não deve reabrir o comércio enquanto a ocupação de leitos permanecer em alerta vermelho. Em nota, a CDL cobra que a prefeitura compre novos leitos para que a taxa de ocupação seja menor.


“Hoje não há porque abrir (leitos). Se precisar, podemos requisitar da iniciativa privada”, respondeu o secretário. “Temos respeito pelo dinheiro público. Temos recursos para comprar leitos, mas para cada 10 leitos precisamos de 70 profissionais. Onde estão esses profissionais? Os intensivistas? Todos já estão trabalhando”, disse.

Jackson rebateu ainda a favor da preservação da vida. “O CNPJ depende do CPF. Se a pessoa morrer, não adianta ter restaurante aberto”, disse o médico. “Nós vamos contratar leitos da iniciativa privada se for necessário, mas hoje os números mostram que não é necessário”.

Desde a publicação do primeiro boletim epidemiológico da COVID-19 em Belo Horizonte, em 15 de maio, a prefeitura aumentou de 205 leitos de UTI COVID para 419; e de 573 leitos de enfermaria COVID, para 1.115.

A prefeitura analisa também o cálculo da taxa de ocupação sem considerar o aumento de leitos no período. Isso resultaria a percentuais equivalentes a 185% de ocupação da UTI COVID e de 132% de enfermaria COVID.

Confira a nota da CDL na íntegra:

“Desde o início da pandemia, o prefeito Alexandre Kalil virou as costas para o comércio. Tomou decisões de forma autoritária e sem diálogo com o setor da nossa economia que mais se sacrificou para salvar vidas, o de comércio e serviços, que representa 72% do PIB da nossa cidade e emprega mais de um milhão de trabalhadores. Tomou decisões arbitrárias e sem coerência até mesmo com a Ciência que ele diz tanto se amparar. Nosso sentimento é de indignação. Porém, a notícia da permanência do comércio fechado e sem previsão para reabertura não é nenhuma surpresa. Afinal, Kalil não cumpriu a sua promessa de abrir leitos – 729 de UTI e 1.752 de enfermaria. Promessa que foi feita no início de maio. Caso a promessa do prefeito tivesse sido cumprida, hoje teríamos 52% de taxa de ocupação nos leitos de UTI e 43% nos de enfermaria, índices que permitiriam a reabertura segura do nosso comércio. A fala do Secretário de Saúde do prefeito Kalil, Jackson Machado, na coletiva de hoje foi muito clara. A Prefeitura poderia abrir estes leitos. Mas não investe nessa abertura dos novos leitos e faz a clara opção por manter o comércio fechado.

Enfim, a Prefeitura economiza, mas quem paga a conta é o comércio. Somente lembrando, a Prefeitura recebeu mais de R$ 130 milhões do Governo Federal para investir no combate à doença. O Secretário ainda desdenhou da situação. Falou com um ar de deboche “que mais 15 dias fechado não mata ninguém”, postura bem típica do seu chefe. Trata um assunto tão sério com requintes de crueldade. Chega a ser desumana e tirânica a postura insensível da Prefeitura diante da quebradeira de milhares de negócios em nossa cidade, diante de milhares de trabalhadores perdendo seus empregos e tantas famílias sem o sustento, passando por necessidades. O pior e mais grave de tudo é que nem vidas estão salvando. Nos últimos 30 dias, período em que o comércio ficou fechado, o número de mortes em Belo Horizonte teve um aumento de mais de 300%. Lamentavelmente, passamos de 129 para 528 óbitos.  Belo Horizonte foi a primeira a fechar e será a última a abrir o comércio. É hora de todos refletirem sobre quem é o culpado dessa triste e deprimente situação que vivemos hoje em Belo Horizonte”.

O que é o coronavírus

Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.
Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp



Como a COVID-19 é transmitida?


A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?



Como se prevenir?


A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.
Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê



Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

Vídeo explica porque você deve aprender a tossir



VIDEO1]

Mitos e verdades sobre o vírus


Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade