Publicidade

Estado de Minas

Coronavírus provoca guerra por respiradores artificiais no Brasil

Equipamento é essencial no tratamento de pacientes graves infectados pelo coronavírus. No Brasil, fabricantes já estão sem estoque e preço está subindo


postado em 30/03/2020 06:00 / atualizado em 30/03/2020 07:34

(foto: AFP)
(foto: AFP)

 

Uma grave pneumonia compromete a função pulmonar. Torna a respiração um esforço enorme (dispneia) e reduz a concentração de oxigênio dissolvido no sangue (hipoxemia). Mais crítico estágio da COVID-19 num paciente, a síndrome respiratória aguda grave tem indicação de entubação e utilização de ventilação mecânica imediatas nos hospitais, segundo a Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig). Esse estado da doença provocada pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2) levou à morte quase 30 mil pessoas ao redor do mundo, assustando por provocar uma corrida aos hospitais e grande pressão sobre a oferta de equipamentos de suporte de respiração. A falta dessas máquinas e o seu encarecimento já ocorrem no mercado nacional, o que leva a outros medos comuns em países onde a infecção já está no pico, como o da escolha de quais pacientes que irão sobreviver.


De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), há 2.934 respiradores em uso pelo Sistema Único de Saúde no estado, um número que pode ser ampliado numa emergência sem precedentes com o emprego de instalações privadas e até de ambulâncias, com incremento de mais 3.353 aparelhos. O estado também dispõe de 2.795 leitos de Unidades de Tratamento Intensivo (UTI) e o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, disse nessa quinta-feira que a capital tem condições de internar em respiradores até 7 mil pessoas simultaneamente. Para se ter uma ideia, o diretor da Sociedade Mineira de Infectologia, Carlos Starling, apresentou estudo que diz que só a Grande BH pode ter de 1.500 a 8 mil pacientes graves internados no pico da infecção. A SES-MG informou que estuda ampliar a oferta dos aparelhos, mas não forneceu números.


Na Europa, onde circulam imagens de hospitais abarrotados de pacientes conectados a respiradores mecânicos, o medo tem tomado conta da população e esse receio pode chegar ao Brasil com a multiplicação e agravamento dos casos. Segundo a Fundação Pulmonar Europeia (ELF), entre os mais preocupados estão pacientes idosos e com doenças respiratórias crônicas. Temem desenvolver os sintomas mais graves da COVID-19 e, por sua condição preexistente, perder a preferência no uso dos respiradores para pessoas mais saudáveis ou mais jovens.

 

"Não vamos tirar um paciente mais velho de um respirador e passar para um outro mais novo. Isso não funciona assim. Ainda há uma longa discussão para se fazer e todos precisam ter claros protocolos para serem seguidos"

Maria Aparecida Camargos Bicalho, coordenadora médica da Diretoria Assistencial da Fhemig

 


“A grande maioria das pessoas que desenvolve a COVID-19 não precisa de ventilação. Experimentam uma doença viral leve (semelhante a um resfriado) e se recuperam completamente. Isso inclui pessoas que têm condições subjacentes”, informa a fundação.


Essa é uma discussão que a sociedade médica já tem no Brasil, pois no caso de o pico de infecção saturar a oferta de equipamentos, escolhas duras deverão ser feitas. Mas não se trata de perfis já definidos, segundo a coordenadora médica da Diretoria Assistencial da Fhemig, Maria Aparecida Camargos Bicalho. “Não vamos tirar um paciente mais velho de um respirador e passar para um outro mais novo. Isso não funciona assim. Ainda há uma longa discussão para se fazer e todos precisam ter claros protocolos para serem seguidos. Mas é claro que se aparecerem dois pacientes, por exemplo, um acamado, completamente sequelado, com a idade que for, múltiplos AVCs, demente, que não se cuida mais sozinho, recebendo um cuidado paliativo para ter sobrevida, sem a expectativa de sair do respirador e viver, e um outro, que pode até ser mais velho e que chega por infecção grave por COVID-19, precisando de um respirador, uma escolha vai ter de ser feita”, pondera a médica.

Cuidado

 

O medo de precisar e não dispôr de um respirador mecânico levou vários europeus com asma, bronquite e outras doenças respiratórias crônicas a procurar pelos seus próprios aparelhos. Mas a ELF alerta que esse é um procedimento perigoso. “A ventilação deve ser fornecida apenas por um especialista treinado e não é algo que você deve adquirir sem a supervisão de um especialista. A coisa mais importante é evitar o vírus. Seguir rigorosamente as medidas de distanciamento social. Por enquanto, reduzir ao máximo o contato com pessoas fora de sua casa e praticar medidas rígidas de higiene”, recomenda a fundação.


A SES-MG informou que foi decretado, no dia 13, Situação de Emergência em Saúde Pública no estado como uma das ações de preparação para assistência aos pacientes. “Entre as medidas previstas pelo decreto estava a dispensa de licitação para compra de insumos, medicamentos e aparatos médicos, além da contratação de profissionais. Portanto, todos os esforços estão sendo realizados para sanar qualquer necessidade de equipamentos e insumos para saúde”.

Utilização  equivocada do aparelho causa lesões


Os procedimentos para a ventilação mecânica dependem de regulação das máquinas para o porte do paciente, grau de comprometimento pulmonar, resposta ao tratamento e outras necessidades clínicas que são avaliadas pelo médico no hospital. De acordo com a coordenadora médica da Diretoria Assistencial da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), Maria Aparecida Camargos Bicalho, o paciente de COVID-19 grave é entubado e sedado numa unidade ou centro de terapia intensiva. “Precisa estar sedado para não competir com o funcionamento da máquina ao tentar respirar. Com isso conseguimos colocar o pulmão dele em situação de repouso e vamos ajustando a composição de gases para o caso específico”, afirma.

 

 

"Não dá para uma pessoa pensar em comprar esse equipamento e usar sendo leigo. O uso equivocado pode causar lesões sérias aos pulmões"

Maria Aparecida Camargos Bicalho, coordenadora médica da Diretoria Assistencial da Fhemig

 


De acordo com a médica, o ventilador faz todo o trabalho do pulmão e do sistema respiratório doente de aspirar e expirar, dando ao órgão tempo para se recuperar. “Enquanto isso, tratamos pela entubação da medicação do paciente. Tudo vai sendo ajustado aos parâmetros de cada caso. Por isso, não dá para uma pessoa pensar em comprar esse equipamento e usar sendo leigo. O uso equivocado pode causar lesões sérias aos pulmões”, afirma.


A ventilação é importantíssima para a recuperação do paciente, mas não é capaz de salvar a todos e tem também seus riscos. “A pessoa entubada e com suporte de um respirador acaba sem os filtros que nosso organismo dispõe para outros microrganismos e pode acabar infectado no ambiente hospitalar por outras doenças”, alerta.

 

Prazo longo para entrega

 

O preço e a disponibilidade de respiradores mecânicos têm sido um problema principalmente para os hospitais públicos. A grande procura, sobretudo particular, fez com que vários vendedores tivessem seus estoques esgotados e fornecedores passaram a usar até mesmo fábricas de outros aparelhos para ampliar a produção. A reportagem do Estado de Minas fez um levantamento entre cinco grandes fornecedores para hospitais de BH e a dificuldade foi grande para encontrar equipamentos.
Em São José dos Campos, interior de São Paulo, uma fábrica ainda atende às encomendas com um modelo de respirador de R$ 6 mil, com prazo de entrega de 16 dias. Outra fornecedora, de Balneário Camboriú (SC), dispõe de três modelos, mas cada pedido aguarda 20 dias até a aquisição do produto.


O preço tem de ser negociado pela disponibilidade e quantidade. Uma fornecedora de equipamentos hospitalares e laboratoriais de São Paulo já não dispõe de respiradores completos, que vendia por R$ 48 mil, e não há previsão de entrega de novos aparelhos.


Ao ser procurada, uma fábrica do Sul de Minas logo avisa sobre prazos dilatados devido à grande procura por causa da pandemia. O único equipamento de pronta entrega custa quase R$ 60 mil. Três modelos mais em conta estão esgotados e outros sete precisam ser encomendados com preços a combinar.


Outra grande fornecedora de São Paulo também só dispõe de um modelo hospitalar que custa R$ 100 mil. Os demais precisam ser encomendados e estão sujeitos a disponibilidade do fabricante.

Compartilhamento

 

Uma das saídas para racionar o uso de respiradores escassos numa possível explosão de casos graves da COVID-19 é o compartilhamento de equipamentos por mais de um paciente. Há notícias de hospitais europeus que chegaram a conectar quatro pessoas a um aparelho para tratar de todos. De acordo com a coordenadora médica da Diretoria Assistencial da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), Maria Aparecida Camargos Bicalho, essas técnicas estão sendo estudadas para uso num possível pico de atendimentos em Minas Gerais.


“É uma medida de extrema necessidade, muito complexa. Nem todo paciente pode dividir uma máquina. Se estiver com um quadro muito comprometido, terá de ter um respirador só para ele”, afirma.

O que é o coronavírus?

Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.

 

Como a COVID-19 é transmitida?

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.


Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia


Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o coronavírus é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

Especial: Tudo sobre o coronavírus 

Coronavírus: o que fazer com roupas, acessórios e sapatos ao voltar para casa

Coronavírus é pandemia. Entenda a origem desta palavra

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade