UAI
Publicidade

Estado de Minas COMBUSTÍVEL

Apesar da redução no ICMS, abastecer com gasolina é mais favorável em Minas

Minaspetro informa que a queda do valor do etanol na bomba será de R$ 0,04, apesar da redução na base de cálculo do imposto ser de R$ 0,46


01/08/2022 18:57 - atualizado 01/08/2022 19:42

Posto localizado na Avenida Tereza Cristina, 1600, Bairro Carlos Prates
Posto de combustíveis localizado na Avenida Tereza Cristina, 1600, no bairro Carlos Prates, exibe seus preços (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
O governo de Minas anunciou a redução do cálculo do ICMS sobre o etanol no estado, nesta segunda-feira (1/8). O Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo no Estado de Minas Gerais (Minaspetro) informou, porém, que a queda do valor do combustível nas bombas será de R$ 0,04. Com isso, ainda é mais favorável abastecer com gasolina do que com etanol.

 

"Cabe destacar que a redução na base de cálculo que incide o ICMS em R$ 0,46 não representa redução direta no valor da bomba, uma vez que é preciso realizar o cálculo de 9,29% sobre o novo Preço Médio Ponderado Final (PMPF)", diz o Minaspetro, em nota.


De acordo com a entidade, a redução do PMPF do etanol representa um impacto muito pequeno no preço final do combustível nas bombas. Assim, pela paridade atual, a gasolina continua como opção mais favorável ao consumidor final. "Para que a redução fique interessante ao consumidor final é necessário um reajuste maior de custo na cadeia", destaca.

Para finalizar, o sindicato afirma que, ao anunciar a redução, "o governo de Minas mostra coerência com a metodologia de cálculo e fomenta a economia do estado com valores dos combustíveis mais justos ao consumidor".

Na última quinta-feira (28/07), a Petrobras anunciou queda de R$ 0,15 por litro no preço da gasolina repassado às distribuidoras. A medida está valendo desde sexta-feira (29/7). O valor do litro caiu de R$ 3,86 para R$ 3,71.

Nos postos, considerando a composição do combustível que inclui uma porção de 27% de etanol anidro, o preço passa de R$ 2,81, em média, para R$ 2,70 por litro nas bombas.

Preço Médio Ponderado Final e redução do ICMS


Professor e colaborador do Denarius da área de Projetos Fipecafi, Fabio Sobreira explica que o Preço Médio Ponderado Final é enviado pela Secretaria da Fazenda para os estados para informar como estão os preços dos combustíveis. 

"Ele é a base do ICMS. Desde novembro do ano passado, o Distrito Federal e outros estados tinham congelado esse preço para não aumentar o ICMS. Mas como o PMPF estava congelado o ICMS foi caindo, o preço dos combustíveis foi caindo. Com isso, esse valor congelado em novembro já seria até menor. O governo entendeu que não faz mais sentido deixar congelado se o preço nas bombas já está menor que o PMPF", enfatiza.

Ele ressalta que a redução de R$ 0,46 no preço médio ponderado reflete 9,29% no preço final, que dá a queda de R$ 0,04 nas bombas.

"Parece pouco, mas agora a redução é na base do ICMS e não no preço do combustível em si, que já caiu para R$ 4,50. O combustível pode cair até mais do que isso. Não adianta reduzir na bomba, se o preço médio não for reduzido para o cálculo do imposto", declara.
 
Posto localizado na Avenida Cristiano Machado, 1383, bairro Vila Suzana
Posto de combustíveis localizado na Avenida Cristiano Machado, 1383, bairro Vila Suzana (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
 

Sobreira destaca ainda que o etanol só vai ser vantajoso se estiver com preço abaixo de 70% do valor da gasolina. Para ele, a redução da base do ICMS é positiva porque melhora a competitividade e analisa que ela pode ter sido tomada para controle de preços e da inflação. 

"Pode ser para baixar a inflação, as eleições, não tem como saber o real motivo. Não é uma discussão que cabe aos analistas. Olhamos o mercado e sabemos que o efeito final é uma redução benéfica, apesar de não conseguirmos determinar os motivos", conta.

"Estão todos alinhados para essa redução nos preços dos combustíveis, que é necessária na minha opinião. É papel do governo, do Banco Central e de todos os agentes econômicos tentar controlar a inflação, pois já sabemos como uma inflação muito alta é prejudicial para uma nação", completa.

Sobreira lembra também que algumas dessas medidas de controle da inflação têm validade apenas para este ano. "Com o tempo, saberemos se essas medidas vão continuar ou não. Tem muita coisa que é só para este ano, talvez ano que vem precisaremos reforçar alguma coisa", conclui. 

Preço do etanol nos postos de BH 


A reportagem do Estado de Minas percorreu alguns postos da capital para verificar o preço praticado no etanol. O valor varia entre R$ 3,68 e R$ 3,98. Confira: 
 
  • posto na Avenida Cristiano Machado 1383, bairro Vila Suzana, Região Pampulha: etanol R$3,93
  • posto na Avenida Cristiano Machado, 2000, bairro Cidade Nova, Região Nordeste: etanol R$3,93
  • posto na Avenida do Contorno, 647, bairro Maria Virgínia, Região Nordeste: etanol R$ 3,98
  • posto na Avenida do Contorno, 2694, bairro Santa Efigênia, Região Centro-Sul: etanol R$ 3,78
  • posto Pica Pau, na Avenida do Contorno, 10325, Bairro Carlos Prates, Região Noroeste: R$ 3,83
  • posto na Avenida Tereza Cristina, 1600, também no Carlos Prates: R$ 3,68

Durante visita ao posto Pica Pau, a reportagem flagrou a gerente do estabelecimento aumentando o valor do etanol de R$ 3,68 para R$ R$ 3,83. Entramos em contato com o estabelecimento para saber o motivo do aumento, mas fomos informados de que o responsável pelo setor financeiro não estava no local.  

O bolso agradece a queda nos preços


O engenheiro de obras Cristiano Gontijo, de 46 anos, usa o carro para trabalhar e consome bastante combustível. "Preciso me deslocar o tempo todo de uma obra para outra", comenta.

Ele conta que sempre faz o cálculo para escolher qual dos combustíveis está com preço mais favorável. "Até então está viável a gasolina, mas com a redução anunciada pelo Zema hoje, se cair R$ 0,46 mesmo, vai ficar mais vantajoso abastecer com álcool. Sempre faço a conta, não tenho preconceito nenhum. Álcool ou gasolina pra mim é indiferente. Vou no que for mais barato e meu bolso agradece", afirma.
 
Engenheiro de obras Cristiano Gontijo
Engenheiro de obras Cristiano Gontijo usa o carro para trabalhar e abastece com o combustível que estiver mais favorável no momento (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
 

Gontijo diz que, como roda muito pela cidade, está sempre ligado nos preços de combustíveis praticados pelos postos. "A gasolina mais barata de BH fica na Via Expressa. Então toda vez que eu passo por lá, olho o preço e completo. Já economizei R$ 60, R$ 70 em um dia, de um posto para outro. Fico sempre atento. Para quem roda muito faz diferença. Tem época em que eu gasto R$ 160 por dia. Se eu economizar R$ 20 por dia, em um mês são R$ 600. É muita coisa", ressalta.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade