UAI
Publicidade

Estado de Minas PARALISAÇÃO

Presidente do Sindtanque-MG explica os motivos da suspensão da greve; veja

"Não vamos desistir, mesmo com a insensibilidade do governo que só faz promessa e não cumpre", disse Irani Gomes, em vídeo


22/10/2021 18:16 - atualizado 22/10/2021 18:45

Tanqueiros protestam com faixas pedindo a redução do ICMS sobre o preço do diesel
Uma das reivindicações da categoria é a redução da alíquota do ICMS do diesel, que em Minas é de 15% (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
O presidente do Sindicato das Empresas Transportadoras de Combustíveis e Derivados de Petróleo de Minas Gerais (Sindtanque-MG), Irani Gomes, explicou os motivos da  suspensão da greve dos tanqueiros no estado, anunciada na tarde desta sexta-feira (22/10).

 

 


De acordo com ele, a decisão foi tomada pelo compromisso do setor com a sociedade e a sinalização de uma negociação da categoria com as distribuidoras, com a discussão de medidas para melhoria no transporte. 

“A categoria resolveu suspender a paralisação visando o compromisso com a sociedade e, também, com a sensibilidade das distribuidoras que se comprometeram, na próxima semana, a discutir sobre melhorias no transporte. Mas nós não vamos abrir mão desta luta. Sabemos que um fator muito importante é a redução das alíquotas dos combustíveis, pois elevam muito o preço (dos combustíveis).” 
 
 

O presidente ressaltou que, apesar da suspensão da greve, a categoria vai continuar lutando pela redução da alíquota de 15% do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) sobre o diesel e o alto preço do produto, que corresponde a 70% do custo do frete. 
 
“O cidadão tem sofrido demais com isso, e as empresas também têm sofrido com o alto preço do óleo diesel, que hoje, no estado de Minas Gerais, na Região Sudeste, tem uma das maiores alíquotas. Nós não vamos desistir, mesmo com a insensibilidade do governo que só faz promessa e não cumpre, vamos continuar com essa batalha”, completou. 

A paralisação dos tanqueiros, que teve início na madrugada dessa quinta-feira (21/10)  provocou uma  corrida dos motoristas aos postos de combustíveis . Ao longo do dia, filas de carros foram registradas em postos da capital e chegou a  faltar gasolina comum e etanol em alguns deles .
 
*Estagiária sob supervisão do subeditor João Renato Faria


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade