UAI
Publicidade

Estado de Minas SAÚDE

Aborto no Brasil: acesso precário, estigma e morte

Ativistas questionam efetividade da criminalização. Estudo estima que mais de 4,7 milhões de mulheres já tenham feito um procedimento no paísl


16/07/2022 04:00 - atualizado 16/07/2022 19:16


Imagine a seguinte situação: uma menina de 13 anos, abusada sexualmente pelo tio, acaba engravidando. Ela vive em Capelinha, no Vale do Jequitinhonha, que conta com um hospital. Com muito custo, essa menina consegue contar para a sua mãe. Marcadas pela violência, elas decidem interromper a gestação. Entretanto, ao buscar o serviço de saúde, a surpresa: o hospital mais próximo que realiza o procedimento fica em Montes Claros, a 318 quilômetros de distância.

A pesquisa "Mapa do Aborto Legal" verificou em 2020 que dos 176 hospitais cadastrados no SUS para a realização do aborto legal, somente 42 têm feito o procedimento; cerca de 23% do total. Em Minas Gerais, são apenas cinco hospitais: 
 
  • Belo Horizonte
    Hospital Júlia Kubitschek (Rua Dr. Cristiano Rezende, 2745, Milionários)
    Maternidade Odete Valadares (Avenida do Contorno, 9494, Prado)
     
  • Montes Claros
    Hospital Universitário Clemente de Faria (Avenida Cula Mangabeira, 562, Santo Expedito)
     
  • Uberlândia
    Hospital de Clínicas de Uberlândia (Avenida Pará, 1720, Umuarama) 

  • Viçosa
    Hospital São Sebastião (Rua Ten. Kummel, 36, Centro)

Arte com flores, embrião, espermatozoides, útero e figura renascentista com tons de roxo e rosa
Aborto voltou a ser debatido no Brasil com a aproximação das eleições de 2022 (foto: Soraia Piva/EM/D.A Press)
No Brasil, o procedimento de aborto legal pode ser realizado em três situações: em caso de uma vítima de estupro, se a gravidez for de risco para quem gesta e de fetos diagnosticados com anencefalia. Fora essas exceções, o procedimento de interrupção da gravidez se configura como um crime no país, e pode gerar até três anos de prisão.  
A legislação que prevê o aborto como crime é o Código Penal de 1940. Desde então, movimentos de mulheres buscam pela sua legalização. De acordo com ativistas, a legalização do aborto pode tirar o estigma sob a questão e facilitar o acesso inclusive para quem já tinha o direito, que, com restrição de hospitais que realizam o procedimento, não é garantido.
 
Entretanto, esse direito garantido vem sofrendo uma série de ataques institucionais. Em junho de 2022, veio à tona o caso de uma menina de Santa Catarina, violentada sexualmente, que teve o acesso ao aborto legal negado por uma juíza, além de ter sido mantida em abrigo por quase 8 semanas, sem atendimento médico.  



Ao mesmo tempo, o responsável pela Secretaria de Atenção Primária do Ministério da Saúde, Raphael Câmara, preparou uma nova cartilha sobre abortamento, em que diz que "não existe aborto legal" no Brasil, contrariando o que diz a legislação. Além disso, prevê possibilidade de investigação criminal de vítimas de estupro e também de gestantes que estejam em risco de vida para a realização do procedimento.  
 

Criminalização e acesso legal 

Fachada da Maternidade Odete Valadares
A Maternidade Odete Valadares é uma das únicas que realizam aborto em Minas Gerais nos casos legais (foto: Tulio Santos/EM/D.A Press )

A argumentação de movimentos de mulheres que defendem a prática toca em questões relacionadas à saúde pública do país. "O aborto está entre as principais causas de mortalidade materna no nosso país, e é uma morte evitável. Se essas mulheres tivessem acesso a meios e condições seguras de realizar o aborto, elas não iriam a óbito", conta Renata Regina, doula e ativista pelos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres em BH. 

"A criminalização faz com que, inclusive, mulheres que sofreram aborto espontâneo sejam tratadas com desconfiança, como se tivessem provocado e, em decorrência disso, mesmo mulheres que tiveram uma gestação planejada passam por uma intensa violência obstétrica em um momento de luto", completa a ativista. 
Para ter acesso à interrupção da gestação, nos casos em que é legal atualmente, não é necessário apresentar boletim de ocorrência no hospital. 

"O procedimento é por etapas: ao procurar o serviço de saúde, é feito um termo de relato circunstanciado do caso, com o maior número de detalhes do crime sofrido. Depois são feitos exames físicos e ginecológicos, e o profissional emitirá um parecer técnico", explica Renata.

"Essa mulher será acompanhada por uma equipe multidisciplinar, em que três integrantes autorizam o procedimento de aborto. Ela assina o termo, declarando que as informações são verdadeiras, e também um termo de que está consciente e de acordo com a interrupção da gestação", diz a doula.

"Mulheres comuns"

Aos 40 anos, ao menos 1 mulher em cada 5 já realizou aborto uma vez na vida. São dados da Pesquisa Nacional de Aborto, de 2016, realizada por pesquisadores da Anis Instituto de Bioética e pela Universidade de Brasília (UnB). A estimativa é de que mais de 4,7 milhões de mulheres já tenham feito aborto ao menos uma vez na vida, segundo a Anis.


De acordo com a advogada Gabriela Rondon, do Instituto Anis Bioética, as mulheres que abortam "são comuns, de qualquer classe social, faixa etária, com filhos e que praticam alguma religião. O perfil majoritário de mulheres que praticam aborto não é de adolescentes, de mulheres que trabalham com o sexo, ou de mulheres que sejam distantes de nós", explica.
 
O levantamento ainda apontou que 58% das mulheres que abortam no Brasil são pretas, pardas ou indígenas e que 22% são escolarizadas até a 4ª série. E 82% das brasileiras que já abortaram são católicas ou protestantes, sendo que 67% delas têm filhos. 

"Quem vai procurar talo de mamona, medicamentos falsificados ou outras estratégias perigosas e depois ter medo de ir a um centro de saúde por qualquer consequência, por medo de denúncia, são as mulheres mais pobres e vulneráveis"

Gabriela Rondon, do Instituto Anis Bioética



A pesquisa concluiu que "há tanto aborto no Brasil que é possível dizer que em praticamente todas as famílias do país alguém já fez um aborto - uma avó, tia, prima, mãe, irmã ou filha, ainda que em segredo. Todos conhecemos uma mulher que já fez aborto".

A defesa da legalização, segundo ativistas, é também para proteger mulheres mais vulneráveis.

Legalizar pode reduzir número de abortos

"Tirar o tema do campo da punição e do estigma, tratar como questão de saúde, inclusive para tratar de todas as complexidades relacionadas, poder acolher as mulheres que precisam e entender o que falhou no processo de prevenção, para evitar que ela tenha um segundo aborto e que outras mulheres não necessitem do aborto". É o que defende Gabriela Rondon, advogada e pesquisadora da Anis Instituto de Bioética. 

De acordo com especialistas e com um levantamento realizado pela "Gênero e Número" em 2018, em países que o aborto passa a ser legalizado há um aumento no número de procedimentos legais nos primeiros anos e em seguida a queda nos índices, com estabilização. 

"Sendo criminalizado na maioria das vezes, muitas unidades de saúde acabam não tendo profissionais especializados, além do estigma sobre o tema, que interfere na postura de cada profissional. Temos uma lei que garante o acesso, mas que não dialoga com o sistema de saúde vigente"

Thays Campos, enfermeira obstétrica e doula em São Luís, no Maranhão



O aumento inicial estaria relacionado não ao número de abortos, mas sim de abortos legais, computados pelo sistema de saúde. Quando se fala em procedimentos clandestinos, pouco se sabe oficialmente da quantidade de abortos realizados.

Para Rondon, o amplo acesso aos métodos contraceptivos "só é possível quando o Estado para de ameaçar as mulheres e tratá-las como inimigas da política de saúde sexual e reprodutiva e de fato as acolhe."

Na casa do vizinho… 

Manifestação em Santa Fé, Argentina
Mulheres argentinas ocuparam as praças das cidades com lenços verdes pelo direito ao aborto legal, em 2020 (foto: Lara Va/Divulgação)
Em um intervalo de um ano e meio, mais três países latino-americanos legalizaram ou descriminalizaram o aborto. É o caso da Argentina (2020), do México (2021) e da Colômbia (2022). Com pressão de movimentos populares, especialmente feministas e de mulheres, as aprovações aconteceram por via judicial ou legislativa.

"Na prática, o objetivo é reconhecer que a aplicação da lei penal para o tema do aborto em determinadas circunstâncias não é adequada e viola direitos. As duas vias podem ter resultados muito semelhantes, mesmo por processos distintos", explica a pesquisadora da Anis.

Nos Estados Unidos, recentemente a Suprema Corte reverteu uma decisão histórica, conhecida como Roe vs. Wade, de 1973, que garantia o acesso ao aborto em todo o país. Por seis votos a três, agora não há essa proteção do direito e cada estado tem autonomia para estabelecer as regras e restrições para realizar a interrupção da gravidez.  

Manifestação em Washington DC
Ativistas nos EUA começaram protestos após derrubada do direito ao aborto, em 24 de junho de 2022 (foto: Nicholas Kamm / AFP)


"Isso pode gerar um cenário de bastante desproteção, e também de trânsito entre os estados para que as mulheres consigam acessar o aborto nos estados que ainda permitem", afirma Gabriela Rondon.

No Brasil, uma proposta de descriminalização do aborto até a 12ª semana está sendo analisada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que realizou audiência pública sobre o tema em agosto de 2018. Entretanto, ainda não há previsão para a ADPF 442 ser votada pelos magistrados.
 
Em 2021, 100% dos projetos de lei na Câmara dos Deputados foram contrários à interrupção da gravidez. 
 

Ouça e acompanhe as edições do podcast DiversEM




podcast DiversEM é uma produção quinzenal dedicada ao debate plural, aberto, com diferentes vozes e que convida o ouvinte para pensar além do convencional. Cada episódio é uma oportunidade para conhecer novos temas ou se aprofundar em assuntos relevantes, sempre com o olhar único e apurado de nossos convidados.

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade