UAI
Publicidade

Estado de Minas ENTREVISTA

Maju de Araújo: a modelo com síndrome de Down que está conquistando o mundo

Conversamos com Maju sobre sua trajetória e a importância da representatividade no mundo da moda. Confira a entrevista


07/02/2022 10:15 - atualizado 07/02/2022 13:56

Maju, mulher ruiva usando vestido de lantejoulas douradas, em fundo bege claro
Maju de Araújo é modelo e luta pela inclusão de pessoas com deficiência (foto: Luana Chaves)

O mundo da moda, que sempre foi reconhecido pelo dinheiro, glamour e fama, também pode se tornar um espaço inclusivo de inspiração para milhares de garotas pelo mundo. Foi seguindo seu sonho que Maju de Araújo se tornou a primeira modelo brasileira com síndrome de Down a desfilar na Brasil Fashion Week e na semana de moda de Milão, mostrando que a moda pode, sim, ser para todos.

Enfrentando os padrões de beleza impostos pelo universo das passarelas, Maju com seu 1,49m de altura conquistou visibilidade por seu profissionalismo e paixão pela profissão. Além do sucesso nos desfiles, a modelo de 19 anos também é a primeira mulher com síndrome de Down a ser embaixadora da marca de cosméticos L’Oreal, lançou uma coleção de joias em collab com a marca Ahmi e entrou para a lista da Forbes under 30 ao lado de nomes como Gil do Vigor, Alan Chusid, Rebeca Andrade e Carlinhos Maia.

O sonho da carreira de modelo começou na infância. “Houve uma época em que uma pessoa com deficiência no mundo da moda era um desafio que não acreditávamos ser possível vencer. A primeira vez em que ela me falou diretamente foi em um momento de crise depressiva”, conta Adriana, mãe de Maju.

Mesmo assim, em 2018, Adriana foi atrás da realização da filha e a inscreveu em um processo seletivo, que precisou ser adiado quando Maju entrou em coma causado por meningite. Mostrando estar preparada para as adversidades, a modelo foi ao teste no dia seguinte que recebeu alta e conquistou seu primeiro trabalho.


Adriana aponta que não faz sentido apenas um tipo de corpo ser representado em algo tão importante para a história e para a sociedade como a moda. “A beleza é diversa. Não existe só um tipo de mulher e só um tipo de homem. Todas as cores, formas, tamanhos são lindas e não só merecem como precisam ser representadas”, afirma Adriana, “Nossas marcas, cicatrizes, curvas, cabelos, olhares contam história e essa é a moda real!", completa.

Confira nossa entrevista com Maju:

Como surgiu o sonho de se tornar modelo?

Desde criança me sentia predestinada a viver a carreira que vivo hoje. Não sei dizer exatamente como esse sonho começou porque a sensação que tenho é de que ele nasceu junto comigo. Quando eu ainda era pequena tinha o costume de pegar as roupas das bonecas em tamanho real que minhas irmãs tinham, vestia e pedia para alguém da família me anunciar para eu poder entrar desfilando. Sempre pegava as maquiagens e também montava vários looks com tecidos, acessórios e roupas que encontrava no caminho. No fundo eu me sentia feliz assim, sendo criativa, me aventurando e me divertindo com ou sem as câmeras e o desejo de viver assim só iam crescendo.

Maju posando com roupas claras em Milão, na Itália
Maju diz que se sentiu Davi lutando contra Golias ao desfilar em Milão (foto: Reprodução: Instagram )

Como foi fazer o primeiro trabalho?
Antes mesmo de me formar eu já tinha começado a trabalhar. Como modelo eu já participava de desfiles não profissionais e não remunerados para adquirir experiência. Muitas pessoas acham que já comecei a carreira na Fashion Week mas a verdade é que percorremos um longo caminho até aqui. Cada um desses trabalhos me proporcionou uma emoção diferente assim como uma oportunidade de crescimento! Aprendi tanto! E quando pude desfilar na minha primeira Fashion Week não pude conter a minha felicidade!

Já como influenciadora, quando fiz minha primeira publi, foi emocionante demais. Poder ver anos de trabalho sendo valorizados e descobrir e entender finalmente o valor, em números, do meu trabalho, foi muito gratificante e um passo muito importante para mim.



Quais as dificuldades que enfrentou, ou ainda enfrenta, na carreira de modelo?

Pessoas com deficiência precisam ser extraordinárias para serem valorizadas. Mesmo estudando, me formando e provando meu valor profissional ainda preciso lidar com pessoas desmerecendo minhas conquistas devido a minha deficiência. Parece que para o capacitista é mais fácil acreditar que a sociedade me fez um favor e me cedeu um lugar (o que está muito longe de ser a realidade) do que acreditar que tenho capacidade e potencial para ocupar o lugar que ocupo como profissional.

Você é a primeira modelo brasileira com síndrome de Down a desfilar na Brasil Fashion Week e na semana de moda de Milão, além de ser a primeira mulher com síndrome de Down a ser embaixadora da L’Oreal. Qual a importância de conquistar esses espaços?

Ocupar esses espaços é importante em vários níveis. No pessoal minha vida se transformou. Me sinto realizada profissionalmente e ao mesmo tempo sinto coragem para sonhar cada vez mais: “se cheguei até aqui posso ir ainda mais longe!”. Minha autoconfiança mudou. Profissionalmente tenho crescido muito, venho descobrindo minha capacidade de ultrapassar fronteiras, de me desafiar e desafiar meu corpo.

Me apaixonei pela rotina corrida dos estúdios, sets de gravação e bastidores das semanas de moda. Amo o que faço e me entrego totalmente. E poder, profissionalmente, me entregar sendo exatamente quem sou, com todos os meus potenciais e limitações, é lindo, essa é a inclusão genuína. Abraçar singularidades, cores, diversidade.

Maju deitada em uma cama de flores
Maju lançou sua coleção %u201CAmor em toda forma%u201D, collab com a marca de joias Ahmi (foto: Jack Bones)


No caminho da busca pela inclusão esses foram passos significativos para quem luta tanto na causa. Pudemos abrir caminhos para os sonhos de outras pessoas, não só no mundo da moda. Poder receber mensagens e comentários de mães, pais, jovens, adolescentes, crianças, pessoas com ou sem deficiência, dizendo que se inspiram, que se encorajam. Vemos mães dizendo que veem seus filhos e filhas conquistando os mesmos espaços. É tão gratificante que, sendo a mais improvável em todas as improbabilidades Deus tenha me levado tão longe! Esse sempre foi e sempre será o nosso propósito: inspirar as pessoas.


Como se sente por estar na lista da Forbes under 30?
Essa foi uma surpresa tão grande para fechar 2021 com chave de ouro! Tudo começou com uma matéria sobre minha coleção de joias em collab com a marca Ahmi e quando vimos eu tinha recebido o convite para estar na lista e na capa. Não conseguia conter a alegria que senti vendo a revista e vendo os gigantes com quem compartilhava a lista! Meu coração transborda gratidão e sinto que ao lado do meu nome cabe o nome de muitas outras pessoas que caminharam comigo! Sou muito grata ao Camarotti por ter me selecionado!


O que você ainda quer conquistar como modelo?

Como eu disse antes, a cada conquista me encorajo a sonhar mais. Tenho o sonho de lançar uma marca própria e também de desfilar nas semanas de moda internacionais New York Fashion Week, Paris Fashion Week, London Fashion Week.


Maju, com cabelos presos, segurando flores com a mão esquerda, encara a câmera
Maju luta pela inclusão de pessoas com deficiência através de seu trabalho como modelo e influencer (foto: Jack Bones)


Qual a importância da representatividade para as pessoas com síndrome de Down?
Imagine você criança. cheia de sonhos. Você começa a assistir filmes, comerciais de TV, a ler livros, assistir séries e conhecer pessoas adultas. Você vai crescendo e questionamentos sobre seu futuro começam a surgir. Você começa a desejar ter um parceiro de vida, uma vida mais autônoma, um emprego. E então você começa a reparar que não tem ninguém como você nas revistas, comerciais de TV, revistas, livros, narrativas de filmes, nem adultos como você vivendo até mesmo a vida real. Você aos poucos começa a se perguntar se tem algo de errado com você ou se não existe um lugar para você no mundo.


A falta de representatividade, seja ela qual for, é nociva principalmente na vida das crianças. É algo que começa a te afetar cedo e chega um momento em que você começa a se enxergar errado. Pessoas sem deficiência precisam da representatividade de pessoas com deficiência porque elas também precisam aprender o valor da diversidade.


Inclusão não é um favor, mas uma necessidade urgente. As pessoas precisam estar habituadas a ver pessoas com deficiência em ambientes corporativos, em propagandas publicitárias, em salas de aula, formando famílias. A representatividade é o caminho de naturalizar o que a sociedade não deveria estranhar.

Ouça e acompanhe as edições do podcast DiversEM




* Estagiária sob supervisão do subeditor Rafael Alves


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade