Publicidade

Estado de Minas OPINIÃO SEM MEDO

O eco dos cemitérios: 'E daí? Não sou coveiro. Mimimi. Gripezinha. Maricas'

Conforme previsto e esperado por todos, exceto os negacionistas, passamos de 4 mil mortes diárias por COVID-19


07/04/2021 07:04

Bolsonaro em mais uma das ocasiões em que sugeriu uso de cloroquina como tratamento precoce(foto: Facebook/Reprodução)
Bolsonaro em mais uma das ocasiões em que sugeriu uso de cloroquina como tratamento precoce (foto: Facebook/Reprodução)


Já não adianta mais adjetivar os dias, semanas e meses como os “mais tristes” da história, pois os sucessivos recordes negativos desmentem a superlatividade anterior. 

A barreira de mil mortos por COVID-19, em único dia, foi solenemente ignorada; a de dois mil mortos, relativizada; a de três mil, pouco tempo atrás, aceita como algo inevitável. 


O presidente da negação, da discórdia nacional, dos tratamentos falsos, das aglomerações, da inoperância, das mentiras e das omissões é indiscutivelmente o grande responsável.

Não só ele, é claro. A China, que escondeu a gravidade da doença, e boa parte da população brasileira (irresponsável, ignorante e negligente) são corresponsáveis pelo caos.

Também os demais Poderes constituídos - Judiciário e Legislativo -, igualmente omissos e até mesmo cúmplices em alguns casos, têm de ser responsabilizados e cobrados.

Mas ninguém, absolutamente ninguém, aqui e no mundo, foi tão amigo do coronavírus e tão sócio da pandemia quanto Jair Messias Bolsonaro, o devoto da cloroquina.

Não há viva alma, por mais estúpida e negacionista, por mais cruel e psicopata que seja, capaz de fazer e falar tudo o que já disse e fez o amigão do miliciano Queiroz.

Há alguns poucos dias ouvimos “vão chorar até quando”? E também: "chega de mimimi”. Pois é. Os cemitérios, hoje, estão cheios de “maricas” que enfrentaram o vírus de peito aberto.

O pior é que o “pior” está por vir, pois este mesmo presidente que recusou 130 milhões de doses de vacinas em meados do ano passado, insiste em repetir todos os erros.

Continua enaltecendo o inútil tratamento precoce e a cloroquina que até as emas recusaram. Continua não usando máscara, promovendo aglomerações e maldizendo o distanciamento.

E continua sem comprar vacinas, bem como a jogar o povo contra prefeitos e governadores. Continua mentindo descaradamente. No limite, continua ajudando a matar os brasileiros.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade