Publicidade

Estado de Minas OPINIÃO SEM MEDO

Sob Bolsonaro, Brasil é ameaça mundial

Descontrole da pandemia e surgimento de novas variantes tornam o Brasil um perigo para os demais países


21/03/2021 07:05 - atualizado 21/03/2021 11:23

(foto: AFP / EVARISTO SA)
(foto: AFP / EVARISTO SA)
Se a metade dos brasileiros e os caciques do Congresso Nacional não se importam com o caos sanitário em curso no País, e juntos não se aliam à outra metade da população e aos congressistas dignos do cargo, em busca do impeachment imediato de Jair Bolsonaro, o verdugo do Planalto, boa parte da imprensa mundial e líderes de diversos países começam a subir o tom de alerta e de recriminação contra a política homicida do desgoverno brasileiro no combate - ou melhor, na falta de combate - ao novo coronavírus.

Com 300 mil mortos acumulados, 90 mil novos casos e 3 mil novas vítimas fatais de COVID-19 por dia, o Brasil tornou-se, além do epicentro mundial da doença, uma fábrica de novas cepas ainda mais contagiosas e mortais deste maldito vírus, graças à irresponsabilidade e ao pouco caso da população, alimentados pelo negacionismo e ignorância do presidente da República, e pela completa incompetência do governo federal, que até hoje nem sequer uma campanha nacional de propaganda contra a doença conseguiu produzir e veicular.

Já são 108 os países que não permitem a entrada de brasileiros em seus territórios. As imprensas norte-americana e europeia usam expressões como “cemitério do mundo”, “colônia de leprosos” e “ameaça global” para se referir ao Brasil. Mesmo aqui, na América do Sul, países como o Chile e a Argentina não querem saber de brasucas espalhando novas mutações por suas cidades. A rede CNN, dos Estados Unidos, exibiu neste sábado (20) uma matéria em que o título foi: “Sem vacinas, sem liderança, sem fim à vista”. 

Virologistas pelo mundo alertam para o perigo da combinação de vacinação lenta e liberdade de circulação, mistura que pode fazer surgir diversas variantes imunes às vacinas em uso, o que determinaria o retorno do planeta à janeiro de 2020, já que todos os imunizantes desenvolvidos não produziriam mais efeitos contra as novas cepas tupiniquins. O Brasil de hoje pode vir a se tornar a China de ontem, diante do descaso das autoridades, notadamente do obscurantista Jair Messias Bolsonaro, o devoto da cloroquina, maníaco do tratamento precoce.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade