Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

COVID: como Nova Zelândia foi de exemplo a país com maior índice de mortes

Especialistas temem que país possa estar no começo de segunda onda de ômicron; idosos são principais vítimas


26/07/2022 11:30 - atualizado 27/07/2022 11:32


Jacinda Ardern
Premiê Jacinda Ardern acredita que números de covid podem começar a cair, mas especialistas advertem para possível nova onda de ômicron (foto: Getty Images)

Um país que já teve a política mais agressiva de controle do coronavírus está enfrentando temores de uma nova onda da doença — e atualmente registra o maior número de mortes no mundo pela covid-19.

A Nova Zelândia vem observando um forte aumento no número de casos, mortes e hospitalizações no mês de julho. Especialistas temem que o país pode estar no começo de uma segunda onda da variante ômicron.

Na segunda-feira (25/7), 836 pessoas estavam hospitalizadas por covid no país — um aumento de mais de 50% em relação a junho. Alguns hospitais estão operando com capacidade máxima, por causa da covid.

O país lidera no momento o ranking de mortes por covid no mundo: são 4,37 mortes por milhão de habitantes, na média diária dos últimos sete dias. O número é quatro vezes maior do que o registrado no Brasil e o triplo dos EUA.

O mais recente boletim — divulgado na segunda-feira (25/7) — indicou que 9.256 novos casos foram registrados nas 24 horas anteriores. A Nova Zelândia tem uma população de 5,1 milhões de pessoas (pouco mais que a população da região metropolitana do Distrito Federal).

A covid tem matado sobretudo os mais velhos. A média de idade das pessoas hospitalizadas pela doença é 64 anos, segundo o jornal local New Zealand Herald.

A subvariante ômicron BA.5 está por trás da onda atual na Nova Zelândia, de acordo com as autoridades. Mas o governo afirma que há uma leve queda na média diária de sete dias de caso: de 9.534 na semana passada para 8.335 agora. O próprio governo reconhece que pode estar havendo subnotificações dos casos.

País fechado

A Nova Zelândia foi um dos países que tomou mais medidas restritivas contra a pandemia nos últimos dois anos — com rígido controle de fronteiras para impedir que houvesse disseminação comunitária do vírus, tanto que ficou praticamente fechado para visitantes até fevereiro.

Mas neste ano o governo abandonou sua política de covid zero, após campanhas de vacinação. Desde então, o vírus tem se espalhado com maior facilidade, culminando nos altos números registrados neste mês.


Passageiros na Nova Zelandia
Neste ano, Nova Zelândia relaxou medidas de covid, permitindo ingresso de pessoas (foto: Getty Images)

A imprensa local tem noticiado que hospitais e clínicas estão sob pressão diante da nova onda. Ainda assim, o Ministério da Saúde afirma que os níveis de hospitalização estão abaixo dos observados durante um pico em março.

O Ministério da Educação aconselhou as escolas a adotar o uso de máscaras na volta às aulas nesta semana, segundo a agência de notícias Reuters. A Nova Zelândia está oferecendo máscaras gratuitas e testes rápidos.

O governo atribui o aumento de casos de covid a uma série de fatores.

"Não há dúvida de que a combinação de um aumento nos casos de covid-19 e hospitalizações, a pior temporada de gripe na memória recente e a falta de funcionários [nos hospitais] estão colocando os profissionais de saúde e todo o sistema de saúde sob extrema pressão", disse a ministra de Resposta à Covid da Nova Zelândia, Ayesha Verrall, em comunicado na semana passada.

"Nossa modelagem sugere que estamos no início de uma segunda onda ômicron que pode ser maior que a primeira, com a variante BA.5 mais transmissível se tornando a cepa dominante na comunidade".

A premiê da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, disse na semana passada que os números de casos de covid podem vir a cair no futuro próximo, baseado em análise da presença do vírus no esgoto.

"Mesmo quando o número de casos cai, ainda leva cerca de duas semanas para observarmos isso nas hospitalizações", disse ela, em entrevista coletiva.

No entanto, a ministra de Resposta à Covid disse que o país pode estar no começo de uma segunda onda de ômicron.

- Este texto foi publicado em https://www.bbc.com/portuguese/internacional-62306987

Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!


Leia mais sobre a COVID-19

Confira outras informações relevantes sobre a pandemia provocada pelo vírus Sars-CoV-2 no Brasil e no mundo. Textos, infográficos e vídeos falam sobre sintomasprevençãopesquisa vacinação.
 

Confira respostas a 15 dúvidas mais comuns

Guia rápido explica com o que se sabe até agora sobre temas como risco de infecção após a vacinação, eficácia dos imunizantes, efeitos colaterais e o pós-vacina. Depois de vacinado, preciso continuar a usar máscara? Posso pegar COVID-19 mesmo após receber as duas doses da vacina? Posso beber após vacinar? Confira esta e outras perguntas e respostas sobre a COVID-19.

Acesse nosso canal e veja vídeos explicativos sobre COVID-19


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade