UAI
Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Tratamento com cloroquina não pode ser descartado, diz presidente do CFM

Mauro Luiz de Britto Ribeiro diz que 25 a 30% dos médicos ouvidos pela entidade indicam o chamado 'tratamento precoce', sem eficácia comprovada


08/10/2021 20:42 - atualizado 08/10/2021 21:06

Cloroquina
Presidente do CFM disse que a entidade não apoia uso de cloroquina e hidroxicloroquina, mas que dá autonomia aos médicos na prescrição (foto: Divulgação)
Investigado na CPI da COVID, do Senado Federal, o presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Mauro Luiz de Britto Ribeiro, disse que remédios como a cloroquina e a hidroxicloroquina não podem ser descartados para serem utilizados contra o coronavírus. A Organização Mundial da Saúde (OMS), por exemplo, não recomenda o uso das substâncias para fazer o chamado "tratamento precoce".

Mauro Ribeiro disse que a experiência dos médicos que atuam na linha de frente da COVID-19 deve ser levada em conta na hora de prescrever ou não a cloroquina. Em abril de 2020, o CFM deu autonomia para cada médico prescrever os medicamentos do "tratamento precoce".

"É diferente o médico que fica no ar condicionado lendo estudo e que nunca viu um doente na vida", disse Ribeiro, em entrevista ao jornal "O Estado de S. Paulo". O presidente destacou que um levantamento da CFM indica que 25% a 30% dos médicos ouvidos pela entidade prescrevem os medicamentos.

Mauro Ribeiro também lamentou que a entidade esteja sendo tachada de "negacionista" por dar autonomia aos médicos e que "não podem pegar trabalhos científicos e tomar decisões apenas em cima deles", tendo que levar tudo em consideração.

"É uma doença para a qual não há um tratamento reconhecido. Por isso, é possível usar medicações off label; ou seja, que já têm registro na Anvisa para uso contra outras doenças", concluiu.

Leia mais sobre a COVID-19

Confira outras informações relevantes sobre a pandemia provocada pelo vírus Sars-CoV-2 no Brasil e no mundo. Textos, infográficos e vídeos falam sobre  sintomas prevenção pesquisa  vacinação .
 

Confira respostas a 15 dúvidas mais comuns

Guia rápido explica com o que se sabe até agora sobre temas como risco de infecção após a vacinação, eficácia dos imunizantes, efeitos colaterais e o pós-vacina. Depois de vacinado, preciso continuar a usar máscara?  Posso pegar COVID-19 mesmo após receber as duas doses da vacina?   Posso beber após vacinar?  Confira esta e outras  perguntas e respostas sobre a COVID-19 .

Acesse nosso canal e veja vídeos explicativos sobre COVID-19



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade