Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Vereadores de BH querem debater funcionamento de igrejas durante pandemia de coronavírus

Pedido de reunião foi feito pelo presidente da Frente Parlamentar Cristã, Autair Gomes (PSD)


postado em 22/04/2020 18:49 / atualizado em 22/04/2020 19:19

Na semana passada, Câmara Municipal fez reunião presencial para abordar a situação do comércio em BH.(foto: Paulo Galvão/EM/D.A Press)
Na semana passada, Câmara Municipal fez reunião presencial para abordar a situação do comércio em BH. (foto: Paulo Galvão/EM/D.A Press)
A Câmara Municipal de Belo Horizonte vai debater, em reunião presencial, o impacto, nos templos religiosos, das diversas medidas tomadas pelo Executivo municipal para evitar a proliferação do novo coronavírus. Para o encontro, que irá ocorrer às 10h desta quinta-feira, a Casa convidou a secretária Municipal de Política Urbana, Maria Caldas.

A reunião foi solicitada pelo vereador Autair Gomes (PSD), presidente da Frente Parlamentar Cristã da Câmara. Por conta da pandemia, templos religiosos, embora estejam abertos para orações individuais, suspenderam a realização de cultos e reuniões. Os decretos editados pelo prefeito Alexandre Kalil (PSD) não aboram questões ligadas ao funcionamento das igrejas.

Autair, no entanto, diz que o objetivo da reunião é entender como as as regras de distanciamento social se aplicam aos templos.

“Os líderes religiosos não estão sabendo, com clareza, o que pode ou não ser feito”, pontua o vereador.

Igrejas fechadas em Betim

No último dia 13, a Guarda Municipal de Betim, na Região Metropolitana da capital, fechou dois tempos por conta de cultos que geraram aglomerações de pessoas. Autair compõe o quadro de pastores de uma das instituições, a Igreja do Evangelho Quadrangular.

Segundo ele, a ideia é evitar que situações como a de Betim aconteçam em Belo Horizonte. “Entendemos que o momento não é de grandes reuniões. O que queremos debater é a possibilidade de encontros entre grupos reduzidos de pessoas”, comenta.

Carta ao prefeito

Nessa segunda-feira, Kalil recebeu uma carta que formaliza o apoio da maioria dos vereadores às medidas de restrição social tomadas pelo Executivo municipal. O documento foi assinado por 34 dos 41 parlamentares.

Na semana passada, a Câmara Municipal promoveu a primeira reunião presencial desde a reabertura da Casa, que passou cerca de duas semanas fechadas por conta da COVID-19. A sessão foi convocada com o objetivo de discutir a situação do comércio na cidade.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade