UAI
Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Diagnóstico de COVID-19 entre jovens soa alerta

A constatação pode estar relacionada ao fato de os adolescentes não terem recebido a vacina em larga escala


24/09/2021 06:00 - atualizado 24/09/2021 07:59

Alunos de volta à escola: adolescentes concentram testes positivos
Alunos de volta à escola: adolescentes concentram testes positivos (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press - 23/6/21)

Jovens com idade entre 14 e 17 anos são os que mais testam positivo para a COVID-19 nos laboratórios. Essa proporção vem sendo observada por uma das maiores redes de medicina diagnóstica do país, ainda que as pessoas de 25 a 39 anos seja aquelas que mais buscam o serviço.

A constatação pode estar relacionada ao fato de os adolescentes não terem recebido a vacina em larga escala. “Essa população ainda não está vacinada e, quanto mais velho o adolescente, mais ele se comporta como o público adulto, saindo às ruas”, avalia Melissa Valentini, infectologista do Grupo Hermes Pardini, que registrou esses resultados em suas 148 unidades e mais de 6 mil laboratórios em todo o país.

Embora os adolescentes em geral tenham sintomas clínicos mais brandos quando infectados pelo coronavírus, os dados relativos à concentração de positividade dos teste no grupo de 14 a 17 anos levanta um alerta tendo em vista a possbilidade de contaminação de idosos e familiares de pessoas dessa faixa etária. “O cenário é preocupante, a partir do momento que o jovem volta a trazer o vírus para dentro de casa. Mesmo com os pais e avós vacinados, todos sabem que nenhuma vacina imuniza 100% contra nenhuma doença”, destaca a infectoligista. Segundo Melissa Valentini,  os dados mostram também que a taxa de positividade começa a subir na população acima de 60 anos, mostrando a importância do reforço da vacinação com a terceira dose.

O epidemiologista José Geraldo Leite ressalta que a variante Delta infecta com maior frequência os vacinados do que as variantes com as quais o Brasil lidava anteriormente. “Embora com duas doses da vacina, formas graves e fatais da doença sejam raras, a infecção não é. E temos grande parte da população adulta apenas com uma dose aplicada. A decisão do Ministério da Saúde de retirar a contraindicação da vacinação contra a COVID-19 dos adolescentes foi muito importante e esperamos que esse grupo possa ser rapidamente incluído no calendário da vacina, mesmo aqueles sem comorbidades”, ressaltou.

Tratamento 


O sistema de testagem é de extrema importância, seja para direcionar os esforços da saúde pública, para definir o comportamento social da pessoa infectada ou para alinhar o melhor tratamento para os indivíduos, defende Alessandro Ferreira, vice-presidente da rede Pardini. “A testagem é ainda mais importante agora, nesse momento de retomada do convívio social.”

O Comitê Extraordinário de Monitoramento COVID, da Associação Médica Brasileira – MB (CEM Covid AMB), publicou nota técnica, em 17 de outubro de 2020, reafirmando a eficácia e segurança da vacina da farmacêutica Pfizer em adolescentes. Essa condição já foi anunciada por órgãos regulatórios nacionais e internacionais, inclusive pela Anvisa.

Leia mais sobre a COVID-19

Confira outras informações relevantes sobre a pandemia provocada pelo vírus Sars-CoV-2 no Brasil e no mundo. Textos, infográficos e vídeos falam sobre  sintomas prevenção pesquisa  vacinação .
 

Confira respostas a 15 dúvidas mais comuns

Guia rápido explica com o que se sabe até agora sobre temas como risco de infecção após a vacinação, eficácia dos imunizantes, efeitos colaterais e o pós-vacina. Depois de vacinado, preciso continuar a usar máscara?  Posso pegar COVID-19 mesmo após receber as duas doses da vacina?   Posso beber após vacinar?  Confira esta e outras  perguntas e respostas sobre a COVID-19 .

Acesse nosso canal e veja vídeos explicativos sobre COVID-19



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade