Publicidade

Estado de Minas COVID-19

COVID: após 60 dias na UTI, mulher conhece filha dois meses depois do parto

Mãe foi contaminada pela COVID-19 aos oito meses de gestação e teve que antecipar parto para não prejudicar filha. Ela sobreviveu após terapia com ECMO


09/07/2021 07:52 - atualizado 09/07/2021 08:01

(foto: Divulgação)
(foto: Divulgação)
O primeiro abraço entre mãe e filho, logo após o parto, é um momento considerado inesquecível na maternidade. É o encontro tão esperado após nove meses de espera. No caso de Maria do Céu, 36 anos, e da filha, Maria Ana, o momento teve que ser adiado. Diagnosticada com COVID-19 aos oito meses de gestação, em maio deste ano, Maria teve que passar por uma cesárea para não contaminar o bebê e foi internada para utilizar um pulmão artificial, o que a separou da filha por 60 dias.

Na última sexta-feira (2/7), as duas finalmente se conheceram. O marido de Maria e os familiares aproveitaram a ocasião para celebrar a alta da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da mulher e o ‘mesversário’ de Maria Ana — ela completou dois meses de vida.

Dois meses após o parto, Maria pode, finalmente, tocar, abraçar e amamentar a filha(foto: Divulgação)
Dois meses após o parto, Maria pode, finalmente, tocar, abraçar e amamentar a filha (foto: Divulgação)

A recuperação de Maria do Céu é classificada como um milagre pelos médicos. Ela foi a primeira paciente no Rio Grande do Norte a sobreviver à COVID-19 com o auxílio do tratamento com ECMO (Oxigenação por Membrana Extracorpórea).

Para fazer o tratamento, a família teve que se mobilizar para reunir recursos que cobrissem os custos. De acordo com os familiares, a terapia custou mais de R$ 100 mil, mas foi escolhida porque era a única forma de salvar a vida de Maria.

Os profissionais da unidade comemoraram o avanço no quadro e recepcionou as duas com balões de festa no leito clínico em que a mulher vai continuar a se recuperar do lado da filha, aproveitando cada minuto.

Balões e bolo de festa foram escolhidos para comemorar a alta de Maria e o mesversário do bebê(foto: Divulgação)
Balões e bolo de festa foram escolhidos para comemorar a alta de Maria e o mesversário do bebê (foto: Divulgação)

Ajude outra mãe na mesma situação

Uma campanha de arrecadação busca fazer outra mãe e filha se conhecerem. Lígia Teixeira Pinheiro, de 31 anos, foi internada com COVID-19 e teve que passar por um parto prematuro, no Rio de Janeiro. Quando estava se recuperando, Lígia sofreu uma parada cardíaca e entrou em coma. O plano de saúde dela não cobre os elevados custos da internação e do tratamento. 

A família explica que Lígia é professora de matemática e sonhava em ser mãe. No parto prematuro, Clara nasceu com 8 meses e sofreu parada cardíaca, mas foi reanimada e se recupera, enquanto a mãe segue em Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Saiba mais e como ajudar aqui.

Leia mais sobre a COVID-19

Confira outras informações relevantes sobre a pandemia provocada pelo vírus Sars-CoV-2 no Brasil e no mundo. Textos, infográficos e vídeos falam sobre sintomasprevençãopesquisa vacinação.
 

Confira respostas a 15 dúvidas mais comuns

Guia rápido explica com o que se sabe até agora sobre temas como risco de infecção após a vacinação, eficácia dos imunizantes, efeitos colaterais e o pós-vacina. Depois de vacinado, preciso continuar a usar máscara? Posso pegar COVID-19 mesmo após receber as duas doses da vacina? Posso beber após vacinar? Confira esta e outras perguntas e respostas sobre a COVID-19.

Veja vídeos explicativos sobre este e outros tema em nosso canal



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade