UAI
Publicidade

Estado de Minas CHECAMOS

O CEO da Pfizer não disse em Davos que a empresa planeja 'reduzir a população mundial em 50%'

Vídeo, reproduzido mais de 10 mil vezes desde 31 de maio de 2022, foi editado para dar sentido falso à afirmação


06/06/2022 21:07 - atualizado 08/06/2022 13:58

Circula nas redes sociais um vídeo junto à afirmação de que o diretor-executivo da Pfizer, Albert Bourla, disse a Klaus Schwab, fundador e presidente do Fórum Econômico Mundial (WEF, na sigla em inglês), que a farmacêutica planeja reduzir a população mundial em 50% em 2023.

A sequência foi reproduzida mais de 10 mil vezes desde 31 de maio de 2022. No entanto, o vídeo, que foi gravado durante um evento na cidade suíça de Davos, foi editado.

No clipe original, o CEO disse a Schwab que a Pfizer busca reduzir à metade o número de pessoas no mundo que não podem pagar pelos medicamentos da empresa.

Na gravação, Bourla parece dizer em inglês: 'Na primeira semana em que nos reunimos, em janeiro de 2019 na Califórnia, estabelecemos as metas para os próximos cinco anos. Uma delas era que, para 2023, reduziremos em 50% o número de pessoas no mundo. Creio que hoje esse sonho está se tornando realidade'.

Uma das publicações no Twitter (1, 2) indica: '"Eu não estou acreditando nisso!! Albert Bourla (CEO da Pfizer) foi aplaudido, após admitir que o plano das vacinas é para reduzir a população em 50%." ISSO É CRIME CONTRA A HUMANIDADE!!'. A gravação também foi enviada ao WhatsApp do AFP Checamos para verificação.
Captura de tela feita em 6 de junho de 2022 de uma publicação no Twitter
Captura de tela feita em 6 de junho de 2022 de uma publicação no Twitter ( . / )

Conteúdo similar circula no Facebook (1, 2) e em publicações em espanhol e inglês.

Vídeo manipulado

Uma busca reversa por fragmentos da sequência no Google levou ao vídeo original da conversa entre Bourla e Schwab, publicado em 25 de maio de 2022 no canal oficial do WEF no YouTube.

Aos dois minutos e 51 segundos do vídeo, Bourla diz em inglês: 'Até 2023, reduziremos em 50% a quantidade de pessoas no mundo que não podem pagar pelos nossos medicamentos'.

A gravação da conversa entre Bourla e Schwab em Davos também foi publicada no site do Fórum Econômico Mundial.

Um projeto da Pfizer

No vídeo original, Bourla fala sobre os planos da Pfizer para oferecer, sem fins lucrativos, os medicamentos patenteados pela empresa aos países mais pobres do mundo.

Ruanda, Gana, Malawi, Senegal e Uganda são os primeiros países a se beneficiarem dessa iniciativa.

Na sequência publicada no YouTube, o diretor da Pfizer explica: 'Excluímos todo o dinheiro de pesquisa que foi necessário para criar os medicamentos, todos os [custos] legais que foram necessários para os contratos, ou todos os custos administrativos, tudo o que, às vezes, é acrescentado... não será acrescentado nesse caso. Será estritamente o custo de fabricação [dos medicamentos] e de envio'.

A Pfizer e o seu CEO têm sido alvos frequentes de desinformação desde o começo da pandemia. A AFP já verificou outras afirmações sobre Bourla e sobre a farmacêutica (1, 2, 3).

Leia mais sobre a COVID-19

Confira outras informações relevantes sobre a pandemia provocada pelo vírus Sars-CoV-2 no Brasil e no mundo. Textos, infográficos e vídeos falam sobre sintomasprevençãopesquisa vacinação.
 

Confira respostas a 15 dúvidas mais comuns

Guia rápido explica com o que se sabe até agora sobre temas como risco de infecção após a vacinação, eficácia dos imunizantes, efeitos colaterais e o pós-vacina. Depois de vacinado, preciso continuar a usar máscara? Posso pegar COVID-19 mesmo após receber as duas doses da vacina? Posso beber após vacinar? Confira esta e outras perguntas e respostas sobre a COVID-19.

Acesse nosso canal e veja vídeos explicativos sobre COVID-19


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade