Publicidade

Estado de Minas VACINAÇÃO

COVID-19: certificados falsos de vacinação inundam a Rússia

Pessoas vendem certificados falsificados em sites na internet


24/06/2021 10:05 - atualizado 24/06/2021 11:47

(foto: AFP / NATALIA KOLESNIKOVA )
(foto: AFP / NATALIA KOLESNIKOVA )
Ao observar os esforços das autoridades russas para convencer a população a tomar a vacina contra o coronavírus, Serguei suspeitou que a pressão aumentaria sobre aqueles que, como ele, desconfiados, rejeitam o fármaco.

Sem a intenção de ceder, mesmo em caso de vacinação obrigatória, o jovem de 30 anos, morador da região de Krasnodar, encontrou na Internet um vendedor de certificados falsos de vacinação, enviou suas informações pessoais pelo aplicativo de mensagens Telegram e transferiu 15.000 rublos (quase US$ 200).

Três semanas depois, Serguei, que prefere não revelar sua identidade real, conseguiu obter no site do governo russo o certificado de duas doses aplicadas da vacina Sputnik V.

Apesar de a eficácia da vacina emblemática para o Kremlin ter sido confirmada desde sua rápida aprovação pelas autoridades de Moscou, em agosto do ano passado, muitos russos rejeitam o fármaco.

Seis meses depois do início da campanha de imunização, apenas 14% da população está vacinada.

"Nesta etapa, a vacina é experimental, e há muitos efeitos colaterais", acredita Serguei, que exibiu à AFP uma captura de tela de seu certificado. "Não vou morrer porque o governo quer que eu tome a vacina", alega.

A postura, compartilhada por muitos, e a notória corrupção na administração pública resultaram em um mercado clandestino on-line, no qual dezenas de vendedores oferecem comprovante falsos de vacinação. Alguns clientes reclamaram que foram enganados, mas outros confirmaram que tudo funcionou como desejavam.

E a demanda é cada vez maior desde que a capital russa decretou em 16 de junho a obrigatoriedade da vacinação para todos os trabalhadores do setor de serviços.

Moscou sofre um grande foco epidêmico, devido à variante Delta, mais contagiosa. Apenas 1,5 milhão dos quase 12 milhões de habitantes da cidade receberam as duas doses da vacina.

Rapidamente, outras regiões russas anunciaram a obrigatoriedade da vacinação para diversas categorias profissionais. A partir de 28 de junho, os moscovitas terão de apresentar um certificado de saúde para entrar em um restaurante.

Vacinar a pia

As medidas provocaram um impacto, segundo as autoridades municipais, que afirmam que 60.000 pessoas se registram a cada dia para a vacinação.

Um vendedor de certificados falsos, contactado virtualmente, declarou à AFP que recebe entre 20 e 30 pedidos diários. "Pedem inclusive para 'vacinar' empresas inteiras", afirma, ressaltando que consegue entregar apenas cinco certificados falsos por dia.

A partir de 2.000 rublos (US$ 27,5), é possível obter um documento falso em papel. Mas, para conseguir o mais importante, o documento digital introduzido nas bases de dados do governo, o preço é até 15 vezes superior.

As práticas não surpreendem Pavel Brand, diretor de uma rede de clínicas em Moscou, que considera ainda mais fácil obter certificados de uma vacina sem receber a injeção. "As pessoas simplesmente vão à clínica e pagam a enfermeira para que esvazie o frasco em vez de injetar o fármaco", relata.

O método é conhecido como "vacinar a pia", acrescenta.

Segundo ele, há muito tempo, no contexto do avanço do movimento antivacinas em geral, muitos russos evitam desta maneira o calendário de vacinação de seus filhos.

O fenômeno está aumentando com a desconfiança dos profissionais da saúde. De acordo com uma pesquisa do centro Levada, 31% dos médicos não confiam na Sputnik V.

A polícia moscovita já iniciou investigações penais sobre a venda de certificados falsos e anunciou três detenções na terça-feira (22).

O Departamento de Saúde da capital prometeu demitir os funcionários envolvidos.

Leia mais sobre a COVID-19

Confira outras informações relevantes sobre a pandemia provocada pelo vírus Sars-CoV-2 no Brasil e no mundo. Textos, infográficos e vídeos falam sobre sintomasprevençãopesquisa vacinação.
 

Confira respostas a 15 dúvidas mais comuns

Guia rápido explica com o que se sabe até agora sobre temas como risco de infecção após a vacinação, eficácia dos imunizantes, efeitos colaterais e o pós-vacina. Depois de vacinado, preciso continuar a usar máscara? Posso pegar COVID-19 mesmo após receber as duas doses da vacina? Confira esta e outras perguntas e respostas sobre a COVID-19.


Quais os sintomas do coronavírus?

Desde a identificação do vírus Sars-CoV2, no começo de 2020, a lista de sintomas da COVID-19 sofreu várias alterações. Como o vírus se comporta de forma diferente de outros tipos de coronavírus, pessoas infectadas apresentam sintomas diferentes. E, durante o avanço da pesquisa da doença, muitas manifestações foram identificadas pelos cientistas. Confira a relação de sintomas de COVID-19 atualizada.

O que é a COVID-19?

A COVID-19 é uma doença provocada pelo vírus Sars-CoV2, com os primeiros casos registrados na China no fim de 2019, mas identificada como um novo tipo de coronavírus pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em janeiro de 2020. Em 11 de março de 2020, a OMS declarou a COVID-19 como pandemia.


Veja vídeos explicativos sobre este e outros tema em nosso canal


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade