UAI
Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Situação da pandemia será decisiva para carnaval no interior de Minas

Ouro Preto e Mariana condicionam a folia ao controle da COVID-19. Triângulo do Sul bate o martelo em dezembro. No Sul, já há cancelamentos


25/11/2021 06:00 - atualizado 25/11/2021 07:25

Foliões na Praça Tiradentes, em Ouro Preto, no carnaval de 2015
Foliões na Praça Tiradentes, em Ouro Preto, em carnaval pré-pandêmico: em 2022, projeto é de festa simplificada, com exigência de cartão de vacina descrição para a internet (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press - 15/2/15)

Com tradição na folia de rua, Ouro Preto, Mariana, na Região Central do estado, e Itabirito, Região Metropolitana de BH, ainda não têm definição clara sobre a realização do carnaval 2022. A primeira faz arranjos para uma folia mais simplificada, com exigência de certificado de vacinação, mas que podem ser suspensos, Mariana aguarda os sinais do programa Minas Consciente, enquanto Itabirito opta por uma consulta à população. No Triângulo Sul, por sua vez, os prefeitos fizeram reunião na terça-feira e sinalizam a suspensão, ainda não definitiva, da festa. No Sul de Minas, oito cidades já cancelaram a folia.

Na terça-feira, o governador de Minas, Romeu Zema (Novo), disse que cabe às prefeituras estruturar e executar o carnaval. “Quando nós temos qualquer evento maior, é necessário que cada prefeitura, pelo menos, oriente, organize, apoie... Não precisa patrocinar, mas se omitir nesse momento seria o menos adequado a se fazer".

Com 82,75% da população completamente imunizada e 8% com a dose de reforço, a Prefeitura de Ouro Preto estuda a realização da festa na cidade. Enquanto isso, os blocos universitários seguem a todo vapor com a venda dos lotes, mas o local para a realização do evento ainda é incerto. O carnaval da Liga dos Blocos acontece anualmente no estacionamento do Centro de Convenções da Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop). Em reunião do Conselho Universitário da instituição, em 29 de julho, a direção decidiu que se ainda perdurar o cenário da pandemia da COVID-19, a festa está desautorizada em qualquer espaço que pertença à universidade.

De acordo com o prefeito Angelo Oswaldo (PV), não é uma tarefa fácil levar o carnaval adiante depois de uma pandemia. “Ainda existem recomendações sanitárias e espero que até fevereiro já tenhamos uma situação da saúde muito melhor, mais segura e confortável”. Apesar das dúvidas, de acordo com a secretária de Turismo, Comércio e Indústria de Ouro Preto, Margareth Monteiro, a prefeitura está se preparando para que o carnaval aconteça de um jeito mais simplificado sem abrir mão dos protocolos. Para participar de todas as atividades, os foliões deverão apresentar o cartão de vacina.

Mariana


A cidade primaz de Minas Gerais, Mariana, está cautelosa na realização do evento, que recebe cerca de 35 mil foliões. A secretária de Cultura, Patrimônio Histórico, Turismo e Lazer, Andrea Umbelino, afirma que vai seguir o programa Minas Consciente e continuar acompanhando a situação epidemiológica na cidade. A secretária afirma que, se for permitida a realização da popular festa, a prefeitura dará todo o apoio necessário para a realização do evento, como montagens das estruturas, apoio aos blocos carnavalescos e repasse financeiro às cinco escolas de samba da cidade. “Mas se houver aumento de casos, a tendência é recuarmos. É necessário ressaltar que a prioridade é a saúde de nossa comunidade bem como dos nossos turistas e visitantes”.

A secretária de Patrimônio Cultural e Turismo de Itabirito, Junia Melillo, informa que prefeito Orlando Caldeira (Cidadania) determinou que a população seja consultada se deve ou não ter carnaval na cidade. Foi aberta no site da prefeitura uma consulta pública (acesse aqui) em que a população poderá opinar. De acordo com a secretária, a iniciativa tem caráter consultivo e o resultado será levado em conta na tomada de decisões da prefeitura sobre a realização da festa. A votação estará aberta no site da prefeitura até 9 de dezembro.

Triângulo Sul

Prefeitos do Triângulo Sul sinalizam pela não realização do carnaval em 2022. A decisão, ainda não definitiva, foi tomada por grande parte dos gestores durante reunião on-line, na terça-feira, da Associação dos Municípios da Microrregião do Vale do Rio Grande (Amvale). Apenas a prefeita de Uberaba, Elisa Araújo (Solidariedade), não havia informado o seu posicionamento durante a reunião, mas na manhã de ontem, em entrevista à Rádio JM, afirmou que o município, considerado a cidade polo da região, tende a acompanhar a decisão coletiva. O assunto voltará a ser avaliado na Amvale no começo do próximo mês, quando haverá uma deliberação final. Segundo a assessoria de imprensa da Amvale, participaram da reunião on-line os prefeitos de Uberaba, Conceição das Alagoas, Sacramento, Campo Florido, Pirajuba, Delta, Planura, Conquista, Itapagipe e Água Comprida.

Cancelamentos no Sul de Minas


O carnaval de 2022 foi cancelado em ao menos oito municípios sul-mineiros que são rota de turistas de diversos estados. A lista, que cresce a cada dia, tem Borda da Mata, Brazópolis, Cambuí, Córrego do Bom Jesus, Gonçalves, Paraisópolis, Poços de Caldas e Sapucaí Mirim. As prefeituras informaram que o intuito é preservar a saúde da população, devido à COVID-19, evitando aglomerações. Alguns municípios cancelaram ainda festas públicas de réveillon e do aniversário da cidade,  caso de Paraisópolis.
 
O Sul de Minas é roteiro para quem busca festas no interior do estado, o que atrai turistas de Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e outros estados no carnaval. Os destinos mais famosos nessa data incluem Cambuí, Gonçalves, Paraisópolis, Santa Rita do Sapucaí e outras. Festas gratuitas em praças e avenidas são tradição em cidades pequenas e movimentam a economia por meio do turismo. Já em Santa Rita do Sapucaí a atração principal é o Bloco do Urso, festa particular confirmada para 2022. *Nayara Andery, especial para o EM

Leia mais sobre a COVID-19

Confira outras informações relevantes sobre a pandemia provocada pelo vírus Sars-CoV-2 no Brasil e no mundo. Textos, infográficos e vídeos falam sobre sintomasprevençãopesquisa vacinação.
 

Confira respostas a 15 dúvidas mais comuns

Guia rápido explica com o que se sabe até agora sobre temas como risco de infecção após a vacinação, eficácia dos imunizantes, efeitos colaterais e o pós-vacina. Depois de vacinado, preciso continuar a usar máscara? Posso pegar COVID-19 mesmo após receber as duas doses da vacina? Posso beber após vacinar? Confira esta e outras perguntas e respostas sobre a COVID-19.

Acesse nosso canal e veja vídeos explicativos sobre COVID-19



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade