Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Fiocruz: vacinação com a 1ª dose pode atrasar um mês em Minas

Ritmo de vacinação mostra que 1ª dose em todos os adultos mineiros só em novembro; para fundação, nenhum estado consegue fechar todas as duas aplicações em 2021


01/07/2021 14:19 - atualizado 01/07/2021 15:35

Primeiras doses só seriam aplicadas nos adultos mineiros até novembro(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press )
Primeiras doses só seriam aplicadas nos adultos mineiros até novembro (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press )

A primeira dose das vacinas contra o novo coronavírus (Sars-CoV-2) programada para ser aplicada em todos os mineiros com mais de 18 anos até outubro, deve atrasar ainda mais um mês. 

De acordo com acompanhamento feito pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e projeção levando-se em conta o ritmo da aplicação dos últimos 30 dias, as primeiras doses em Minas Gerais só deverão ser aplicadas nos braços dos maiores de idade em novembro. Com isso o estado será o 11º a imunizar sua população das 26 unidades federativas e o DF (veja abaixo quadro com os estados que aplicarão antes as doses).

No Sudeste, segundo a projeção, São Paulo será o estado a concluir antes a vacinação de primeira dose, em outubro, seguido por Minas gerais e Espírito Santo, em novembro, enquanto o Rio de janeiro pode só concluir esse processo inicial em fevereiro do ano que vem. O Distrito Federal também não tem situação tão boa. No ritmo atual de aplicações em Brasília e cidades satélites, as primeiras doses só terão sido aplicadas nos adultos em abril de 2022.

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) chegou a divulgar, no último dia 15 de junho, que a previsão seria em outubro. A conta é feita tendo como base o volume de imunizantes que o Ministério da Saúde (MS) recebe das fabricantes e o percentual que distribui aos estados.

“A expectativa do MS é de enviar 38 milhões de doses para todo o país em junho, 35 milhões para julho, 68 milhões para agosto, 62,5 milhões para setembro e 65 milhões para outubro. Como cerca de 10% das doses vêm para a Minas, temos essa expectativa por faixa etária da vacinação com a primeira dose em todo o estado”, afirmou naquele dia o secretário de Estado de Saúde, o médico Fábio Baccheretti.

O vacinômetro da SES-MG mostra que o MS enviou 13.441.624 doses a Minas, das quais 12.459.590 chegaram aos municípios. Foram 7.172.044 primeiras doses aplicadas, 2.699.659 segundas doses e 13.865 doses únicas aplicadas.

Pelas projeções da fundação, 20 unidades deverão conluir a primeira aplicação até dezembro de 2021. O ritmo lento da segunda dose, por outro lado, indica que se está investindo muito na primeira dosagem com a aposta de que a segunda poderá ser acelerada.

No início de junho governo de Minas Gerais declarou que adultos teriam primeira dose até outubro(foto: Edésio Ferreira/EM/DA Press)
No início de junho governo de Minas Gerais declarou que adultos teriam primeira dose até outubro (foto: Edésio Ferreira/EM/DA Press)
Caso contrário, no compasso atual, todos os estados perderiam a validade do ciclo compelto de imunização, com as duas doses, sendo que há estados com essa complementação se dando somente de 2022 a 2027, tamanha a lentidão dessa aplicação final nos últimos 30 dias (confira a tabela).

Em Minas Gerais, o fechamento desse ciclo se daria apenas em dezembro de 2023, caso se mantenha a velocidade de distribuição e aplicação da 2ª dose no estado.

"Na maior parte dos estados mais de 80% das doses da vacina Fiocruz/Aztrazeneca foram destinadas somente para a primeira dose, as vacinas Coronavac/Butantan apresentam distribuição percentual aproximada entre primeiras e segundas doses aplicadas, mais de 95% das doses Pfizer/BioNTech são de primeira dose", informa a Fiocruz.

A fundação também fez uma projeção ideal para um ritmo ideal de imunização para ter efeitos impactantes nas vítimas da doença. "Seria necessário 1.324.633 primeiras doses e 1.741.916 segundas doses (3.066.549) diárias, em dias úteis, para que se imunize o restante da população acima de 18 anos até o fim de setembro", calculam os cientistas da fundação.

Para se obter um cenário favorável, com a aplicação de todas as doses até o fim deste ano, apenas em dias úteis, seriam necessárias 732.776 primeiras doses e 963.613 segundas doses, totalizando 1.696.389 doses diárias de média. No cenário de vacinação em todos os dias são necessárias 1.190.005, sendo 514.037 primeiras doses e 675.968 segundas doses, segundo cálculos da Fiocruz.

"Este último cenário (2021) é extremamente factível com o fornecimento de vacinas inalterado e com a distribuição e aplicação em velocidade, pois entre os dias 08 e 11 de junho de 2021 a aplicação total de doses orbitou entre o esperado para conclusão da vacinação nesse prazo.

Para a vacinação de toda a população adulta até o final do mês de setembro o desafio é maior, pois até o momento o dia com maior volume de doses aplicadas foi o dia 23/04/2021 com cerca de 1.8 milhões de doses aplicadas, sendo necessária expansão de doses diárias em cerca de 20% em relação ao dia com maior volume de doses aplicadas até agora", informa a Fiocruz.

"O cenário de imunização da população adulta do país é factível, mas depende da disponibilização de imunizantes, organização dos serviços de saúde, para aplicação de vacinas e principalmente de uma coordenação estadual e federal que seja capaz de auxiliar locais onde existam dificuldades para que o calendário vacinal avance de forma sincronizada e igualitária", finaliza a fundação.

Expectativa mantida


 

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) confirmou, em nota, que, se for cumprido o cronograma do Ministério da Saúde de entrega de vacinas, a expectativa é de que todo mineiro receba a primeira dose contra a  COVID-19 até o final de outubro de 2021. O cumprimento do calendário está condicionado aos envios de doses feitos pelo Ministério da Saúde. 


Segundo a SES, somente em junho, Minas  recebeu do ministério o quantitativo de 4.023.760 doses de vacina, que representa a cobertura de cerca de 28% da população apta para imunização, que é de 14 milhões de pessoas maiores de 18 anos.


Leia mais sobre a COVID-19

Confira outras informações relevantes sobre a pandemia provocada pelo vírus Sars-CoV-2 no Brasil e no mundo. Textos, infográficos e vídeos falam sobre sintomasprevençãopesquisa vacinação.
 

Confira respostas a 15 dúvidas mais comuns

Guia rápido explica com o que se sabe até agora sobre temas como risco de infecção após a vacinação, eficácia dos imunizantes, efeitos colaterais e o pós-vacina. Depois de vacinado, preciso continuar a usar máscara? Posso pegar COVID-19 mesmo após receber as duas doses da vacina? Confira esta e outras perguntas e respostas sobre a COVID-19.


Quais os sintomas do coronavírus?

Desde a identificação do vírus Sars-CoV2, no começo de 2020, a lista de sintomas da COVID-19 sofreu várias alterações. Como o vírus se comporta de forma diferente de outros tipos de coronavírus, pessoas infectadas apresentam sintomas diferentes. E, durante o avanço da pesquisa da doença, muitas manifestações foram identificadas pelos cientistas. Confira a relação de sintomas de COVID-19 atualizada.

O que é a COVID-19?

A COVID-19 é uma doença provocada pelo vírus Sars-CoV2, com os primeiros casos registrados na China no fim de 2019, mas identificada como um novo tipo de coronavírus pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em janeiro de 2020. Em 11 de março de 2020, a OMS declarou a COVID-19 como pandemia.


Veja vídeos explicativos sobre este e outros tema em nosso canal


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade