Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Vacinação em BH é a segunda mais atrasada entre as capitais brasileiras

Levantamento considera a faixa etária atualmente imunizada em cada capital; briga política entre estado e PBH compromete campanha, segundo especialista


19/06/2021 10:40 - atualizado 19/06/2021 10:59

Na comparação com as capitais do Sudeste, BH ocupa a lanterna em termos de faixa etária de imunização (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A press)
Na comparação com as capitais do Sudeste, BH ocupa a lanterna em termos de faixa etária de imunização (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A press)
Se a vacinação contra a COVID-19 vai em marcha lenta no Brasil, Belo Horizonte pisa menos no acelerador que 25 das 26 capitais brasileiras. Levantamento feito pelo Estado de Minas mostra que a capital mineira, que atualmente imuniza pessoas a partir dos 56 anos, só está à frente, em termos de faixa etária, de Palmas na imunização de sua população. Em Fortaleza, a prefeitura local imuniza sua população abaixo dos 60 por meio de listas, portanto não é possível comparar.

E os números desta semana ilustram bem a dificuldade. A prefeitura aplicou apenas 46.198 injeções nos cinco dias úteis. Para efeito de comparação, na semana passada foram 104.231 doses.

Nessa sexta (18/6), o secretário municipal de Saúde, Jackson Machado Pinto, classificou o problema com as vacinas como “absurdo”. 

“Das capitais brasileiras, BH é a com menos quantitativo de vacina. Isso é um absurdo! O que o governo fez para proteger o povo de Minas Gerais? BH não está se queixando de ter vacinado de outras cidades, mas o belo-horizontino não pode ser prejudicado”, disse.

O secretário teme que a incidência de COVID-19 aumente com a falta de proteção. “Caso o governo não traga vacinas e as taxas venham a subir, vai ser porque não vacinamos”, alertou.

Na comparação com as capitais do Sudeste, BH, evidentemente, ocupa a lanterna em termos de faixa etária de imunização. 

Em Vitória, pessoas a partir de 50 anos já podem se vacinar. No Rio, a partir de 47. Já em São Paulo, aqueles com 51 podem procurar os centros de saúde para se proteger contra a COVID-19. 

A liderança no Brasil é de São Luís, onde os jovens de 22 já podem receber a injeção.

Para o infectologista Geraldo Cunha Cury, da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), o problema é explicado pela disputa política entre o prefeito Alexandre Kalil (PSD) e o governador Romeu Zema (Novo).

Vale lembrar que o primeiro anunciou, nesta semana, em entrevista ao UOL, que é pré-candidato ao Governo de Minas no ano que vem.

“É uma coisa complicadíssima. É uma briga política entre o governador e o prefeito. As capitais em geral são beneficiadas (na distribuição de vacinas) porque é onde tem mais pessoas. Mas, em Minas Gerais, é muito estranho. BH não está recebendo o percentual de vacinas que estava anteriormente acordado”, explica Geraldo.

Na manhã deste sábado (19/6), o Governo de Minas distribui mais 508.170 doses (235.170 da Pfizer e 273 mil da AstraZeneca) para as prefeituras. Esse é o 25º lote de imunizantes. Ele saíra da Central Estadual de Rede de Frio, no Bairro Gameleira, Oeste de BH.
 
O infectologista Geraldo Cury lembra também os casos de atraso na aplicação da segunda dose. 

“Fora a questão da CoronaVac. Milhares de pessoas estão aguardando a segunda dose. Tem gente com atraso de até um mês”, afirma o especialista da UFMG. Ele reforça a recomendação para que a população não escolha qual imunizante tomar por receio dos efeitos colaterais, já que a COVID-19 é um problema muito maior que qualquer reação.

VACINÔMETRO


Belo Horizonte registrou 1.010.695 pessoas vacinadas contra a COVID-19 com a primeira dose até ontem. Outras 413.953 receberam a segunda. 

Portanto, a capital mineira vacinou 49,6% do seu público-alvo com a primeira injeção. Por outro lado, 20,3% desse mesmo contingente completou o esquema vacinal.

Segundo números da prefeitura, 61.576 profissionais da educação tomaram a primeira dose do imunizante. 

Além deles, 186.197 trabalhadores da saúde, 18.084 servidores da segurança pública, 464.047 idosos acima de 60 anos e 191.381 pessoas do grupo de risco, gestantes e puérperas receberam a injeção. 

A população entre 55 e 59 representa 58.789 vacinados. Outros grupos, como os garis e os motoristas de ônibus, receberam 30.621 injeções de primeira dose.

A cidade recebeu 1.691.345 imunizantes para se proteger da COVID-19 até este boletim: 808.565 da CoronaVac (Sinovac/Butantan), 710.676 da AstraZeneca (Oxford/Fiocruz) e 172.104 da Comirnaty (Pfizer). Esse total não é atualizado desde quarta. (Com informações de Guilherme Peixoto, Larissa Ricci e Déborah Lima)

Vacinação por faixa etária nas capitais brasileiras


Capital                Idade

Palmas                 58

Belo Horizonte       56

Teresina                55

Boa Vista               53

Cuiabá                   53

Curitiba                  52

Florianópolis            51

Maceió                    51

Porto Alegre            51

São Paulo                51

Goiânia                   50

Porto Velho             50

Vitória                    50

Brasília                   49

Campo Grande        49

João Pessoa            48

Macapá                  48

Natal                      48

Salvador                 48

Rio de Janeiro         47

Belém                    46

Recife                    43
 
Rio Branco              40

Aracaju                  39

Manaus                  37

São Luís                 22

Fortaleza*                -

*A capital do Ceará adota um sistema de chamamento dos cidadãos por lista divulgada em seus canais oficiais

Leia mais sobre a COVID-19

Confira outras informações relevantes sobre a pandemia provocada pelo vírus Sars-CoV-2 no Brasil e no mundo. Textos, infográficos e vídeos falam sobre sintomasprevençãopesquisa vacinação

Quais os sintomas do coronavírus?

Desde a identificação do vírus Sars-CoV2, no começo de 2020, a lista de sintomas da COVID-19 sofreu várias alterações. Como o vírus se comporta de forma diferente de outros tipos de coronavírus, pessoas infectadas apresentam sintomas diferentes. E, durante o avanço da pesquisa da doença, muitas manifestações foram identificadas pelos cientistas. Confira a relação de sintomas de COVID-19 atualizada.

O que é a COVID-19?

A COVID-19 é uma doença provocada pelo vírus Sars-CoV2, com os primeiros casos registrados na China no fim de 2019, mas identificada como um novo tipo de coronavírus pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em janeiro de 2020. Em 11 de março de 2020, a OMS declarou a COVID-19 como pandemia.

(foto: Hudson Franco/EM/D.A Press)
(foto: Hudson Franco/EM/D.A Press)

Veja vídeos explicativos sobre este e outros tema em nosso canal




receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade