Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Estudo da UFU e UFMG aponta anticorpos de COVID em 20 bebês de Uberlândia

Foram identificados 68 casos de anticorpos nas cinco cidades onde a pesquisa é realizada; 506 mães e bebês participaram do estudo até agora


29/05/2021 20:30 - atualizado 30/05/2021 00:29

Anticorpos para a COVID-19 são identificados em 20 bebês da cidade de Uberlândia(foto: Denise Reis/Nupad/UFMG)
Anticorpos para a COVID-19 são identificados em 20 bebês da cidade de Uberlândia (foto: Denise Reis/Nupad/UFMG)
Uma pesquisa da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em parceria com a Universidade Federal de Uberlândia (UFU), identificou 20 bebês com anticorpos para COVID-19 na cidade do Triângulo Mineiro.
O estudo tem participação também do Núcleo de Ações e Pesquisa em Apoio Diagnóstico (NUPAD) e a Secretaria Estadual de Saúde (SES-MG).
 
Até o momento, 506 bebês e mães foram testadas. Foram identificados 68 casos de transferência de anticorpos IgG da mãe para o filho nos cinco municípios (Contagem, Itabirito, Nova Lima, Ipatinga e Uberlândia), onde ocorre a pesquisa.
 
Em Uberlândia, foram 20 bebês que apresentaram o anticorpo IgG. O acompanhamento das crianças será feito pela professora Vivian Mara Gonçalves, da Faculdade de Educação Física e Fisioterapia da UFU.
 
“Uberlândia foi selecionada por ser um município com número alto de nascimentos por mês, além de ter uma alta prevalência da doença, então aqui é um cenário para acompanhar essas crianças até 2 anos de idade, que é o acompanhamento que a gente vai fazer para avaliar o neurodesenvolvimento”, explica a professora.
 
Em entrevista ao Estado de Minas, a professora e pesquisadora Aline Almeida Bentes, da UFMG, contou como funciona o projeto de detecção de anticorpos para COVID-19 em bebês.
 
Segundo ela, a pesquisa utiliza uma rede de coleta da triagem neonatal, conhecida popularmente como teste do pezinho. Essa coleta é feita pela NUPAD, que é o órgão complementar de pesquisa da Faculdade de Medicina da UFMG.
 
“A mesma gota de sangue no papel filtro coletada para a triagem neonatal é utilizada na pesquisa. Dessa forma, os bebês não passam por nenhum procedimento diferente do habitual”, explica a pesquisadora.
 
O que tem de novo nesse procedimento, de acordo com Aline, é a testagem das mães, que é feita via punção digital. As mulheres são convidadas a participar do estudo nos postos de saúde, no momento em que levam os filhos para fazer o teste do pezinho.
 
O procedimento é bem simples. O sangue do bebê e o da mãe são coletados em papel filtro e encaminhados ao NUPAD, onde são dosados os anticorpos da classe IgG contra o Sars-CoV-2.
 
“Como a coleta do sangue na pesquisa é feita na primeira semana após o parto, a imunidade observada necessariamente foi adquirida durante a gestação, já que o IgG demora pelo menos 15 dias após a infecção para testar positivo”, comenta Aline.
 
Para ela, a importância deste estudo é fundamental para ajudar a compreender se estes anticorpos passados pela mãe ao filho são protetores.
 
O principal objetivo do estudo é avaliar quantos bebês têm anticorpos contra a COVID-19 após o nascimento e ver como eles vão agir ao longo do tempo.

O mais importante é entender se eles vão proteger as crianças de se infectarem contra o novo coronavírus e se os que se infectarem terão sintomas mais brandos da doença.
 
“Nós acreditamos que sim, mas apenas o acompanhamento destes bebês poderá nos dar esta resposta”, diz.
 
Os estudos prévios trazem esperança aos cientistas da área, e ao longo dos próximos dois anos essas crianças serão acompanhadas.
 
As supervisões serão feitos através de telefonemas, consultas e testagem dos grupos que participaram da pesquisa. Por isso, a colaboração é fundamental.
 
“A adesão depende da mãe no momento do teste do pezinho. Os pesquisadores convidam a todas, dos cinco munícipios participantes, a aceitarem o convite e colaborarem com o avanço da ciência e das políticas públicas de enfrentamento à pandemia da COVID-19”, completa a professora.
 


Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil

  • Oxford/Astrazeneca

Produzida pelo grupo britânico AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, a vacina recebeu registro definitivo para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No país ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

  • CoronaVac/Butantan

Em 17 de janeiro, a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan no Brasil, recebeu a liberação de uso emergencial pela Anvisa.

  • Janssen

A Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial no Brasil da vacina da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, contra a COVID-19. Trata-se do único no mercado que garante a proteção em uma só dose, o que pode acelerar a imunização. A Santa Casa de Belo Horizonte participou dos testes na fase 3 da vacina da Janssen.

  • Pfizer

A vacina da Pfizer foi rejeitada pelo Ministério da Saúde em 2020 e ironizada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi a primeira a receber autorização para uso amplo pela Anvisa, em 23/02.

Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades

Como funciona o 'passaporte de vacinação'?

Os chamados passaportes de vacinação contra COVID-19 já estão em funcionamento em algumas regiões do mundo e em estudo em vários países. Sistema de controel tem como objetivo garantir trânsito de pessoas imunizadas e fomentar turismo e economia. Especialistas dizem que os passaportes de vacinação impõem desafios éticos e científicos.


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

 

Entenda as regras de proteção contra as novas cepas

[VIDEO4]

 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade