Publicidade

Estado de Minas COLAPSO

UPAs de BH atenderão preferencialmente casos de COVID-19, diz secretário

Pacientes com outras doenças serão atendidos em uma unidade definida por regional. A proposta foi encaminhada ao Conselho Municipal de Saúde


22/03/2021 11:52 - atualizado 22/03/2021 15:51

UPA Centro-Sul é uma referência no atendimento em BH(foto: Gladyston Rodrigues/EM/DA PRESS)
UPA Centro-Sul é uma referência no atendimento em BH (foto: Gladyston Rodrigues/EM/DA PRESS)
As unidades de pronto-atendimento (UPAs) de Belo Horizonte passarão a atender, preferencialmente, apenas os pacientes com suspeita de COVID-19. A proposta foi encaminhada pelo secretário de Saúde Jackson Machado ao Conselho Municipal de Saúde, que se reuniu nesta segunda-feira (22/03).   


Em uma mensagem de áudio enviada à imprensa, o secretário informou que cada regional da Prefeitura de Belo Horizonte terá um centro de saúde destinado a dar apoio às UPAs.

"Funcionará assim: esse centro de saúde ficará encarregado de atender às doenças que não sejam COVID-19 que aparecerem numa UPA". O secretário espera que a medida alivie o atendimento nessas unidades. "É para desafogar as UPAs e atender à população da melhor maneira possível.

Até sexta-feira (26/3), as unidades estarão adaptadas aos novos protocolos. 

 

A proposta ocorre no mesmo momento em que o Conselho Municipal pressiona a prefeitura para ampliação do número de leitos. A entidade também sugeriu ao município a adoção do lockdown por pelo menos duas semanas.

 

Com os novos protocolos, a PBH pretende concentrar nas UPAs os atendimentos de COVID-19 e encaminhar para o centro de referência pacientes com outros problemas de saúde.

Renata Mascarenhas Bernardes, diretora de assistência à saúde da Secretaria Municipal de Saúde, explica que todos os pacientes que procurarem as UPAs por conta própria – sem terem sido  encaminhados por um centro de saúde – passarão por uma triagem para saber se permanecerão lá ou se serão encaminhados aos centros de referência.

"Todos que chegarem por demanda espontânea serão classificados como ocorre atualmente", informa a diretora.

 

Saiba como será a triagem nas UPAs de BH

Renata Mascarenhas esclareceu que as UPAs e os centros de referência de cada regional estarão preparados para seguir os novos protocolos até sexta-feira (26).

 

No fluxo de atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS), os centros de saúde são portas de entrada para atendimentos de baixa complexidade. Os casos de maior complexidade são encaminhados para as UPAs.

No entanto, nem sempre esse fluxo é seguido. O paciente pode ir direto às UPAs, mesmo para atendimento de casos de menor complexidade. A mudança proposta pela prefeitura pretende regular melhor esse fluxo.

 

O centro de saúde de referência terá atendimento 24 horas. Atualmente, os centros de saúde funcionam até as 19h.  Dessa forma, um centro de saúde por regional passará a ser referência 24 horas para o paciente não COVID-19.

Para decidir para onde o paciente irá, será feita avaliação a partir do quadro  respiratório. "Em caso de queixa clínica respiratória, seja ela qual for, vai procurar as UPAs".

 

Rentata explica que pelo fato de os centros de saúde fecharem às 19h, muitos pacientes seguem para as UPAs. As queixas são variadas, podem ser desde uma crise hipertensiva até um controle de glicose em pacientes diabéticos, passando por uma queixa urinária.

"Início de plantão das UPAs, às 19h, é sempre muito cheio. Essa unidade de referência 24 horas não COVID poderão receber essas pessoas dos centros de saúde em vez de encaminhar para as UPAs".

Depois de feita a classificação, o paciente de leve complexidade pode ser orientado a procurar o centro de saúde de referência na regional.

 

Renata afirmou que a prefeitura aumentou o número de leitos nas UPAs para atendimento à COVID-19. Segundo ela, foram criados 14 leitos na UPA Nordeste e 14 também na UPA Norte, onde foi implantado atendimento específico para a COVID-19 (C-COVID).

A mudança não precisa ser aprovada pelo Conselho Municipal de Saúde. "É importante o conselho estar junto conosco nas propostas. Ouvir o conselho para sugestão de melhorias", diz. 

 

O que é o coronavírus


Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.
Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp

Como a COVID-19 é transmitida? 

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?


Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.
Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal
Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus. 

Vídeo explica por que você deve 'aprender a tossir'


Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade