Publicidade

Estado de Minas DESABAMENTO

Demolição do prédio que tombou em Betim deve começar nesta quarta, diz Defesa Civil

Prefeitura da cidade aguarda laudo da perícia atestando condenação do edifício, previsto para sair amanhã pela manhã


24/11/2020 10:44 - atualizado 24/11/2020 12:07

Uma nova do prédio que tombou em Betim foi realizada nesta terça-feira (24), desta vez, para atestar a condenação. Os peritos tiveram que realizar os trabalhos a partir de residências laterais, com o auxílio de drones.(foto: Prefeitura de Betim/Divulgação)
Uma nova do prédio que tombou em Betim foi realizada nesta terça-feira (24), desta vez, para atestar a condenação. Os peritos tiveram que realizar os trabalhos a partir de residências laterais, com o auxílio de drones. (foto: Prefeitura de Betim/Divulgação)
A demolição do Edifício In Cairo, que tombou em 17 de novembro em Betim, Região Metropolitana de Belo Horizonte, deve começar nesta quarta-feira (24). A previsão é da Defesa Civil da cidade, que vistoriou o prédio esta manhã. 


Para realizar a vistoria, os técnicos não puderam entrar na edificação. De acordo com Marco Túlio, seria uma manobra muito arriscada, já que o imóvel está muito inclinado e portanto oferece risco à segurança da equipe. Com isso, a análise teve que ser feita de residências da vizinhança, com o auxílio de drones.  

"Tecnicamente, não precisa entrar no imóvel para constatar a condenação. Há técnicas de engenharia que permitem que se faça uma análise externa. Os drones vão complementar as informações necessárias à elaboração de um laudo conclusivo no sentido da necessidade de demolição", explica o dirigente. 

O superintendente da Defesa Civil de Betim, tenente-coronel Walfrido de Assis Lopes reforçou que esse documento não tratará das causas do abalo da estrutura. Segundo Lopes, essa informação será analisada a partir dos entúlios do In Cairo, após a demolição. 

A prefeitura de Betim prevê que a derrubada, que será feita por uma empresa terceirizada e deve levar em torno de 48 horas. A preparação para o procedimento inclui montagem de maquinário, mobilização de ambulâncias e interrupção do fornecimento de energia elétrica em todo o quarteirão. 

O superintendente explica o método de demolição. "Técnica é conhecida como técnica mecânica. A máquina da empresa tem um braço de 22 metros de alcance. Na extremidade, há uma tesoura. Essa tesoura vai triturarar o material de cima para baixo. A demolição será paga pela prefeitura que, posteriormente, cobrará os custos da construtora que ergueu o prédio", detalha Walfrido. 

O tenente-coronel informou também que as 15 famílias que moravam nos arredores do edifício e que também tiveram os imóveis condenados estão abrigadas em casas de familiares e hotéis. A construtora do In Cairo estaria pagando um auxílio de manutenção a essas vítimas. 

"Após a realização dos trabalhos de demolição, a Defesa Civil virá ao local com uma equipe de engenheiros, que fará uma vistoria imediata nos imóveis para verificar se há segurança para o retorno dos desabrigados", contou Walfrido. 

Sonho desmoronado


O Edifício In Cairo teve a demolição determinada nesta segunda-feira (23) pela Justiça. A estrutura será derrubada mesmo sem notificação da construtora já que, seis dias após o desabamento da estrutura, os responsáveis pela empresa ainda não foram localizados. 

Erguido na Avenida Ayrton Senna número 548, o Edifício In Cairo tem seis pavimentos e dois apartamentos por andar. Os imóveis foram vendidos na planta e custaram até R$ 280 mil.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade