Publicidade

Estado de Minas

COVID-19: número de mortes dobra em Bom Despacho nas últimas duas semanas

O número atual ainda não foi contabilizado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) no informe epidemiológico diário


17/09/2020 16:40 - atualizado 17/09/2020 17:02

Bom Despacho, município da Região Centro-Oeste de Minas Gerais(foto: Divulgação/ Prefeitura de Bom Despacho)
Bom Despacho, município da Região Centro-Oeste de Minas Gerais (foto: Divulgação/ Prefeitura de Bom Despacho)
Pouco mais de quatro meses após a chegada do novo coronavírus (Sars-Cov-2) em Bom Despacho, na Região Centro-Oeste de Minas Gerais, o município registrou, na manhã desta quinta-feira (17), o seu 513º caso positivo da doença. O número ainda não foi contabilizado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) no informe epidemiológico diário, que marca 500 ocorrências da COVID-19. O número de mortes em decorrência da doença também dobrou nas últimas duas semanas, passando de sete para 14 óbitos

Para alcançar a primeira centena na quantidade de casos confirmados no município - gravada no boletim da prefeitura em 10 de julho – Bom despacho precisou de 65 dias até atingir essa marca. Após essa data, a cidade passou a ter uma alta constante na taxa de infecção, sendo que a cada duas semanas, em média, mais 100 novos casos são registrados. 

O primeiro registro da COVID-19 em Bom Despacho, constatado em 6 de maio, dizia respeito a um homem, de 56 anos, que reside no município. O paciente realizou o primeiro teste comprobatório no Hospital Mater Dei, em Belo Horizonte, em 30 de abril, que indicou que ele estava infectado. 

Em contrapartida, a SES-MG não considera esta como sendo a primeira aparição da doença na cidade, como indicado pela prefeitura. O caso conflitante trata-se de uma mulher que fez uma viagem para o exterior e, ao retornar para casa, apresentou os sintomas da doença, realizou os exames, foi diagnosticada e tratada fora da cidade. 

primeiro óbito no município ocorreu em em 9 de maio, a primeira morte foi confirmada pela Secretaria Municipal de Saúde. Trata-se de uma idosa, de 78 anos, que ficou internada no Hospital Santa Lúcia, em Divinópolis – município referência no tratamento de pacientes infectados - após apresentar sintomas da doença. 

Segundo a pasta, ainda no hospital a mulher foi internada, diagnosticada com infecção urinária e tratada. Em seguida, teve alta e permaneceu na cidade. Porém, em 5 de abril, ela foi novamente internada, mas seu resultado foi positivo para a COVID-19. Por causa do vírus, a paciente, que já era hipertensa e obesa, teve complicações e morreu.

Outros óbitos

segunda morte por coronavírus foi confirmada pelo prefeito Bertolino da Costa Neto, por meio de um vídeo divulgado no site da prefeitura, em 5 de julho. Trata-se de um homem, de 63 anos, que era portador de várias comorbidades, que estava internado, desde 28 de junho, na unidade de terapia intensiva (UTI) de Bom Despacho.

terceira dizia respeito a uma mulher, de 84 anos, que ficou internada na Santa Casa do município até a data de seu falecimento, em 27 de julho. 

Em 14 de agosto, mais duas pessoas entraram para os índices da COVID-19 na cidade. A quarta morte é referente a uma mulher, de 73 anos, que já sofria de pneumopatia crônica e doença renal crônica. 

Já o quinto óbito, dizia respeito a um homem, de 46 anos, que tinha doença renal crônica, diabetes e doença cardiovascular, o que certamente agravou o quadro clínico para o coronavírus. 

No fim de agosto, a prefeitura confirmou a sexta morte. O óbito é referente a uma mulher, de 39 anos, que tinha comorbidades.

O Executivo municipal parou de informar sobre as demais mortes a partir da sétima, que ocorreu em 31 de agosto e é referente a uma mulher, de 56 anos, que possuía fatores de risco. 

COVID-19 em Bom Despacho


Bom Despacho registrou, até a manhã desta quinta-feira (17), 513 casos confirmados da doença, sendo que 14 terminaram em morte. Já se recuperaram 482 pessoas. Duas ainda estão internadas no município e outras 15 cumprem o isolamento domiciliar.

Segundo o boletim epidemiológico da prefeitura, 1.699 pessoas já notificaram a Secretaria Municipal de Saúde sobre a possibilidade de terem contraído a COVID-19. 

* Estagiário sob supervisão da subeditora Ellen Cristie. 
 
 

O que é o coronavírus


Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.
Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp

Como a COVID-19 é transmitida? 

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?


Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.
Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal
Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus. 

Vídeo explica por que você deve 'aprender a tossir'


Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade