Publicidade

Estado de Minas EMBATE

Em dia de decisão sobre possível reabertura, lojistas seguem pressionando Kalil

Em nota divulgada na manhã desta quinta-feira (20), comerciantes pedem ampliação nas autorizações de funcionamento, sobretudo para bares e restaurantes


20/08/2020 11:43 - atualizado 20/08/2020 12:02

Estabelecimento com funcionamento restrito no Centro da capital(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A. Press)
Estabelecimento com funcionamento restrito no Centro da capital (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A. Press)
Está marcada para às 14h desta quinta (20) a coletiva em que o prefeito Alexandre Kalil (PSD) deverá anunciar as novidades no plano de flexibilização do funcionamento do comércio na capital. Diante dos impasses, representantes do terceiro setor seguem pressionando para que o Executivo amplie as autorizações de funcionamento do comércio na capital.

Em nota divulgada na manhã desta quinta-feira (20), a CDL/BH (Câmara de Dirigentes de Lojistas de Belo Horizonte) lamenta que a capital "completa exatos cinco meses de fechamento do comércio" e classifica como "a maior quaretena do mundo". A afirmação é no mínimo controversa, já que a capital argentina, Buenos Aires, passou 120 dias seguidos sem nenhum tipo de flexibilização - diferente de Belo Horizonte, que ensaia retomadas desde maio.
 
Os representantes dos lojistas ainda julgam como insuficientes os três dias da semana em que a abertura do comércio está autorizada. "É uma ação que ameniza, mas que não socorre a economia da cidade, que tem nos setores de comércio e serviços 72% de seu Produto Interno Bruto (PIB)", diz a nota.
 
A nota destaca ainda a situação dos bares e restaurantes, que não foram incluídos em nenhum dos planos de reabertura da cidade.

"Estamos falando da capital mundial dos bares que, até o momento, é a única cidade do mundo com bares e restaurantes fechados por tanto tempo. Os indicadores que a Prefeitura tem como referência para a flexibilização nos mostram que a reabertura já é possível", afirma Marcelo de Souza e Silva, presidente da CDL/BH.

A nota ainda compara a situação de Belo Horizonte com outras capitais brasil afora que já permitiram a reabertura de restaurantes e bares, como Porto Alegre, Curitiba, Fortaleza, Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Recife e Salvador. Assim como em BH, ainda não é possível afirmar que a pandemia está controlada nessas cidades.

Segundo os dados mais recentes da Prefeitura, divulgados nessa quarta-feira (19), Belo Horizonte tem 29.690 casos confirmados e 855 óbitos por COVID-19. A transmissão do vírus estava em uma tendência de controle na capital, até que os dados de ontem mostraram, também, uma aceleração na velocidade da propagação da doença.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade