Publicidade

Estado de Minas Entrevista/Jackson Machado Pinto

'A pressão não nos afeta', diz secretário de Saúde de BH

Controle de atividades e gestão de leitos dão fôlego à capital, mas não dispensam cuidados, afirma chefe do time de combate à pandemia na capital


postado em 13/07/2020 06:00 / atualizado em 13/07/2020 07:19

(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 5/6/20)
(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 5/6/20)


O médico Jackson Machado Pinto não se intimida diante do desafio de ser responsável pela saúde de 2,5 milhões de pessoas, a população da maior cidade de Minas. Como secretário de Saúde de Belo Horizonte, cercou-se de três dos mais reconhecidos infectologistas de Minas e do Brasil para enfrentar a pandemia do novo coronavírus. O comitê formado por ele, Carlos Starling, Estevão Urbano e Unaí Tupinambás ajuda o prefeito Alexandre Kalil (PSD) a tomar decisões sobre o isolamento social, reabertura do comércio e gerenciamento de leitos de unidade de terapia intensiva.

Jackson costuma falar aos belo-horizontinos em entrevistas coletivas ao lado de Kalil, momentos que, até pela personalidade do prefeito, são de muita repercussão. Nas poucas vezes que falou sem a presença do prefeito, que observava de longe, anunciou decisões polêmicas relativas à reabertura das atividades econômicas na capital. Não se arrepende nem da mais questionada, a reabertura dos shoppings populares, e diz que, se necessário, voltaria a adotá-la.

O secretário trabalha agora em home office e garante que está 24 horas por dia conectado. Quando precisa sair por força do trabalho, é obssessivo com os cuidados pessoais na volta para casa. Depois de tomar banho, limpa o que tiver tocado no banheiro para impedir eventual transmissão do vírus à mulher. Pai de cinco filhos, durante a quarentena, abdicou do contato físico com eles. Com boa relação com Kalil, conversa com o chefe inúmeras vezes ao dia e, embora já tenha questionado publicamente quando seria aberto o hospital de campanha no Expominas, garante que não há divergências técnicas nem políticas entre ele e o secretário de Estado da Saúde, Carlos Eduardo Amaral.

Médico formado pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (1978), Jackson Machado tem mestrado em Serviço de Dermatologia e Hansenologia pelo Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (1991) e doutorado em Clínica Médica e Biomedicina pela Santa Casa de Belo Horizonte (2001). Atuou como chefe da Clínica Dermatológica da Santa Casa e como professor da disciplina de Dermatologia da Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais. Nesta entrevista exclusiva ao Estado de Minas, ele fala sobre quando Belo Horizonte estará livre da doença, da relação com Kalil e das angústias à frente do cargo.

Secretário, qual foi o momento mais difícil à frente da pasta até agora?

O momento mais difícil é, sem dúvida nenhuma, aquele de convencer as pessoas da necessidade, da importância, do distanciamento social. Neste momento, o distanciamento social é a arma mais poderosa que nós temos e as pessoas insistem em querer sair às ruas, em querer fazer atividade física, ir para a academia sem tomar as medidas de proteção adequadas. Então, convencê-las da gravidade do momento que estamos vivendo é, sem dúvida, a tarefa mais difícil.

Como tem sido a rotina de trabalho do senhor?

Trabalho 24 horas por dia. Recebo informações da Central de Internações, das UPAs, todos os dias e a todas as horas, além de conversar com o prefeito e os meus assessores. É muito importante essa comunicação. Estou em teletrabalho quase todo o tempo, às vezes, vou à Secretaria de Saúde, outras, à prefeitura, para conversar pessoalmente com o prefeito, para fazer as coletivas, mas sempre tomando todas as medidas.

O secretário desliga o celular?

Meu celular fica ligado 24 horas por dia.

Como têm sido os cuidados pessoais do senhor contra a COVID-19? O senhor teve de abdicar de algum momento compartilhado com sua família?

Procuro me cercar de todos os cuidados que aconselho as pessoas a tomarem. Chego em casa, tiro a roupa, entro no chuveiro, tomo banho, lavo as mãos. Lavo a torneira do chuveiro, lavo a porta do box, onde eu pego, a maçaneta da porta. Tomo banho com sabonete, lavo a cabeça com sabonete e depois vou usar o xampu. Os sapatos ficam na porta. Entro descalço. Esses cuidados são muito importantes para que os meus familiares, minha esposa, não sejam contaminados pela COVID-19, caso eu um dia venha a servir como vetor. Nesse período, de março até julho, encontrei com meus filhos raríssimas vezes. Sempre procurando manter um distanciamento longo, evitando o contato físico com eles, o que é muito doloroso. Tenho cinco filhos e esse contato sempre foi muito afetuoso, muito amoroso. Neste momento, é importante que o contato físico seja um pouco restrito. É muito difícil.

Em algum momento, o senhor teve medo de se contaminar?

Tenho medo de me contaminar. Tenho 67 anos, sou hipertenso controlado, mas procuro fazer um pouco de atividade física, dentro das minhas possibilidades. Não sou atleta, mas faço caminhada dentro da minha casa e dentro do condomínio, onde moro, e procuro tomar todos os cuidados para que não aconteça nenhuma contaminação.

O senhor visitou hospitais de referência no atendimento à doença? Alguma cena foi marcante?

Visitei hospitais de referência. Sou médico da Santa Casa, embora esteja licenciado de lá. Já fui à Santa Casa. Sempre as cenas são de sofrimento e isso é a nossa rotina de médico dentro de hospital, de ver o sofrimento das pessoas e tentar fazer o máximo para aliviá-lo.

Como o senhor tem visto a atuação de colegas médicos na linha de frente no enfrentamento à COVID-19?

São verdadeiros heróis. Trabalham sob condições extremamente estressantes, muitas vezes, atendendo a pacientes muito graves e sempre com maior disposição para tentar salvar vidas. Então, vejo essa atuação dos meus colegas com muito orgulho de pertencer a essa classe.

Quantas vezes o senhor conversa com o prefeito Alexandre Kalil por dia? Ele relatou algum momento de angústia ao senhor?

Converso com o prefeito Alexandre Kalil várias vezes por dia. Passo para ele todas as informações sobre ocupação de leitos, sobre a disponibilidade de criação de novos leitos, sobre problemas de saúde, problemas de recursos financeiros. E ele sempre atende minhas ligações. Ele me liga, muitas vezes, para questionar situações e compartilhamos a angústia de estar vendo a nossa população sofrendo com pouquíssimo auxílio do Estado de Minas Gerais, embora contemos com apoio financeiro muito importante da prefeitura e apoio financeiro muito importante do governo federal.

E o senhor? Já se sentiu angustiado diante de tanta responsabilidade que é cuidar da saúde de mais de 2,5 milhões de pessoas?

Como médico não sinto medo de responsabilidade alguma. Minha vida é cuidar das pessoas, é cuidar da saúde das pessoas para fazer o melhor de mim para que elas sobrevivam, com qualidade de vida, com muita dignidade. Então, não me sinto angustiado hora alguma. A responsabilidade, eu sei o peso que ela tem. Mas não me angustio com a responsabilidade, porque tenho assessoria muito importante e muito competente não só dos membros do comitê de enfrentamento, mas minha assessoria do gabinete da Secretaria Municipal de Saúde e dos 20 mil colaboradores da saúde de Belo Horizonte.

Como é a relação do senhor com o comitê científico formado pelos infectologistas Estevão Urbano, Carlos Starling e Unaí Tupinambás?

O Comitê foi formado pelos três infectologistas Estevão Urbano, Carlos Starling e Unaí Tupinambás, que foram convidados pessoalmente por mim. O prefeito pediu que eu formasse um comitê e convidei esses três infectologistas, por ser sabedor da sua competência, da sua qualidade, do seu compromisso com trabalho. Eles estão doando seu tempo para Belo Horizonte, porque são voluntários e têm uma contribuição maiúscula para a cidade.

Qual foi o maior acerto do comitê presidido pelo senhor e da prefeitura no enfrentamento à COVID-19?

O maior acerto foi a atuação rápida e precoce na determinação do primeiro fechamento da cidade em 18 de março. Esse, sem dúvida nenhuma, foi o maior acerto e é uma dos grandes responsáveis pelos bons números de Belo Horizonte.

Qual foi a maior falha?

Não acredito que tenha havido falhas durante essa ação, porque todas as atividades que temos refletem discussão muito ampla e muito profunda. Esse comitê trabalha azeitadinho para trazer as melhores soluções.

A flexibilização das atividades econômicas coincidiu com aumento na ocupação de leitos, no número de casos confirmados e de mortes em Belo Horizonte. A prefeitura permitiu a reabertura diante da pressão feita por empresários e pelo comércio? Era a hora correta de reabrir?

A prefeitura flexibilizou porque achávamos, e achamos ainda, que estávamos corretos pelos indicadores que usamos. O crescimento da curva começou em 18 de maio, a flexibilização teve início no dia 25 de maio. Sabíamos que iria aumentar um pouco o número de casos. Estava sim na hora correta para a reabertura. Embora a pressão tenha sido feita desde o início do fechamento, não foi a pressão que nos fez flexibilizar. Essa pressão não nos afeta, porque nos baseamos em indicadores muito objetivos para tomar todas as decisões.

A reabertura dos shoppings populares gerou críticas de outros setores do comércio, que a consideraram não isonômica, e foi questionada também do ponto de vista da saúde. O senhor avalia que foi uma boa medida?

Esses shoppings populares fizeram uma operação urbana, deram uma contribuição para a prefeitura no abrigamento de ambulantes, que antes ocupavam as ruas de Belo Horizonte. Nós retiramos das ruas 2 mil camelôs, que estavam nesses shoppings populares. Eles iriam morrer de fome ou voltar para as ruas. Eles ofereceram a BH (para reabrir) todas as garantias da tomada de medidas sanitárias absolutamente corretas que foram sugeridas. Essa medida, embora tenha gerado crítica de outros comércios, contemplou as classes C e D. Não nos arrependemos de tê-la tomado e a tomaríamos de novo, porque são as classes menos favorecidas.

Há uma divergência entre a Prefeitura de Belo Horizonte e o governo de Minas em relação ao hospital de campanha no Expominas? Quais as razões das divergências, são técnicas ou políticas?

Não há divergências técnicas nem políticas em relação ao hospital de campanha. Belo Horizonte optou por não fazer hospital de campanha, porque sabíamos que os leitos dos hospitais contratualizados ficariam ociosos já que as cirurgias eletivas e os procedimentos eletivos estavam cancelados. Então foi feita realocação desses leitos para oferta para COVID-19. Não criamos a roda, não inventamos leitos, mas fizemos uma gestão dos leitos. Transformamos os que estavam desocupados por causa da suspensão das cirurgias eletivas em leitos COVID. Não há absolutamente nenhuma divergência. O governo de Minas montou o hospital de campanha para atender outras cidades. BH tem leitos em número suficiente de enfermaria de baixa complexidade para ser ocupados. Temos ainda margem grande para ocupar os leitos de enfermaria.

Quando estaremos livres da COVID-19 em Belo Horizonte?

Acredito que a COVID-19 veio para ficar. Provavelmente, teremos episódios de recorrência da infecção em Belo Horizonte e em todos os lugares do mundo. Teremos que conviver com esse vírus até que tenhamos uma vacina. Essa infecção determina para nós um novo paradigma de vida. Temos que usar máscaras e que manter o distanciamento social. Aquela época de compras desvairadas pessoalmente terminou. O passeio no shopping terminou. A gente vai ter que sair com uma compra programada e, assim que feita, voltar para casa. Acredito que muitas das atividades que fazíamos antes da pandemia estarão extintas. As atividades culturais deverão ter um novo paradigma até que a vacina venha resolver o problema definitivamente.

O que é o coronavírus


Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.
Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp

Como a COVID-19 é transmitida? 

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?


Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.
Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal
Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus. 

Vídeo explica por que você deve 'aprender a tossir'


Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade