Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Médicos fazem alerta sobre outras doenças durante pandemia

Números mostram aumento de 31% das mortes por problemas cardiovasculares desde março e também de óbitos em residências


postado em 26/06/2020 12:59 / atualizado em 26/06/2020 13:43

Procurar auxílio de profissionais da saúde quando apresentar sintomas de qualquer doença é fundamental para sobreviver na pandemia(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A.Press)
Procurar auxílio de profissionais da saúde quando apresentar sintomas de qualquer doença é fundamental para sobreviver na pandemia (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A.Press)
A COVID-19 tem sido a prioridade de todos neste primeiro semestre de 2020, mas os médicos alertam para a importância de as pessoas prestarem atenção em outras enfermidades. Uma delas é a cardiopatia, doença que mais mata no Brasil e que teve aumento de 31% durante a pandemia, segundo dados de Cartórios de Registro Civil brasileiros.
As causas são não só as complicações trazidas pelo novo coronavírus, mas também as alterações que ele pode gerar no sistema imunológico, como estado inflamatório crônico latente. Assim, o apelo é para que toda pessoa que sinta qualquer sintoma de infarto ou acidente vascular cerebral (AVC), procure ajuda médica imediatamente. Nesses casos, o isolamento social não deve ser observado.

“Em 18 de março a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) alertou para o aumento da mortalidade que as doenças cardíacas causam em infectados pelo novo coronavírus. Estamos atentos ao aumento de mortes por medo de procurar ajuda. Ainda não registramos aqui, mas em outros países, sim. Os hospitais registraram queda nas internações por outras doenças. E aumentaram as paradas cardíacas fora dos hospitais”, afirma Marcelo Queiroga, presidente da SBC.

Os números no exterior realmente corroboram a preocupação dos médicos. “Foram registradas reduções de internações por infarto da ordem de 38% nos EUA e 40% na Espanha. Aqui não deve ser tão diferente. Pode ser porque não procuraram o atendimento, erros de diagnóstico e colapso de saúde”, afirma Luísa Brant, professora da Faculdade de Medicina da UFMG.

Até por isso, a Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista lançou a campanha “Infarto não respeita quarentena”, alertando para a necessidade de se procurar ajuda médica quando a pessoa sentir os sintomas. “Temos de levar a mensagem de alerta para a população, pois estamos vivendo uma situação muito preocupante”, afirma o presidente da entidade, Ricardo Costa. 

Segundo ele, na pandemia, procedimentos fundamentis para salvar vidas, como angioplastias de emergência, chegaram a cair 70% no país, o que é muito preocupante. “A suspeita é que pacientes, mesmo com sintomas de infarto, estavam deixando de buscar atendimento com receio de serem contaminados pelo novo coronavírus em ambiente hospitalar. Assim, muitos morreram em casa ou chegaram ao atendimento com quadro muito evoluído e sem chance de receber o tratamento adequado.”

Os números – menos 14% de morte por infarto e 5% de AVC – até poderiam sugerir que a população está mais saudável durante a pandemia. Porém, há certeza de subnotificação, pois  as “causas inespecíficas” subiram quase 25%. “Casos de infarto e AVC podem estar embutidos aí, não acreditamos em diminuição, mas na subida nos números”, afirma Luísa Brant. “A forte correlação entre o aumento de mortes cardiovasculares e domiciliares não especificadas corrobora essas explicações, pois pode sugerir que pelo menos algumas das mortes por infarto e AVC ocorreram em casa, impedindo o diagnóstico correto. Por outro lado, eventos cardiovasculares agudos podem ter diminuído em alguns locais, devido a riscos competitivos e menor exposição a gatilhos secundários de eventos cardiovasculares, como a poluição do ar”, explica Queiroga.  

Além disso, há uma hierarquia a ser seguida nos atestados de óbito. Segundo ela, se um paciente tem COVID-19 e infarto, a morte será registrada como decorrente da infecção pelo novo coranavírus.

Para tentar trazer mais clareza para as estatísticas, a SBC e a Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Brasil (Arpen-Brasil) fizeram acordo para disponibilizar na internet  um novo módulo que traz os números de óbitos por doenças cardiovasculares desde o início da pandemia. "Além da importância epidemiológica, o mapeamento adequado do problema permitirá a adoção de medidas que resultem em diminuição da mortalidade por doenças cardiovasculares”, explica Queiroga.

O que é o coronavírus

Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.
Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp

Como a COVID-19 é transmitida? 

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?

Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.
Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus. 

Vídeo explica por que você deve 'aprender a tossir'


Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:


 


 

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade