Publicidade

Estado de Minas

Capital das startups, BH concentra eventos digitais

Com mais de 400 empreendimentos nascentes, Minas Gerais está se tornando também referência em encontros e troca de experiências entre empresários do Brasil e exterior


postado em 19/08/2016 00:12 / atualizado em 19/08/2016 14:25

(foto: Gabriel Maciel/Divulgação)
(foto: Gabriel Maciel/Divulgação)

Além da arte, da natureza exuberante e da gastronomia arrebatadora, Minas Gerais desponta em um outro cenário: o da tecnologia. Considerado estado referência para o desenvolvimento das startups no país, Minas, de acordo com a Secretária de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), é o segundo em número de startups no Brasil, com mais de 400 empreendimentos do gênero. Somado a isso, e como forma de fortalecer esse segmento da economia que já traz retornos, como a geração de empregos, o estado tem sido palco de grandes eventos na área digital. Um deles, o Startup Weekend Mega, com possibilidade de ocorrer ainda neste ano em Belo Horizonte, poderá, inclusive, ser registrado no Guinness Book como o maior encontro do setor no mundo.


De 9 a 13 de novembro, será realizado pela primeira vez em BH o maior evento de tecnologia no planeta. Trata-se da Feira Internaciona de Negócios, Inovação e Tecnologia (Finit), abrigando em sua programação a Campus Party, além da 100 Open Startups e da Demolatam – conferência latinoamericana de startups, que promove o desenvolvimento de negócios entre empresas e grupos de investidores. A expectativa é de que a Finit, que conta com patrocínio do governo estadual, reúna cerca de 20 mil pessoas durante cinco dias de programação. O primeiro lote para a Campus Party  ingressos já está à venda, a custos variando de R$ 120 a R$ 195.

Ainda segundo o governo mineiro, de 17 a 23  de outubro está prevista a realização da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, que era feita em Brasília e, neste ano, pela primeira vez,a abertura será itinerante. BH é o primeiro local a receber o evento.O secretário de Ciência,Tecnologia e Ensino Superior, Miguel Corrêa, informou que a capital mineira é cotada, também para sediar em 2016 o Startup Week, uma reunião com empreendedores de todo o mundo. “Para este evento, se ocorrer aqui, vamos chamar o Guinness Book para registrá-lo como o maior encontro desse tipo de empresas no mundo”, destaca.


O desempenho do estado na área digital reflete, na visão de Miguel Corrêa, a atuação de universidades e centros de pesquisa em iniciativas conjuntas com as empresas. “Trata-se de um ecossistema reconhecido mundialmente e as principais protagonistas dessa história são as universidades federais, estaduais, institutos federais e grandes empresas, que criaram um ambiente sólido para esse segmento”, defende, destacando também a participação das universidades particulares.

Desenvolvimento


De acordo com informações da Secretaria, há outras referências importantes do desenvolvimento da área digital em Minas, como a criação do San Pedro Valley, polo de empreendedorismo de BH que é referência para negócios de base tecnológica no país; os chamados arranjos produtivos locais (clusters, na definição em inglês) de Santa Rita do Sapucaí e Viçosa, além do parque tecnológico de Belo Horizonte (BH-Tec). O estado conta também com mais de 15 incubadoras de empresas espalhadas na capital e interior e é o segundo maior estado em número de empresas de Tecnologia da Informação e biotecnologia do Brasil.

Segundo Miguel Corrêa, geralmente, as startups têm suporte das chamadas aceleradoras (empreendedores e investidores que oferecem recursos para o desenvolvimento de pequenas empresas com potencial de crescimento) privadas e, para isso, elas pagam uma quantia para serem “aceleradas”. “Estamos fazendo diferente e temos convidado as startups a participar dos nossos programas para que possamos financiá-las. Além disso, pagamos aos sócios dessas empresas para que eles continuem no programa e, com isso, eliminamos um dos obstáculos da área que é o encerramento das startups no primeiro ano de funcionamento”, explica. Entre as iniciativas citadas pelo secretário estão o programa Seed (Startups and Entrepreneurship Ecosystem Development), que tem como um dos objetivos fomentar o empreendedorismo tecnológico em Minas.

COMPETITIVIDADE


“A proposta das startups é encontrar soluções para as empresas que precisam desse tipo de serviço. Assim, elas passam a ter um grande cliente e a empresa passa a ficar mais competitiva”, comenta Corrêa, lembrando que com isso a tecnologia digital gera empregos e fortalece a economia no estado. “Temos startups em Minas com 600 funcionários e com três anos de funcionamento. Cada empresa desse ramo gera impostos, postos de trabalho e aumenta a competitividade dos grandes negócios”, diz.

Em 2015 e neste ano, já foram investidos no segmento cerca de R$ 100 milhões. “São recursos mais voltados para a formação de novos empreendedores tecnológicos. Temos programas cujos jovens da Universidade Aberta e Integrada (Uaitec) estão aprendendo a desenvolver aplicativos, games, entre outros. Temos mais de 30 mil alunos e pretendemos a chegar no ano que vem a mais de 50 mil”, afirma. “Nosso objetivo é incentivar o surgimento de talentos como Mark Zuckerberg e Steve Jobs em Minas Gerais.”

Reconhecimento


Em maio deste ano, o ranking nacional 100 open startups destacou 11 empresas de Minas entre as 100 melhores avaliadas do Brasil. Trata-se de um movimento patrocinado por grandes empresas que avaliam e classificam startups de todo o mundo. Ao todo, 1,5 mil startups brasileiras foram analisadas, levando-se em conta a participação em uma das 20 áreas que compõem o ranking. Algumas dessas classificações são cidades inovadoras, educação do futuro, fármacos e cosméticos.


Enquanto isso...

....Eles respiram inovação

Atletas suam a camisa durante a Olimpíada do Rio, ao passo em que empreendedores da tecnologia também entram em disputa internacional. Trata-se da Startup Games, uma competição que incluiu, neste ano, 50 empresas nacionais e internacionais na British House, residência oficial do Reino Unido durante a Rio 2016. Nesta competição, quatro startups mineiras subiram ao pódio: BeerOrCoffee, Virturian e Lett ocuparam os três primeiros lugares, respectivamente, seguidos da Pris, que ficou na quarta colocação. Todas elas são participantes da atual rodada de aceleração do Seed, programa incentivado pelo governo, e venceram mais de 40 empresas na disputa, incluindo empreendimentos de países como Chile, Estados Unidos, Venezuela e Inglaterra.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade