Publicidade

Estado de Minas OPINIÃO SEM MEDO

Renan Bolsonaro, o Lulinha do mito, é suspeito de tráfico de influência

Quem sai aos seus não degenera. E no caso dos pimpolhos do verdugo do Planalto, também não regeneram


07/07/2021 07:11 - atualizado 07/07/2021 07:46

Renan, à sombra do pai, Jair(foto: Evaristo Sá/AFP)
Renan, à sombra do pai, Jair (foto: Evaristo Sá/AFP)

 

Lula da Silva, o meliante de São Bernardo, ressuscitado das profundezas do inferno pelo devoto da cloroquina, Jair Bolsonaro, com o luxuoso auxílio dos compadres da Suprema Corte, além de líder do mensalão e do petrolão, nos apresentou seus filhos, Lulinha e Luleco, gênios dos negócios, comparados a ninguém menos que o bruxo, o rei, o deus, o eterno Ronaldinho Galucho.

 

Até a ascensão do papito à Presidência da República, o máximo de sucesso profissional alcançado pelos Ronaldinhos dos Negócios foi limpar caca de elefante no zoológico de Santo André, e dar corridas com alunos de educação física por aí. Mas sabem como é, né? Um dia, não mais que de repente, um se tornou sócio da Oi (ex-Telemar) e o outro, empresário dos esportes. Não são fofos?

 

Hoje, os tempos são outros. Afinal, ‘acabou a mamata, porra’! E o presidente da República é Jair Bolsonaro, o amigão do Queiroz, marido da receptora de cheques de milicianos, pai do senador das rachadinhas e da mansão de seis milhões de reais, comedor de gente com verba parlamentar, empregador de funcionários fantasmas e, segundo a ex-cunhada, ela própria ‘fantasma’, adepto do ‘rachid’.

 

E como novos tempos exigem novos filhos, eis que surge no horizonte o 24, digo, 04, Renan Bolsonaro (levem na esportiva a brincadeira, ok?), disposto a humilhar os irmãos mais velhos, Panetone, Bananinha e Carlucho. Precocemente com cara de canastrão de filme B mexicano, Renanzinho já começou por cima. Tratou de, em tese, traficar influência dentro do Palácio do Planalto, com a benção do pai.

 

O filho mais novo do maníaco do tratamento precoce ‘infiltrou’ um empresário no Palácio e, numa espécie de emboscada, fez o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, ter com este. O assunto foi algo relacionado à construção civil e, segundo o próprio ministro, 'Lulinha Bolsonaro' entrou mudo e saiu calado. Ou seja, serviu apenas como cavalo de troia, e nada mais.

 

A reunião surpresa foi marcada pelo gabinete da Presidência da República, ou seja, ‘zero chance’ do papi sociopata homicida não saber e dar seu aval. Há um termo jurídico, advocacia administrativa, que não sei se cabe aqui, já que Luleco Bolsonaro não é servidor público e o pai é presidente. Mas, no mínimo, tráfico de influência parece ser. Ou qualquer um consegue uma reunião com ministro?

 

Renan Bolsonaro, ao que parece, irá seguir o mesmo caminho de outros Renans e Renazinhos da política nacional. Aliás, Clãs políticos são o que não faltam no Brasil. Calheiros, Barbalho, Neves, Bolsonaro, Maia… entra geração, sai geração, e os mesmos vícios (eu disse vícios?) continuam. O Brasil, daqui a 500 anos, estará exatamente no lugar em que esteve nos últimos 500. Por aqui mesmo. 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade