Publicidade

Estado de Minas MEU ACERTO

Open Banking: o que é e como ele impacta sua vida

O novo sistema financeiro que está em implementação no Brasil pode trazer benefícios para os consumidores, que ainda sabem pouco sobre o assunto


23/02/2022 06:00 - atualizado 23/02/2022 07:59

Open Banking
Os principais objetivos do Open Banking são aumentar a concorrência entre as instituições financeiras e dar ao consumidor autonomia em relação aos seus dados (foto: Pixabay/Reprodução )

Muito se tem falado sobre o Open Banking, sistema que está sendo implementado no Brasil e promete revolucionar o mercado financeiro. Apesar de ainda ser desconhecido por boa parte dos brasileiros, é fato que o novo sistema garante mais liberdade ao consumidor, que pode se beneficiar muito das mudanças.

Mas você sabe, exatamente, o que é o Open Banking e como ele pode impactar a sua vida? É sobre isso que vamos falar no artigo de hoje, expandindo a reflexão para a perspectiva do consumidor endividado e dos impactos do novo sistema no setor de recuperação de crédito.

Acompanhe!

O Open Banking em poucas palavras

Trata-se de um sistema financeiro aberto, que permite que clientes de produtos e serviços financeiros compartilhem suas informações entre diferentes instituições. A premissa do Open é o consentimento do consumidor, que precisa autorizar se, como e quais dos seus dados serão compartilhados entre as empresas.

Com o novo sistema, um banco com o qual você não tem nenhum vínculo, por exemplo, poderá ter acesso a informações sobre o seu relacionamento com outras instituições, entendendo melhor seu perfil e seu histórico financeiro. Todo esse compartilhamento, vale dizer, é feito por meio de um sistema controlado pelo Banco Central.

Os principais objetivos do Open Banking são aumentar a concorrência entre as instituições financeiras e dar ao consumidor autonomia em relação aos seus dados que, antes, eram de propriedade das empresas com as quais ele tinha vínculo. Além disso, o novo sistema promete fazer surgir novos modelos de negócio, que podem incluir segmentos da sociedade mal assistidos, atualmente, pelas instituições financeiras - caso dos consumidores inadimplentes, por exemplo.

Ah, e é importante que você saiba que o Open Banking não é uma exclusividade do Brasil, viu? O novo sistema financeiro já é uma realidade em outras regiões do mundo, como União Europeia e Reino Unido e é de lá que o mercado financeiro brasileiro tem tirado aprendizados para a implementação do sistema por aqui. Clique aqui e saiba como está o processo e as fases dessa implementação.

O que você ganha com isso, afinal?

Legal demais ter mais autonomia em relação aos seus dados, não é mesmo? Mas o que isso significa no final das contas? Como você pode ter percebido nos parágrafos acima, o Open Banking vai garantir mais transparência em relação às suas informações financeiras o que, na prática, pode resultar em ofertas mais personalizadas para você.

Ao ter acesso aos seus dados, bancos, fintechs e outras instituições financeiras podem te oferecer crédito com mais assertividade, já que têm uma visão mais clara sobre a sua realidade financeira e sua capacidade de arcar com o compromisso financeiro assumido. E é aqui, inclusive, que entra forte a possibilidade do surgimento de novos modelos de negócio - algumas empresas podem, por exemplo, decidir disponibilizar crédito para quem está endividado e tem dificuldade de contar com esse tipo de serviço no mercado financeiro tradicional.

O aumento da concorrência, assim como acontece em todos os outros mercados, também promete trazer vantagens interessantes para os consumidores. Com a concorrência crescendo e, consequentemente, o poder de escolha dos clientes também, consumidores podem ser beneficiados com taxas de juros mais atrativas, produtos com um número maior de funcionalidades e serviços com condições melhores. Se as opções são mais amplas, as empresas precisam se esforçar mais para se destacar entre os concorrentes.

Você precisa autorizar o compartilhamento de dados

Um amigo veio me contar que recebeu uma mensagem do banco dele perguntando se ele autorizava que os dados dele fossem compartilhados com outras instituições e, claro, ele ficou sem saber o que isso significava. Sabendo que eu atuo no mercado financeiro, ele quis minha ajuda para interpretar a mensagem e saber se isso não era uma fraude.

Eu falei para ele exatamente o que escrevi nos parágrafos acima e expliquei que esse pedido de autorização é uma regra, estabelecida pelo Banco Central, que bancos e outras instituições financeiras precisam cumprir: é obrigatório pedir a anuência do cliente em relação ao compartilhamento de dados.

Vale ressaltar que, mesmo autorizando esse processo, você pode pedir o cancelamento do compartilhamento a qualquer momento. E mais: as instituições financeiras precisam seguir as diretrizes do Banco Central em relação à segurança das informações compartilhadas, que deve estar integralmente sustentada pela Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD). Ou seja, compartilhar suas informações por meio do Open Banking é um procedimento seguro.

Impactos do Open Banking na vida de quem está inadimplente

Parece claro que o Open Banking garante diversos benefícios para os consumidores que se relacionam com instituições financeiras das mais diversas naturezas. Mas, e quem está com o nome sujo? Ganha ou perde de um jeito diferente com esse novo sistema financeiro?

Especialistas defendem que o consumidor iendividado pode obter benefícios interessantes com o Open Banking. "Ao ter clareza sobre o histórico financeiro do consumidor, bancos, fintechs e outras instituições conseguem entender a origem da inadimplência. Caso o cliente seja um bom pagador, por exemplo, e tenha caído nessa situação por uma situação pontual, não há razão para tratá-lo da mesma forma que outros clientes que estão inadimplentes há muitos anos, impondo a ele restrições e dificuldades na relação com a instituição", comenta Pedro Lima, economista e co-CEO da Meu Acerto.

Restrição ao crédito, elevação das taxas de juros e produtos com menos funcionalidades são alguns exemplos das dificuldades enfrentadas pelos consumidores endividados. Com as medidas asseguradas pelo Open Banking, instituições podem tomar decisões baseadas nas informações compartilhadas, e o histórico financeiro do consumidor pode, por exemplo, garantir a ele acesso a melhores produtos e serviços.

E outro ponto nessa equação precisa ficar bastante claro: é possível que o jogo fique ainda mais difícil para quem tem um histórico maior de inadimplência e é visto no mercado como mau pagador. Mas o novo sistema financeiro também promete vantagens para esse público.

"Os consumidores endividados são, geralmente, desassistidos ou mal assistidos pelos bancos e pelas grandes instituições financeiras de forma geral. Com o Open Banking, a tendência é que surjam empresas especializadas na oferta de soluções específicas para esse público inadimplente. Ou seja, esse consumidor também pode obter benefícios muito interessantes com o novo sistema", explica Lima. Essas novas possibilidades podem incluir, por exemplo, a oferta de crédito para quem tem muitas dívidas e precisa de um apoio para quitar as pendências e organizar a vida financeira.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade