Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA

O vírus, os seus limites e capacidade de sobrevivência

Viajou e aprendeu tanto que ajeitou suas entranhas para melhor se moldar às nossas


(foto: Pixabay)
(foto: Pixabay)


O tecido humano sobre o planeta nunca antes na história da humanidade teve uma oportunidade tão cristalina de perceber-se integrado à natureza como nesta pandemia.

O vírus traduziu conceitos científicos e filosóficos em vida real.

Os meios de comunicação tradicionais e as mídias sociais disseminam informações, verdadeiras ou falsas, em velocidade maior do que a transmissão do vírus, aproximando o mundo microscópico de nossa macroscópica e deficiente percepção.

Para aqueles que degustam a complexidade do universo e apreciam os aspectos evolutivos da vida sobre a terra, não haveria momento melhor para assistir ao vivo e traduzido em detalhes o espetáculo da natureza diante dos nossos olhos mortais.

Para entender o universo que nos cerca, podemos olhar para as estrelas, para a célula ou para dentro de nós mesmos.

Em última instância, o observador sempre terá a sua própria versão do infinito.

Nesta pandemia, descobrimos que até os vírus que nos cercam têm registro civil, árvore genealógica e daqui a pouco terão CPF e pagarão imposto -  se é que já não pagam.

Vamos tentar entender melhor a saga deste vírus, da manjedoura até as nossas casas.

Para que serve um vírus?! Ele é o inusitado do universo microscópico, o qual pode ser classificado como o fator gerador de mudança dos seres vivos.

Quando tudo parece calmo, tranquilo e estável, chega o vírus e bagunça tudo. É como se a natureza quisesse dizer:  - chega de mesmiçe e preguiça! Vamos evoluir?!!

Só que trata-se de um grito ultramicroscópico, que vai sendo amplificado milhares de vezes, até chegar aos nossos ouvidos e se estampar diante dos nossos olhos através da estatística macabra de uma pandemia.

Mas, nós, humanos, somos quase sempre cegos, surdos e analfabetos perante os gritos e sinais evidentes da natureza.

Tem gente então, quase sobrenatural, não se percebe vivendo. Estes, independentes do grau de formação ou posição que ocupam, serão sempre o centro do universo. Incapazes de ver, perceber, sentir, e se emocionar com a vida. jamais saberão o real sentido de fazer sexo com a existência.

Só merecem o perdão pela sua deficiência ética e moral, quando entendermos o real papel dos vírus na natureza.

Mais um ditador quer ir para Marte. Deveria ir com passagem só de ida.

Com ele, vai um vírus ainda mais perigoso...o egoísmo.

Quero este planeta para mim, o sol e todas as estrelas do universo. A gula humana é insaciável. Obesidade mórbida universal. Olho cósmico maior que a barriga. Entretanto, natureza estabelece limites para as aberraç%u014Des. Caso contrário, a vida não seria possível da forma que conhecemos.

Vírus ignorante, que mata suas vítimas de forma rápida, tem pouca possibilidade de sucesso no mundo biológico.

Radicalismos egoístas não têm vez na construção e manutenção da existência.

Em nosso corpo, uma célula que degenera e resolve ser dona do seu próprio destino, comprometendo regras genéticas pré-estabelecidas, não vinga. Nosso sistema imunológico enquadra a meliante imediatamente.

Se não enquadrar, vira câncer. Tumor metastático que, em breve, matará as demais células e sistemas, inclusive a si mesmo.

Ou seja, no mundo biológico o egoísmo não tem vez.

A preservação da vida exige princípios de convívio em benefício de um todo social. Romper com este princípio é violentar a ética da existência.

O contrário, a preservação da vida, pode ser definida, simplesmente como amor. Sem amor, não há vida. No vácuo ético, não há amor nem vida.

Nos últimos dias, vimos uma aberração política, fruto do submundo do crime, agredir as instituições democráticas. Célula tão deteriorada, que não foi reconhecida nem pelo próprio tumor.

Por sorte, os mecanismos imunológicos democráticos ainda estão ativos e competentes para combater a metástase potencialmente letal.

Vírus desnorteados não viajam entre espécies. Morrem nas primeiras tentativas. A todo o tempo, existem milhares de vírus tentando fazer esta viagem planetária interespécie.

O Sars-COV 2, apesar de todo o caos gerado no planeta, preserva mais de 97% de suas vítimas. Esta é a razão do sucesso de sua trajetória, discrição epidemiológica.

Esta sutileza e capacidade de passar desapercebido por um longo período, causando infecções assintomáticas ou com poucos sintomas, lhe permitiu chegar a pessoas em todo o planeta. 

Viajou e aprendeu tanto, que ajeitou suas entranhas para melhor se moldar às nossas. Chaveiro competente, se adequou à fechadura celular, conseguindo infectar os seres humanos de mamando a caducando, com habilidade que se aperfeiçoa a cada nova variante.

Enquanto isso, o ignoto e ruidoso parlamentar foi devidamente enquadrado e tende a desaparecer em sua insignificância. 

Cortina de fumaça midiática e factoide para desviar a atenção do que vem sangrando este governo, a irresponsabilidade e incompetência para gerir a pior crise sanitária da nossa história.

Se o tumor se aquieta, sua metástase vai para o sacrifício.

Humanos trapalhões têm muito a aprender com os vírus.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade